Pesquisar
Pesquisar

Corredores econômicos: China e Rússia decretam ‘reset’ nas regras do jogo mundial

Durante as últimas duas décadas, corredores de energia estiveram muito politizados e estão no centro das implacáveis competições globais de gasodutos
Pepe Escobar
The Cradle
Líbano

Tradução:

O Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo se configura há anos como absolutamente imprescindível para entender as dinâmicas em evolução e as provações e tribulações da integração euroasiática.

Decorrida entre os dias 15 e 18 de junho último, São Petersburgo em 2022 é ainda mais crucial, já que se conecta diretamente com três desenvolvimentos simultâneos que descrevi anteriormente, sem nenhuma ordem em particular:

Primeiro, a chegada do “novo G8”: quatro nações BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China), além de Irã, Indonésia, Turquia e México, cujo PIB por paridade de poder aquisitivo (PPA) já eclipsa o antigo, dominado pelo Ocidente. 

Novas Rotas da Seda da China já integram 20 países árabes

Em segundo lugar, a estratégia chinesa dos “Três Anéis” de desenvolver relações geoeconômicas com seus vizinhos e sócios.

Em terceiro lugar, o desenvolvimento dos BRICS+, o BRICS estendido, incluindo alguns membros do “novo G8”, que se discutirá na próxima cúpula, na China.

Quase não havia dúvidas de que o presidente Putin seria a estrela de São Petersburgo 2022, pronunciando um discurso contundente e detalhado na sessão plenária.

Assista na TV Diálogos do Sul

Entre os aspectos mais destacados, Putin destroçou as ilusões dos chamados ‘bilhões de ouro’ que vivem no ocidente industrializado (só 12 por cento da população mundial) e as “políticas macroeconômicas irresponsáveis dos países do G7”.

O presidente russo afirmou que as “perdas da UE devido às sanções contra a Rússia” podem superar os 400 bilhões de dólares por ano, e que os altos preços da energia na Europa – algo que na realidade começou “no terceiro trimestre do ano passado” – devem-se a “acreditar cegamente nas energias renováveis”.

Também desestimou devidamente a propaganda ocidental do ‘aumento dos preços de Putin’, dizendo que a crise alimentar e energética está vinculada a políticas econômicas ocidentais equivocadas, isto é, “os cereais e fertilizantes russos estão sendo sancionados” em detrimento do Ocidente.

Em poucas palavras: o Ocidente julgou mal a soberania da Rússia ao sancioná-la, e agora está pagando um preço muito alto.

Pacote econômico de Biden tenta salvar capitalismo, mas ofensiva contra Rússia e China são tiro no pé do Imperialismo

O presidente chinês, Xi Jinping, ao dirigir-se ao fórum por vídeo, enviou uma mensagem a todo o Sul Global. Evocou o “verdadeiro multilateralismo”, insistiu em que os mercados emergentes devem ter “uma voz na gestão econômica mundial” e pediu “melhores diálogos Norte-Sul e Sul-Sul”.

Dependia do presidente do Cazaquistão, Tokayev, o governante de um sócio profundamente estratégico tanto da Rússia como da China, dar o golpe de graça em pessoa: a integração da Eurásia deveria progredir pela mão da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) da China. Pronto, círculo completo.

Durante as últimas duas décadas, corredores de energia estiveram muito politizados e estão no centro das implacáveis competições globais de gasodutos

Kremlin – Wikimedia Commons
Corredores de transporte, e não conquista territorial, serão motivações para guerras a partir de agora




Construindo uma estratégia de longo prazo “em semanas”

São Petersburgo ofereceu vários debates apaixonantes sobre temas e subtemas chave da integração da Eurásia, como os negócios no âmbito da Organização de Cooperação de Shanghai (SCO)Rússia-ChinaBRICSrusso.

Uma das discussões mais importantes concentrou-se na crescente interação entre a União Econômica da Eurásia (EAEU) e a ASEAN, um exemplo chave do que os chineses definiriam como ‘cooperação Sul-Sul’.

E isso se conecta com o ainda longo e tortuoso caminho que leva a uma integração mais profunda da própria UEEA.

Países da Eurásia já têm modelo alternativo ao Swift, longe do controle dos EUA

O que implica passos para um desenvolvimento econômico mais autossuficiente para os membros; estabelecer as prioridades para a substituição de importações; aproveitar todo o potencial de transporte e logística; desenvolver corporações transeuroasiáticas; e imprimir a ‘marca’ EAEU em um novo sistema de relações econômicas globais.

O vice-primeiro-ministro russo, Alexey Overchuk, foi particularmente arguto nos assuntos urgentes em questão: implementar uma união econômica e alfandegária de livre comércio completa, além de um sistema de pagamento unificado, com liquidações diretas simplificadas, utilizando o cartão de pagamento Mir para chegar a novos mercados no sudeste asiático, África e o Golfo Pérsico.

Em uma nova era definida pelos círculos empresariais russos como “o jogo sem regras”, desacreditando a “ordem internacional baseada em regras” assim denominado pelos Estados Unidos, outra discussão relevante, com o assessor chave de Putin, Maxim Oreshkin, concentrou-se em quais deveriam ser as prioridades para as grandes empresas e o setor financeiro em relação à política econômica e externa do Estado.

O consenso é que as ‘regras’ atuais foram escritas pelo Ocidente. A Rússia só podia conectar-se aos mecanismos existentes, apoiados pelo direito e pelas instituições internacionais. Mas depois o Ocidente tratou de “espremer-nos” e até “cancelar a Rússia”. De modo que é chegado o momento de “substituir as regras sem regras”. Este é um tema chave subjacente ao conceito de ‘soberania’ desenvolvido por Putin em seu discurso em plenário.

Rússia tem forte potencial de liderança em uma futura Grande Eurásia

Em outra discussão importante presidida pelo CEO do Sberbank, Herman Gref, sancionado pelo Ocidente, houve muitas preocupações com o fato de que o “salto evolutivo russo para 2030” deveria ter ocorrido antes. Agora, deve-se construir uma “estratégia a longo prazo em semanas”, com cadeias de abastecimento que se rompem em todo o espectro.

Fez-se uma pergunta à audiência, la crème de la crème da comunidade empresarial da Rússia: o que recomendaria, aumentar o comércio com o leste ou reorientar a estrutura da economia russa? Um enorme 72% votou por esta última opção.

De modo que agora chegamos ao ponto crucial, já que todos estes temas interagem quando observamos o que aconteceu apenas uns dias antes de São Petersburgo.


O corredor Rússia-Irã-Índia

Agora está em jogo um ponto de transbordo chave do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INTSC), que une o noroeste da Rússia ao Golfo Pérsico através do Mar Cáspio e do Irã. O tempo de transporte entre São Petersburgo e os portos indianos é de 25 dias.

Este corredor logístico com transporte multimodal tem uma enorme importância geopolítica para dois membros BRICS e um possível membro do “novo G8”, porque abre uma rota alternativa chave ao caminho de carga habitual da Ásia para a Europa pelo canal de Suez.

Corredor Internacional de Transporte Norte Sul (INSTC)

O corredor INSTC é um projeto clássico de integração Sul-Sul: uma rede multimodal de 7.200 km de rotas marítimas, ferroviárias e viárias que interconecta a Índia, o Afeganistão, a Ásia Central, o Irã, o Azerbaijão e a Rússia até a Finlândia, no Mar Báltico.

Tecnicamente, imagine-se um conjunto de contêineres que vão por terra desde São Petersburgo até Astrakhan. Depois, o carregamento navega pelo Cáspio até o porto iraniano de Bandar Anzeli. Depois é transportado por terra ao porto de Bandar Abbas. E depois no estrangeiro para Nava Sheva, o maior porto marítimo da Índia. O operador chave é Islamic Republic of Iran Shipping Lines (o grupo IRISL), que tem sucursais tanto na Rússia quanto na Índia.

E isso nos leva a por quê serão travadas as guerras a partir de agora: corredores de transporte, e não conquista territorial.

Irã ganha papel central na Eurásia, ocupa centro das Rotas da Seda e volta ao protagonismo

O acelerado BRI de Beijing é considerado uma ameaça existencial para a “ordem internacional baseada em regras”. Desenvolve-se ao longo de seis corredores terrestres através da Eurásia, além da Rota Marítima da Seda desde o Mar da China Meridional e o Oceano Índico, até chegar à Europa.

Um dos objetivos chave da guerra de poder da Otan na Ucrânia é interromper os corredores BRI na Rússia. O Império fará todo o possível para interromper não só os pontos de transbordo BRI como também o INSTC. Impediram que o Afeganistão, sob a ocupação estadunidense, se tornasse um ponto de transbordo para o BRI ou o INSTC.

Com pleno acesso ao Mar de Azov, agora um “lago russo”, e possivelmente a toda a costa do Mar Negro mais adiante, Moscou aumentará enormemente suas perspectivas de comércio marítimo (Putin: “O Mar Negro foi historicamente território russo”).

Durante as últimas duas décadas, os corredores de energia estiveram muito politizados e estão no centro das implacáveis competições globais de gasodutos, desde BTC e South Stream até Nord Stream 1 e 2, e as intermináveis telenovelas Turquemenistão-Afeganistão-Paquistão- Gasodutos India (TAPI) e Irã-Paquistão-Índia (IPI).

Depois há a Rota do Mar do Norte, ao longo da costa russa até o Mar de Barents. A China e a Índia estão muito focadas na Rota do Mar do Norte, não por acaso também discutida em detalhes em São Petersburgo.

Nord Stream 2: Entenda o que está por trás do gasoduto que une russos e alemães e incomoda os EUA e Ucrânia

O contraste entre os debates de São Petersburgo sobre uma possível reconfiguração de nosso mundo e os três malucos que tomam um trem para lugar nenhum para dizer a um medíocre comediante ucraniano que se acalme e negocie sua rendição (como confirmou a inteligência alemã) não podia ser mais nítido.

Quase imperceptivelmente, assim como reincorporou a Crimeia e entrou no teatro sírio, a Rússia, como uma superpotência de energia militar, agora mostra que é potencialmente capaz de fazer retroceder uma grande parte do oeste industrializado à Idade da Pedra. As elites ocidentais estão simplesmente indefesas. Se apenas pudessem percorrer um corredor no trem de alta velocidade euroasiático, poderiam aprender alguma coisa.

Pepe Escobar | Jornalista
Fonte: The Cradle
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Pepe Escobar Pepe Escobar é um jornalista investigativo independente brasileiro, especialista em análises geopolíticas e Oriente Médio.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda