Pesquisar
Pesquisar

Cristina volta ao cenário eleitoral e pede mobilização para garantir vitória de Massa

Breve mensagem de áudio de Cristina ganhou destaque devido à sua quase ausência no primeiro turno da campanha presidencial
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul Global
Buenos Aires

Tradução:

“De hoje até o dia 19, coloquemos todo, mas todo o nosso esforço pessoal na militância social para a vitória [da coalizão] União pela Pátria”, ou seja, para a vitória de Sergio Massa. Este foi o pedido feito pela vice-presidenta e senadora Cristina Fernández de Kirchner em mensagem enviada às pessoas que participaram, neste domingo (29), do congresso nacional da Frente Pátria Grande, liderado por Juan Grabois.

A mensagem em áudio foi transmitida por Grabois que, em disputa interna dentro do peronismo de esquerda durante as prévias eleitorais (chamadas Paso), perdeu para o atual ministro da Economia, Massa, o candidato oficial dessa força política.

A breve mensagem de áudio de Cristina, com apenas 1 minuto e 20 segundos de duração, ganhou destaque devido à sua quase ausência no primeiro turno da campanha presidencial, no qual Massa venceu – apesar de quase todas as previsões contrárias – com 36,7% dos votos, contra 30% de Javier Milei, que havia vencido as Paso, com 29.86% dos votos.

Para a momentânea vitória de Massa foi fundamental a ação da militância peronista e kirchnerista – como são chamados os apoiadores da ex-mandatária, que governou o país entre 2007 e 2015.

Na mensagem transmitida a Grabois, Cristina destacou a importância da mobilização: “tenho certeza que vocês farão isso, pois estou absolutamente convencida de que vocês amam profundamente a pátria, o povo e a nação, que, juntos, são a mesma coisa”.

Continua após a imagem

Breve mensagem de áudio de Cristina ganhou destaque devido à sua quase ausência no primeiro turno da campanha presidencial

Foto: Reprodução/Twitter
CK: "A verdade é que há uma crença de que só se pode fazer política se você tem seu nome na urna e a verdade é que não é assim"




Futuro de Cristina

Após 10 de dezembro, Cristina ficará novamente sem um mandato eletivo, já que não concorre a nenhum cargo nesta eleição. Por isso, surgiram rumores na Argentina de que ela se retiraria da política. Quando questionada por uma jornalista a esse respeito, porém, Cristina foi categórica:

“A verdade é que há uma crença de que só se pode fazer política se você tem seu nome na urna e a verdade é que não é assim”, disse.

“Terminei meu mandato como presidenta em 2015 e depois não quis concorrer à eleição, assim como não quero agora (…) é preciso parar de pensar que só com um cargo é possível fazer política”, afirmou, para logo em seguida completar que, como peronista, vai fazer o que sempre fez: “viver, trabalhar e militar”.

Continua após o vídeo


Militância nas ruas

Em conversa com a Agência ComunicaSul, Juan Tripaldi, o Yani, confirmou o papel da militância no resultado eleitoral do último dia 22 de outubro. Ele contou que todos os dias ele e outros companheiros peronistas colocavam uma mesinha na rua para conversar com as pessoas.

Juan Tripaldi, o Yani (Foto: ComunicaSul)

“Todos os militantes nos juntamos para virar a eleição, que foi o que nos pediu Cristina. Conversávamos com os moradores da região, com os amigos. Foi isso que nos fez virar [o primeiro turno da] eleição”, explicou Yani, presidente do clube de futebol de várzea Chicago, cuja sede fica no bairro de Mataderos.

Questionada sobre como pensa ser possível garantir a dianteira eleitoral no segundo turno, que será realizado no dia 19 de novembro, Florencia Mazzola destacou à ComunicaSul a importância de destacar o conteúdo político do debate:

“O que temos que fazer é sair falar com as pessoas e explicar que temos duas visões opostas de Estado. O Estado nos afeta em praticamente tudo, da hora que nos levantamos até a hora em que vamos dormir. Desde o boleto de luz até os auxílios que temos na saúde, na educação, em absolutamente tudo. Por isso, temos que explicar para as pessoas que o papel do Estado em nossas vidas é fundamental e ao fazer isso, vamos conseguir o voto dos que mais precisam”.

Florencia Mazzola (Foto: ComunicaSul)

Para saber mais sobre a disputa eleitoral no país, confira nossa editoria especial: Eleições na Argentina.

Vanessa Martina-Silva | Especial para ComunicaSul, diretamente de Buenos Aires, Argentina.


* A reprodução deste conteúdo é livre e gratuita, desde que citadas a fonte, a publicação original no Opera Mundi e a lista de entidades apoiadoras da cobertura

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições de 2023 na Argentina graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Agência Sindical, Viomundo, Asociación Judicial Bonaerense, Unión de Personal Superior y Profesional de Empresas Aerocomerciales (UPSA), Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras do RS (Fetrafi-RS); Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-RS); Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos; Federação dos Comerciários de Santa Catarina; Confederação Equatoriana de Organizações Sindicais Livres (CEOSL); Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo; Sindicato dos Hoteleiros do Amazonas; Sindicato dos Trabalhadores das Áreas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa, e de Fundações Públicas do Rio Grande do Sul (Semapi-RS); Federação dos Empregados e Empregadas no Comércio e Serviços do Estado do Ceará (Fetrace); Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT Rio Grande do Sul (Fetracs-RS); Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP); Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandato popular do vereador Werner Rempel (Santa Maria-RS) e dezenas de contribuições individuais.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela