Pesquisar
Pesquisar

COP27: Maduro propõe cúpula com Lula e Petro para retomar defesa da Amazônia

Mandatário ainda falou da necessidade de resgatar a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) criada em 1995
Lucas Estanislau
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, viajou ao Egito no último final de semana para participar da COP27, que começou neste domingo (06/11) na cidade de Sharm el-Sheik. Em sua chegada ao país, Maduro disse que propôs ao presidente colombiano, Gustavo Petro, e ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva a realização de uma cúpula sul-americana em defesa da Amazônia.

“Uma proposta que discutimos com o presidente colombiano Gustavo Petro, e que também discuti com o presidente eleito do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, é retomar a defesa da Amazônia”, disse Maduro.

Assista na TV Diálogos do Sul

O mandatário ainda falou da necessidade de resgatar a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) criada em 1995 por Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

Mandatário ainda falou da necessidade de resgatar a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) criada em 1995

Prensa presidencial
Para Venezuela, participação na COP27 é encarada como uma oportunidade diplomática de retornar espaços de diálogo multilaterais

Propostas concretas

“Nós vamos levar propostas concretas para que a humanidade e os governos poderosos do mundo se comprometam a financiar a recuperação da Amazônia“, afirmou o presidente venezuelano.

As propostas de Maduro devem ter boa aceitação dos lados colombiano e brasileiro. Em meados de outubro, o ex-chanceler Celso Amorim afirmou em entrevista à Reuters que uma das principais ações do governo Lula quando eleito deveria ser a realização de uma cúpula ambiental e estender o convite a países que não são membros da OTCA.

Já Petro, que se reuniu com Maduro no início de novembro em Caracas, havia mencionado que Colômbia e Venezuela levariam propostas conjuntas à COP27 e que ele esperava que o Brasil se juntasse aos esforços.

“Esse é um pilar fundamental no equilíbrio climático do planeta, que hoje está em perigo e coloca em perigo a espécie humana. […] Um esforço comum dos países que têm responsabilidade sobre a Floresta Amazônica na COP27 é um de nossos acordos. De forma que Venezuela nos ajude, que nos ajudemos mutuamente, e tomara que o Brasil se integre porque é fundamental”, disse.

COP27 no Egito: encontro precisa debater ações reais e radicais contra crise climática

Para a Venezuela, a participação na COP27 é encarada como uma oportunidade diplomática de retornar as espaços de diálogo multilaterais e obter financiamento pra proteção ambiental, já que as sanções estadunidenses impedem que o país busque apoio financeiro de instituições como o Banco Mundial ou o FMI.

“Deixaremos aqui uma posição firme não apenas da Venezuela, mas dos povos do Sul em defesa de um modelo humanista e respeitoso com as condições de vida do planeta”, disse Maduro.

Lucas Estanislau | Brasil de Fato
Edição: Arturo Hartmann


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Lucas Estanislau

LEIA tAMBÉM

Catástrofe_RS_clima
Cannabrava | Catástrofe climática, tragédia humana
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024