Pesquisar
Pesquisar

Comissão que investigará gestão federal da pandemia deixará explicita afirmações genocidas de Bolsonaro

O professor Di Mauro faz uma análise sobre os temas mais recentes dos noticiários, entre eles a Cúpula do Clima e a sentença do caso George Floyd
Claúdio di Mauro
Diálogos do Sul
Uberlândia

Tradução:

Me refiro ao Mundo diante da condenação do ex-policial, branco, Derek Chauvin de Minnesota que foi condenado pelo assassinato por asfixia do George Floyd. A postura da Polícia dos Estados Unidos tem se mostrado extremamente violenta na perseguição às pessoas pretas e pobres.

Assim, com esta condenação do ex policial Derek Chauvin que terá a pena anunciada 16 dias após a data do julgamento, faz-se justiça e mais do que isso, expressa uma simbologia de que a sociedade estadunidenses repudia o crime com conotação racista.

Leia também
“Veredito pode ser passo gigantesco, mas não é suficiente”

E isso tem repercussão em nosso país, onde há matanças de jovens pretos, moradores em favelas e periferias econômicas, atacados e dizimados. Já nascem e crescem como suspeitos por crimes, pela cor e pela situação de pobreza. 

A condenação de Chauvin deveria ser estendida ao sistema policial que o treinou para tais ações.  O ex-policial não é culpado, sozinho, suas chefias e o sistema ao qual está vinculado estão organizados para essas ações. 

O professor Di Mauro faz uma análise sobre os temas mais recentes dos noticiários, entre eles a Cúpula do Clima e a sentença do caso George Floyd

Wikimedia
Ilustração

Luta de classes

Assim fica explícito o caráter que expõe a luta de classes que o capitalismo exerce em relação às populações empobrecidas pelo sistema. Condena o racismo, não apenas como uma questão identitária, mas incorporada à luta de classes.

Essa condenação, demonstra a fragilidade e o desgaste do capitalismo com sua história imposta pelos colonizadores, que fizeram a matança dos milhares de componentes dos povos originários de toda a América (Norte, Central e Sul), da escravidão impingida às populações que foram trazidas e escravizadas desde a África.

Leia também
Violência Policial: O Estado caça, confina e abate nossos filhos negros como animais

Torna-se indispensável e é preciso superar essa fase das relações sociais e econômicas que marcam nossos tempos, nos países onde está imposta a maneira de vida ocidental pautada no capitalismo. A mundialização tem privilegiado os conceitos neoliberais, portanto no capitalismo que tem levado as tentativas de implantar governos neofascistas, em diversos países, a exemplo do Brasil.

A condenação do assassino de Floyd não deve ser vista como uma vingança pelo crime cometido, mas, o necessário respeito às Leis e ao adequado processo judicial, indispensáveis para a vida em coletividade.

Cúpula do Clima

Outro acontecimento internacional que teve enorme repercussão mundial envolvendo o Brasil foi a Cúpula do Clima, promovida pelo Presidente dos Estados Unidos Joe Biden com objetivo de debater a situação Climática do Globo. 

Sobre o tema
“Que Paguem!“: Ativistas de 68 países lançam campanha para que grandes corporações compensem crise climática

No final deste ano teremos a Conferência (COP) organizada pela ONU e que se constituirá no momento oficial. Mas, esta reunião realizada nos Estados Unidos teve o condão de se constituir na reunião prévia.

O Brasil foi representado pelo Presidente da República Jair Bolsonaro e pelo Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. Ambos foram tratados com descaso, sem nenhuma importância, a ponto do Presidente dos Estados Unidos ter se ausentado da Reunião, dez minutos antes de Bolsonaro discursar. 

Leia também
Greta Thunberg e Xiye Bastida criticam Cúpula do Clima: “Custam aceitar que era dos combustíveis fósseis acabou”

Nos discursos dos brasileiros foram assumidos compromissos que mais se caracterizam como se o País estivesse arrependido de tudo o que tem sido feito em suas políticas públicas. Na prática, o que tem sido realizado são os desmontes das políticas ambientais e dos recursos hídricos, bem como dos órgãos de controle e fiscalização.

Os servidores federais vinculados aos órgãos de fiscalização, produziram documento demonstrando a situação de penúria gerada por atos do governo. Nessas condições como Bolsonaro pretende exterminar o desmatamento ilegal da Amazônia até 2030?

Como antecipar medidas que não contam com a estrutura necessária que permita o cumprimento de suas promessas para o mundo?

Ficou explícito que as afirmações de Bolsonaro são fantasiosas e não possuem qualquer relação com suas práticas atuais.

CPI da Pandemia

Mas, o fato de enorme destaque nestes dias é a instalação no âmbito do Senado Federal da CPI do Coronavírus- A CPI da Pandemia.

Os governistas sabem que essa CPI é fatal. Tem motivos suficientes para ocasionar o impedimento do Presidente da República e criminalizar alguns de seus auxiliares, a exemplo do ex-Ministro e General do Exército Pazuello.

É irremediável para o governo Bolsonaro o fato de que fazem parte da CPI em sua maioria, senadores que possuem uma visão crítica à condução da Pandemia no Brasil.

Seja pela demora de providenciar condições técnicas para atenção aos doentes; seja pela ausência de testes que permitiram o acompanhamento e controle de pessoas contaminadas; seja pela negação ou omissão na compra de vacinas para se antecipar ao surto descontrolado; seja  pela ausência de recomendação para providências no uso de máscaras e distanciamento social; seja na recomendação de um kit de atenção preventiva que não oferece qualquer segurança científica no uso. Enfim, há muitos motivos para incriminar a política tida como genocida, adotada pelo governo federal.

Leia também
Discípulo de Mussolini, Bolsonaro usa crise pandêmica para se tornar um ditador pós-moderno

O esforço dos governistas para impedir que o Senador Renan Calheiros assumisse a Relatoria da CPI , a ponto da Deputada Federal Carla Zambelli ter procurado a justiça para impedir que o Presidente da CPI e Senador pelo Amazonas Omar Aziz fizesse tal indicação. Afinal o Relator da CPI é indicado pelo Presidente da Comissão. Não há eleição para tal decisão.

Derrotados na Justiça com a derrubada da liminar concedida por um Juiz de Primeira Instância, os governistas terão que amargar o pior do que fizeram ao aguçar os ânimos do enfrentamento.

Nesta semana, haverá a primeira reunião da CPI do COVID, após eleição de seu Presidente Omar Aziz e Vice Presidente o Senador Randolfe Rodrigues, e Renan Calheiros como Relator. Início dos trabalhos, quando veremos a metodologia de trabalho que será adotada.

Se for na direção apontada pelo economista Paulo Nogueira Batista Júnior, os trabalhos pegarão na jugular do Governo Federal.

Cláudio Di Mauro é geógrafo, ex-prefeito de Rio Claro (Sp) e colaborador da Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Claúdio di Mauro

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza