Pesquisar
Pesquisar

Censura, violência, corrupção: Entenda o projeto de ditadura em curso na Guatemala

Com população temerosa da opressão estatal e calada pela fome e a miséria, o prato está feito: panorama do país não pode ser mais desalentador
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

O presidente guatemalteco, Alejandro Giammattei, e seus aliados, já cometeram todos os delitos do catálogo político: obstrução à justiça; saqueio das arcas públicas; cumplicidade com as organizações criminosas e com os cartéis de narcotráfico; perseguição e prisão contra operadores de justiça, líderes comunitários, defensores de direitos humanos e quem se oponha a seus abusos e, como se isso fosse pouco, o ataque furibundo contra a imprensa independente, com ameaças explícitas a jornalistas e líderes de opinião valentes e capazes de desvelar suas manobras.

O tamanho de suas ofensas contra a democracia vai parelho com o medo de perder o controle do poder e se ver enfrentado à possibilidade de pagar por seus crimes. Daí a cooptação do Ministério Público, ao sustentar em sua máxima chefia a quem tem a potestade de se converter no braço vingador e retorcer impunemente a aplicação de suas funções.

O aparelho judicial, por sua parte, foi invadido por juízes e magistrados corruptos, tal e como sucede com um Congresso majoritariamente aliado, que apoia incondicionalmente suas decisões. Os fundos do Estado são sua “caixinha” com o objetivo de levar a cabo, sem qualquer oposição, seus planos de concretizar a destruição total da institucionalidade no país.

Leia também:
Para EUA, é mais vantajoso que Guatemala continue empobrecida e antidemocrática

A captura do jornalista José Rubén Zamora Marroquín, diretor do elPeriódico – meio que investigou e desvelou os maiores escândalos das recentes administrações – consumou-se rodeada de um escandaloso aparato policial. Leva uma mensagem evidente para todo membro da imprensa que ouse continuar com as denúncias e a exposição dos delitos da equipe de governo. O violento operativo de invasão da casa de Zamora Marroquín e dos escritórios do elPeriódico não deixam resquício à dúvida a respeito dos planos deste projeto de ditador, dado que amedrontar a imprensa independente é e tem sido sempre o covarde instrumento dos traidores.

Com população temerosa da opressão estatal e calada pela fome e a miséria, o prato está feito: panorama do país não pode ser mais desalentador

OEA – OAS –  Flickr

Sem a intervenção das forças vivas do país, de sua cidadania consciente e comprometida com a democracia, nada mudará

A Guatemala tem vivido tempos escuros durante sua história. Experiências dolorosas e extremas que culminaram com uma virada inevitável para um sistema democrático. No entanto, as raízes do mal persistiram em instituições infiltradas por elementos corruptos e organizações criminosas. A depuração institucional ficou como um tema pendente, o que deixou abertas as oportunidades de reverter os esquemas para um quadro de excessos como o que a Guatemala vive hoje. Em síntese, a democracia tão desejada pela cidadania, não terminou de coalhar.

O panorama desse país não pode ser mais desalentador. Com uma população temerosa da violência estatal e calada pela fome e a miséria, o prato está feito. No entanto, ainda com as ameaças e perseguições, as investigações e denúncias publicadas pelo elPeriódico e outros meios – assim como as colunas de opinião opostas aos abusos da cúpula política – deixaram em evidência o sério perigo que ameaça todo o sistema político, econômico e social deste país centro-americano. 

A comunidade internacional, por sua parte, concentrada em atender seus próprios problemas, só parece dar uma olhada tangencial sem maior impacto no desenvolvimento dos acontecimentos. Isto significa que, sem a intervenção das forças vivas do país, de sua cidadania consciente e comprometida com a democracia, nada mudará. 

 O direito à informação é um direito humano inalienável.

Carolina Vásquez Araya é colaboradora da Diálogos do Sul, da Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA