Pesquisar
Pesquisar

Boric se mostra disposto a enfrentar direita e aplicar propostas que o elegeram em 2021

Presidência de Boric está submetida a uma implacável minoria parlamentar de direita que bloqueia e condiciona suas iniciativas de lei
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Beatriz Cannabrava

O presidente do Chile, Gabriel Boric, anunciou que impulsionará leis que incluem o aborto livre, sem expressão de causa, e a eutanásia assistida, o que gerou uma instantânea oposição da direita aos seus anúncios, acusando-o de falar para a “barra brava” (fanáticos) que o apoia e o levou ao governo. Além disso, anunciou que o Chile fará parte da denúncia, apresentada pela África do Sul, contra o governo de Israel por delitos de genocídio cometidos contra a população palestina.

Em um penúltimo discurso diante do Congresso Nacional, Boric reivindicou a vontade de mudanças estruturais que o levaram surpreendentemente ao poder como representante da coalizão rupturista Frente Ampla (FA), uma coalizão de partidos juvenis de esquerda nascidos no calor dos protestos estudantis de 2011. Seu sucesso eleitoral baseou-se em denunciar a superestrutura dirigente centrista, configurada entre partidos alinhados ao poder empresarial que predominou no país desde 1990, como validadores do regime neoliberal imposto durante a ditadura de Pinochet.

Leia também | Diálogos do Sul lança livro digital “Chile: Anatomia de um Golpe”; garanta já o seu

Mas o FA, uma confusão de movimentos esquerdistas diluídos que tenta ser um partido unitário, desde a administração do aparelho público evidenciou suas carências práticas e sua ausência de vínculos com os setores de baixa renda, essenciais para seu crescimento, em um país onde 80% da população recebe rendimentos inferiores a 800 dólares mensais.

Sua inexperiência para governar, cometendo erros crassos de forma e conteúdo, enfraqueceram a presidência de Boric, cujo governo está submetido a uma implacável minoria parlamentar de direita que bloqueia e condiciona suas iniciativas de lei. Também sofre com a constante instabilidade de declarações variadas provenientes de coalizões que, com muita dificuldade, sustentam seu governo.

Leia também | 4 anos após estallido, Chile segue estagnado pela ausência de uma visão coletiva de país

De modo que em seu discurso diante do Congresso, que também considerou assuntos como a valorização e recompensa das pessoas que dedicam seu cotidiano a atender pessoas com deficiência, anunciando a criação de um sistema nacional de cuidados; ou a reformulação do serviço estatal responsável por crianças e jovens abandonados; parece ter decidido tentar jogar todas as suas cartas para projetar um projeto político além de sua presidência, que terminará em março de 2025, mas marcada por eleições intermediárias que medirão seu apoio, a próxima uma municipal em outubro, um ano antes das presidenciais.

“Tenho a íntima convicção de estar avançando na resolução dos problemas de nossa pátria; de estar curando feridas para termos um país mais pacífico, sem fraturas; com uma economia em equilíbrio, e por isso em condições de crescer; com mais justiça e coesão; com mais segurança em todas as suas dimensões: pública, econômica e social”, disse.

Leia também | Execução de policiais no Chile fortalece comandante investigado por abusos e repressão em 2019

A presidência de Boric tem sido particularmente marcada pelos problemas de segurança pública, ao que o governante responde: “a segurança é um direito. Se fracassarmos em garanti-la, todos os demais direitos e liberdades que a democracia nos proporciona ficam comprometidos. Por isso, a segurança deve ser um projeto de Estado, que comprometa todos os seus poderes, todos os setores políticos e toda a cidadania.”

Ele apontou seis metas de sua presidência: “1) Garantir o direito à segurança; 2) Crescer mais e melhor, com equidade e coesão social; 3) Avançar em direção a uma sociedade de cuidados compartilhados; 4) Conduzir o Chile que virá através da educação, cultura e esporte; 5) Alcançar um desenvolvimento justo, resiliente e sustentável; e 6) Proteger e ampliar os direitos humanos e a democracia.”

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail: https://bit.ly/3yLEZ6g

Segundo ele, todas estão avançando, mas enfrenta a obstrução direitista.

A direita, por sua vez, antecipa seu fracasso, e reagiu de forma radical e absolutamente contrária a agenda de valores.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru
Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP