Pesquisar
Pesquisar

Como o conceito de "honra" tortura, viola e mata mulheres ao redor do mundo

Não é aceitável, em uma sociedade deste século, atribuir à vida íntima e pessoal de uma mulher o peso da reputação de todo um grupo social
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

O Dicionário da Língua Espanhola, em sua versão atualizada de 2021, define a honra – entre outras acepções – como “boa opinião granjeada pela honestidade e o recato nas mulheres”.

Nesse enunciado vem implícito um estereótipo discriminatório, mediante o qual se demanda de uma mulher um comportamento pessoal determinado e sujeito à censura, com respeito à sua sexualidade e sua relação com os demais.

Esta visão das expectativas sociais para com a sexualidade feminina é projetada como um valor, mesmo quando leva uma forte carga de preconceito e a ratificação das autoridades patriarcal, a partir da qual se legitima e respalda um trato diferenciado entre homens e mulheres.

O impacto da ideia de honra na vida de milhões de mulheres no mundo não se detém no marco da conduta. Também afeta sua liberdade, estilo de vida e oportunidades de desenvolvimento, até tocar o extremo de ameaçar sua sobrevivência. Por esta duvidosa concepção da “honra”, mulheres de diferentes culturas são vítimas de tortura, lapidação e morte.

São violadas e despojadas de seus bens, afastadas de seus filhos e expulsas da sua casa. Pela honra se cometem contra elas crimes abomináveis, os quais – também por questão de honra – ficam impunes ao estar aqueles que o cometem protegidos com a legitimidade que outorgam as leis. 

Não é aceitável, em uma sociedade deste século, atribuir à vida íntima e pessoal de uma mulher o peso da reputação de todo um grupo social

Twitter/Reprodução
O conceito de honra não pode residir na discriminação, punição ou marginalização

Sob o pretexto da cultura e da tradição, em todo o mundo são cometidos os mais abomináveis abusos sexuais contra meninas, meninos, adolescentes e mulheres. É uma questão de poder patriarcal e seus perpetradores terminam sendo protegidos por um marco jurídico em cuja nebulosa legal se amparam os crimes sexuais.

O nível de impunidade nesses delitos cometidos, em geral, por homens próximos às suas vítimas, é uma autêntica forma de tortura. E essa impunidade se deve, precisamente, ao tão arraigado, arcaico e distorcido conceito de honra, segundo o qual as famílias afetadas por um crime sexual contra alguma de suas integrantes, sofreriam ostracismo e marginalização por parte do resto da sua comunidade. Um castigo não apenas injusto, mas sim marcado por um profundo desprezo pela natureza feminina.

Conceito de honra

O conceito de honra deve experimentar uma profunda revisão. Não é aceitável, em uma sociedade deste século, atribuir à vida íntima e pessoal de uma mulher – que só a ela lhe pertence – o peso da reputação de todo um grupo social e muito menos a condenação moral pela maneira como decide viver. 

Tampouco é aceitável – de fato, é uma monstruosidade por qualquer ponto que se analise – condenar as meninas ao abuso sexual reiterado apelando à honra, porque desde o momento que o crime é perpetrado e as testemunhas se calam, essa suposta honra já foi destruída. A cumplicidade nesta classe de atos de barbárie é tão perversa e culpável como o próprio ato do delito e não há escusa alguma para ampará-lo.

A honra, como o dicionário o diz, é uma qualidade moral. O ocultamento de atos criminosos não o é. Por isso, esta reflexão deveria calar no fundo da consciência daqueles que em nossos países – tanto como na Índia, no Paquistão, nos Estados Unidos, no Brasil ou qualquer outro ao redor do mundo – localizam o conceito de honra no sexo feminino, o condenam, o marcam a fogo, o violam e o satanizam à força de proibições, credos e mitos.

Se somos capazes de levar ciência e a arte a níveis de sublime perfeição, se a humanidade se pavoneia com o desenvolvimento de suas grandes conquistas, se nós nos consideramos superiores a todas as espécies, então estamos obrigados a redefinir conceitos arcaicos cuja vigência desmente o anterior e nos coloca no degrau mais baixo da escala.

Assista na TV Diálogos do Sul

A des-satanização da natureza feminina é uma obrigação moral das sociedades e uma dívida histórica. Os credos religiosos, cujos princípios insistem em discriminar a mulher, devem passar por uma revisão de fundo e corrigir as aberrações conceituais cuja força tanto dano continua ocasionando em mais da metade da população.

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala
Tradução: Beatriz Cannabrava


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda