Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | Brizola e Vargas se contorcem na tumba: o PTB virou a latrina da história

Hoje o PTB está nas mãos de Roberto Jefferson, egresso dos cárceres por corrupção. Apoiou a farsa eleitoral que levou os militares ao Planalto em 2018
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), fundado por Getúlio Vargas em 1945 para participar da Constituinte, tinha como objetivo a soberania nacional e o desenvolvimento industrial. Como princípio, o trabalhismo era uma via para o socialismo e, para concretizar essa ideia, a pensava a organização dos trabalhadores em sindicatos e federações. Essa corrente tinha forte inspiração do Labour Party britânico.

Em 1964, disputava com a UDN o lugar de terceira força no Congresso Nacional. Nas eleições gerais de 1965, sairia como segunda força, disputando a hegemonia do PSD, o que possibilitaria aprofundar as reformas de base, iniciadas pelo governo de João Goulart. 

O partido, como os demais, eram 14, foi extinto para dar lugar ao bipartidarismo. Vale destacar que suas lideranças tiveram seus direitos políticos cassados, foram presas, perseguidas e obrigadas a um longo exílio.

A partir de 1979, com a Anistia mediatizada, concedida pelo regime militar, as lideranças trabalhistas voltaram ao país e, com a militância que aqui permaneceu, e com a nova geração que lutou contra a ditadura, se uniram para refundar o trabalhismo, relançando a sigla PTB.

Liderados por Leonel Brizola, herdeiro legítimo de Vargas, o trabalhismo renasce já vinculado e com apoio da Internacional Socialista, que era governo nos principais países da Europa. Contudo, uma manobra direta do general Golbery do Couto e Silva fez com que o trabalhismo abortasse o processo e o partido  fosse para mãos de seus seguidores.

Num gesto simbólico, Brizola, em prantos, rasga o papel contendo a sigla roubada. Simbólico mesmo. Ali morria o PBT e surgia do PDT, com as mesmas bandeiras do trabalhismo de Vargas como via para o socialismo.

“Vi um homem chorar porque lhe negram o direito de usar três letras do alfabeto para fins políticos. Vi uma mulher beber champanha porque lhe deram esse direito negado ao outro”. Assim começa o poeta Carlos Drummond de Andrade em “Eu vi”

O falso trabalhismo

Hoje esse PTB, que não mais existe como obra se Vargas, Jango e Brizola, está nas mãos, propriedade, de Roberto Jefferson, um egresso dos cárceres por corrupção. Apoiou a farsa eleitoral que levou os militares ao Planalto em 2018, participa da propagação de mentiras emanadas do Palácio para confundir a opinião pública, e está no esquema do continuísmo, a operação para reeleição.

Hoje o PTB está nas mãos de Roberto Jefferson, egresso dos cárceres por corrupção. Apoiou a farsa eleitoral que levou os militares ao Planalto em 2018

Reprodução
Presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro, Roberto Jefferson.

Vale aqui um parêntesis. Assisti a entrevista de Roberto Jefferson concedida a Augusto Nunes e sua turma no programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan. Difícil avaliar quem se saiu pior. Jornalistas sem dignidade, calaram diante das calamidades ditas pelo pseudo líder.

Sobre o tema:
Beatriz Bissio | Fui testemunha de um sonho: a urgente necessidade de refundar o Trabalhismo

Jefferson disse que o império do mal está no STF, destratando como se fosse um covil de canalhas… disse que Lula não deve participar da eleição, se participar não deve ganhar e se ganhar não deve tomar posse. Como se não bastasse, disse que os que tomaram duas doses da vacina do Butantã estão morrendo. A CPI da Pandemia, que atua no Senado deve terminar em pescoção… 

Esses jornalistas deveriam ser processados por deixarem afirmações como essas, que levam dúvidas e aumentam o desespero da população, já angustiada pela falta de vacinas a mais as confusões criadas pelo negativismo dos militares que ocupam o Planalto.

Assista:

Evangélicos bolsonaristas 

Jefferson deu notícias que devem preocupar os democratas. Disse que esse partido que leva a sigla de PTB está crescendo com o ingresso em massa de fiéis das igrejas evangélicas neopentecostais.

O programa em toda sua extensão foi um ataque inaceitável à democracia, a todas as instituições do Estado, violação descarada dos princípios consagrados na Constituição. O Judiciário tem que acordar. Liberdade tem limite. Ele prega abertamente a violência.

Se o caminho é esse do enfrentamento, que sejamos nós, os civis, a tomar a iniciativa. 

Também os neofacistas 

Não bastassem os neopentecostais, a sigla roubada está recebendo também os integralistas. A Frente Integralista Brasileira, presidida por Moisés José Lima, em julho deste ano ingressou em bloco no PTB.

Um bando de picaretas irresponsáveis. Depois de dizer que o governo militar é o responsável pelas mortes pela Covid, entra em um partido que abertamente é dos maiores apoiadores do capitão Bolsonaro e anseia com recebe-lo como candidato às eleições de 2022.  Depois de afirmar que o neoliberalismo mata, diz Moisés no sítio do integralismo:

registramos, tragicamente, 200 mil óbitos. Não tenho dúvida de que os “arautos” da negação, os “batedores” da boiada, poderão desqualificar os números, e o farão em desrespeito absoluto das vítimas

Agora entram no partido de Jefferson, que está à disposição de Bolsonaro, seja para que se filie, seja para participar na campanha eleitoral.

Leia também:
Governo bate novo recorde: desemprego avança e já afeta 14 milhões de brasileiros

Plínio Salgado (1895-1875), jornalista e escritor, fundou a Ação Integralista Brasileira em 1932, com intenção de reproduzir no Brasil a saga desenvolvida por Benito Mussolini na Itália entre 1920 e 1945. Em 1938, liderou uma intentona contra Vargas. Com militantes armados atacou o Palácio do Catete, no Rio, onde o presidente dormia com sua família.

Os integralistas inicialmente apoiaram o governo de Vargas, mas logo, ironia do destino, pegaram em armas para derrubá-lo, com a consigna Deus Pátria e Família. A luta do bem contra o mau, sendo o comunismo o pior dos males. Em síntese, a antítese do trabalhismo.

A AIB foi extinta pelo Estado Novo, ressurgiu na redemocratização de 1945 como Partido de Representação Popular, por sua vez extinto com o golpe de 1964 sobreviveria na Arena, Aliança Renovadora Nacional, criada pelos militares, juntamente com o MDB, para simular que no Brasil havia democracia.

Depois de estar espalhado por vários partidos se reorganiza como Frente Integralista Brasileira em 2004. Recupera o símbolo, um sigma no lugar da suástica nazista, a camisa verde no lugar da camisa negra italiana ou marrom dos alemães.

Quer saber mais sobre a origem e a história dos partidos brasileiros? Adquira o livro Governabilidade impossível, de Paulo Cannabrava Filho

Paulo Cannabrava Filho é jornalista e editor da Diálogos do Sul.

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns
MST-Frei-Betto
Frei Betto | No MST, consciência política é enriquecida com ação prática e luta
g20-quadrinhos-n2
G20 em quadrinhos | nº 2: Equidade
G20 em quadrinhos n1 - Dedicação
G20 em quadrinhos | nº 1: Dedicação