Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava: No Planalto, governo atua para destruir Estado brasileiro

Jornais dizem que país é castigado pela falta de governo. Aí está o engano: há loucura e há método… Bolsonaro precisa ser parado pela lei que despreza
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Onze partidos pedem ao TSE que interpele Jair Bolsonaro sobre os ataques à democracia. Ato seguido, o ministro Alexandre Moraes, presidente do STF, aceitou notícia-crime enviada pelo TSE e mandou instalar inquérito contra Bolsonaro pelos ataques ao sistema eleitoral.

Bolsonaro responde xingando de tudo que é nome os magistrados. Se diz vítima, sem embasamento jurídico.

Quem sai perdendo com a troca de insultos entre o Judiciário e o ocupante do Executivo?

Logicamente o Judiciário é quem sai perdendo. Razões muito simples. Obviamente os Tribunais Superiores só vão adquirir credibilidade quando fizer valer seu poder de guardião da Constituição. Interromper o diálogo, como chegou a anunciar o presidente do STF e depois dizer que está tudo bem só contribui para maior insegurança jurídica. 

O vice procurador-geral eleitoral, Renato Brill de Góes, apresentou denúncia contra Bolsonaro no TSE por propaganda eleitoral antecipada e conduta inadequada no exercício do cargo. 

Poder-se-ia acrescentar o que já está nesse Tribunal de denúncias que comprovam abuso do poder econômico, manipulação das redes sociais nas eleições de 2018. E há também o processo sobre as fake news que tramita no Supremo Tribunal Federal e o material compilado para aprovar a incompetência do juiz Sérgio Moro e a farsa jurídica por ele montada para tirar o ex presidente Lula da eleição. 

Com tudo isso, por que nada acontece? Ou melhor, acontece sim. Seis dias depois de ter pedido a condenação do capitão Jair Bolsonaro, Brill de Góes pediu afastamento do cargo. Pediu ou pediram? Mistério a ser desvendado. Para o lugar dele o procurador-geral Augusto Aras nomeou Paulo Gonet Branco, que atuava como vice de Aras. A bancada bolsonarista aplaudiu a nomeação o que nos parece um mau sinal. Estará tudo sob controle? Parece que não.

Na segunda (9), o TSE apresentou ao STF nova notícia-crime contra Bolsonaro, agora por vazamento de informação sigilosa, sobre inquérito aberto pela Polícia Federal, a pedido da Corte Eleitoral, para investigar invasão do sistema ocorrida em 2018. 

Bolsonaro mostrou esse inquérito como prova de que o sistema de apuração é violável. Só que, segundo as autoridades, o que ocorreu tem nada a ver com apuração e menos ainda com urnas eletrônicas. 

Leia também:
Bolsonaro trata as Forças Armadas como se fossem “um brinquedo particular”, diz Associação Brasileira de Imprensa

De novo, também uma boa parte do PIB se manifestou, através de manifesto, exigindo o cumprimento das leis. Um primeiro manifesto envolvia as empresas financeiras e os bancos, esse segundo é mais amplo, abrange outros setores da economia, intelectuais e ONGs. O Brasil terá eleição e o resultado será respeitado, concluem os signatários.

O que caracteriza o governo de ocupação é o abuso do poder e a delapidação do erário e do patrimônio público. Está mais que provado, Bolsonaro é a própria fraude. Por isso só fala nisso. Pior, agride magistrados com palavrões e ameaça claramente com desrespeitar a Constituição, com não aceitar outro resultado eleitoral que não seja o da sua eleição. Sua e dos 12 mil oficiais das forças armadas que ocupam o Planalto. 

Saiba Mais:
Com canhões e tanques fumegantes, Bolsonaro usa as Forças Armadas para invalidar eleições

Para a Folha de São Paulo, o presidente é contra a Constituição… Há loucura e há método… Precisa ser parado pela lei que despreza. Erra, ou engana a quem quer ser enganado, quando diz que o país é castigado pela ausência de governo. Aí está o engano, como já vimos o governo governa diariamente, basta ler o Diário Oficial.

O jornal da família Frias, que enriqueceu à sobra da ditadura 1964-85, em editorial do dia 5 de agosto, se diz incomodado pelos danos que estão a ocorrer na educação e no meio ambiente. Qualifica de protótipo de ditador cujo governo fracassou e quer que Aras, o PGR, Lira, da Câmara e Pacheco do Senado tomem providências. Sabem que não tomarão. 

O Poder Judicial -STF e TSE- tem que se tocar. Caramba. Se é para ir para o enfrentamento, que sejam os civis a tomar a iniciativa. Derrubados por fraude e má conduta os militares perdem força. Se presidiram as eleições ganham força. Estarão blefando esse tempo todo? Se estão blefando o povo não sabe, para ele tudo é verdade. A Justiça tem que pagar pra ver.

TSE é cúmplice por ter garantido a posse dos dois militares que conquistaram o Planalto através da fraude. O STF é cúmplice por ter negado o habeas corpus ao ex presidente, mantendo-o preso ilegalmente, como o próprio Tribunal demonstrou ao julgar e condenar os agentes da Lava Jato. Tentou redimir-se, é certo, ao constatar a fraude eleitoral, porém, tudo continua inalterado.

Ganham força e estão se preparando para ganhar a eleição. O que fizeram em 2018 deve servir de advertência. Sabem como fazer.

Jornais dizem que país é castigado pela falta de governo. Aí está o engano: há loucura e há método… Bolsonaro precisa ser parado pela lei que despreza

Palácio do Planalto
No dia em que a questão da urna eletrônica foi discutida na Câmara dos Deputados, Bolsonaro colocou os tanques das Forças Armadas na rua.

O governo governa

Enquanto a pasmaceira domina a chamada sociedade civil, o governo governa. É falacioso dizer que não há governo. Há. Todos os dias o Diário Oficial da União publica uma Medida Provisória, um decreto ou portaria em direção à destruição do Estado anunciada durante a campanha. Aprovam as maiores barbaridades sem que o povo tenha sido consultado. Nos últimos dias, só para dar uns poucos exemplos, liberaram geral a ocupação ilegal e predatória na Amazônia e aprovaram a venda dos Correios, para ser realizada no início de 2022. A venda da estatal foi aprovada por 286 a 173, o máximo de votos que a oposição conseguiu até hoje. A questão agora vai para o Senado.

Bolsonaro tem avisado, advertiu o senador Cristóvam Buarque, em declarações ao jornal Metroples.com, no domingo, 8 de agosto. Desde a campanha eleitoral Bolsonaro avisou que iria destruir tudo e está fazendo. Da mesma forma já avisou que só deus o tira do palácio. 

O Projeto d Lei 490 liberou geral a grilagem, ou seja, aquilo que era a prática ilegal de ocupar terras indígenas e reservas ambientais, o garimpo ilegal, os madeireiros ilegais. Mesmo sem esse decreto, no que vai do ano o avanço sobre as terras indígenas foi de 135%. 

A Campanha do Despejo Zero, para proteger as famílias durante a pandemia, também fracassou. De março de 2020 a junho de 2021, 14.300 famílias foram despejadas. Para onde vão? Quem pode ir para casa de parente vai contribuir para o confinamento e quem não tem vai pra rua. Impressiona a quantidade de famílias com crianças e até com bebês nas ruas.

Quem se dá conta e protesta corre risco de ir para a cadeia, ou simplesmente levar um tiro. Esse governo também propicia novo recorde na letalidade das polícias militares. As mortes por violência somaram 6.416 execuções, 13% mais que no ano anterior.

Levantamento feito pelo Estadão (1/8/21), 88 decretos, medidas provisórias, portarias, pareceres ou resoluções incluem medidas que corroem o Estado ou atentam contra liberdades civis e direito constitucional. 

A realidade é que eles estão se preparando para assegurar a continuidade. Segundo o próprio Bolsonaro, — eu sou o Centrão — contam com 530 votos. Isso ou outra cifra, a verdade é que contam com um verdadeiro rolo compressor que aprova tudo. O máximo que a oposição consegue de votos é em torno dos 150. Isso se chama ditadura da maioria e precisa ser denunciada porque é contra o povo.

O PP do piauiense Ciro Nogueira, agora como ministro chefe da Casa Civil, tem 48 deputados e 7 senadores. Dali ele maneja a distribuição das Emendas Parlamentares e dos R$ 2 bilhões do Orçamento Secreto.

Não é a máquina de votar eletrônica que frauda a eleição. O que frauda, na realidade, é o dinheiro. Na década de 1980, com cinquentinha se comprava um voto. Em 2017 e 2018 o abuso do poder econômico foi escancarado. Concentraram boa parte nas redes sociais. Quanto foi gasto na remuneração das milícias cibernéticas? Quanto ganhou o Facebook nessa eleição? Nos Estados Unidos, na Califórnia, para a eleição de meio de mandato, dois anos antes da eleição de Donald Trump, para eleger uma maioria republicana, só com o Facebook gastaram US$ 20 milhões.

Aqui, empresários contrataram empresas especializadas com robôs e inteligência artificial para disparar mensagens por WhatsApp e no face e outras redes sociais. Diálogos do Sul publicou inclusive mapas demonstrativos de como isso funciona.

Sobre o tema:
“Partido dos Robôs sem voto”: entenda como Bolsonaro ganhou a eleição de 2018

A mídia hegemônica corroborou ficando neutra com relação a uns, enaltecendo aquele que é o ungido e demonizando aqueles contrários a seus interesses. E que interesses são esses? Desde já há muito tempo a mídia é porta-voz do pensamento único imposto pela ditadura do capital financeiro. 

A religião ajuda bastante com o dogma do bem contra o mal. Se o padre disse ….. se o pastor falou …. olha, está na Bíblia. … O cara (Lula) é o maior ladrão do mundo.

Não somos nós quem devemos julgar os outros, sim a Justiça. Mas, a mídia condena a priori, sem nenhum critério que o de linchar para arrebatar o público e defender seus interesses. Fizeram isso inúmeras vezes.

A Reforma Eleitoral não poderia ser pior. A nova regra, impede o presidente reeleger-se mais de duas vez consecutivas ou mesmo alternadas o que, se aprovada, impediria o ex presidente Lula de candidatar-se.

EUA avançam

Primeiro, foi o chefe da Cia, Willian J. Burns acompanhado do comandante do Comando Sul, esteve na Casa Civil, então sob o comando do general Luiz Eduardo Ramos, e o general Augusto Heleno do GSI. Em seguida esteve no Ministério da Defesa com o general Walter Braga e outros oficiais. 

Segundo, foi o conselheiro de Segurança de Joe Biden, visitando autoridades brasileiras num momento de grave crise. O que vieram fazer aqui esses senhores das guerras?

Na quinta(8), Jakes Sullivan, enviado por Biden, esteve no Palácio do Planalto, reuniu-se com os ministros da Defesa, general Walter Braga e do SGI, general Augusto Heleno. Mais tarde reuniu-se também com Fábio Faria, Ministro da Comunicação. Fábio Faria é um fascista declarado, no seu quarto mandato como deputado pelo PP, galgou as altas esferas por seu genro de Silvio Santos, dono da rede SBT de televisão.

A grande preocupação dos ianques é com a China. Querem que o Brasil desista de fazer negócio com os chineses para a implantação da tecnologia de 5ª Geração. Em troca oferecem um lugar de destaque para o Brasil na Otan. Dois absurdos que podem custar muito caro economicamente e também com relação à soberania e o futuro. 

O Brasil não é nenhuma potência do Norte para estar na Otan. É estar lá para prestar serviço aos EUA, como acontece com a Colômbia. Com relação à tecnologia chinesa, está há décadas dominando o setor no Brasil de tal maneira que substituir por outra demandará desfazer as coisas que estão funcionando para começar de novo com a nova tecnologia que viria dos EUA.

Os ianques alegam que é uma questão de segurança. Não é…. muito pelo contrário, segurança é livrar-se da tutela estadunidense. É uma questão puramente de mercado…. atrasado no desenvolvimento tecnológico está correndo atrás da China, quer afastar os chineses. Acho que chegaram tarde. É de esperar que as empresas de telefonia e web que estão no mercado se imponham e vetem os EUA para permanecerem com a China.

Outro resultado da visita das autoridades ianques, foi anunciado pelo Comando Sul dos Estados Unidos: o Brasil participará da operação conjunta Southern Vanguard Exercicio, que mobilizará a 101 divisão aerotransportada, que se realizará em território brasileiro em dezembro deste ano. 

Paulo Cannabrava Filho é jornalista e editor da Diálogos do Sul.

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1967. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Lira_Centrao_Legislativo_Executivo
Cannabrava | Parlamentarismo às avessas encurrala o poder Executivo
Petrobras
Juca Ferreira | Crise na Petrobras só atende interesses estrangeiros e do mercado
Mulheres_luta_por_moradia_Desocupação_do_Horto_RJ
Mais atingidas pela pobreza, mulheres estão na linha de frente da luta por moradia no Brasil
Brasil_histpria_quarteladas
Frei Betto | História do Brasil é marcada por quarteladas; impunidade ameaça futuro