Pesquisar
Pesquisar
Foto: Flickr

Cuba ou EUA? Quem realmente deveria constar na lista de “apoiadores do terrorismo”

Imperialismo tem longa lista de golpes, guerras e apoio a organizações terroristas, o que deveria o impedir de criar e definir a infame lista
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Beatriz Cannabrava

É imensa a capacidade de convocatória que Cuba tem. Basta que em uma determinada circunstância a Pátria de Martí necessite uma simples mostra de apoio, e ela brota como flor na primavera nos mais distantes rincões do planeta. Nos Estados Unidos mesmo, na Argentina ou México, no Peru, França ou Austrália, Inglaterra ou os Emirados Árabes, é igual. Os Amigos de Cuba assumem a tarefa de expressar-se e o fazem com vontade e entusiasmo, ganhados por um simples princípio, o da solidariedade. 

Talvez por isso os inimigos de Cuba a detestam. O principal deles, o governo dos Estados Unidos, se vale de todos os recursos ao seu alcance para fazer-lhe dano. E não age assim desde 1959, quando uma Revolução Libertadora ganhou posições de Poder na Maior das Antilhas, mas desde muito antes, desde inícios do século 19, quando USA mostrou abertamente o desejo de cativá-la e submetê-la para convertê-la em uma estrela mais de sua bandeira. Em outras palavras, situá-la atrás de suas barras, como se fossem grades.

Leia também | EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções

Comprar Cuba com tudo o que tem dentro – incluso seus habitantes – foi também o sonho de Abraham Lincoln, além de outros, alguns dos quais quiseram usar a força para atingir seu sempre vão propósito. A impotência os conduziu, em todos os casos – e como era previsível – ao ataque arteiro. O mais brutal de todos se instalou em 1961 e já cumpriu 63 anos. Chama-se O Bloqueio. Com ele, o governo norte-americano pretendeu destruir Cuba arrasando-a desde seus alicerces. Quebrar sua economia, revoltar seu povo, destruir sua história, dobrar o legado de seus libertadores, acabar com tudo o que Cuba tem de dignidade e valor. De fato, lhe fizeram enormes danos de todo tipo, mas não conseguiram derrotá-la.

Resistência cubana

Suas cores e sua estrela solitária, unida à obra de Fidel e ao valoroso heroísmo de seu povo, resistiram a todas as dores, e todos os embates. Mais recentemente, e já no novo século, idealizaram outra infâmia: inseriram o nome de Cuba em uma lista na qual figuram os nomes de países que – supostamente – “promovem o terrorismo”.

Fazê-lo não é simplesmente um gesto de desdenhosa diplomacia. É colocar na situação mais vulnerável qualquer país. É como estar em uma lista de leprosos que não têm remédio algum e dos quais ninguém deve se aproximar. Segundo o olhar do Império, esses países não têm direito a nada. 

Leia também | Cidadãos, empresários e políticos nos EUA cobram de Biden fim das sanções contra Cuba

Como o diz Joanna Tablada, “esta designação em sustentação é muito mais que uma calúnia. Suas implicações endurecem a guerra econômica e financeira, afetam à nossa emigração e a empresas, entidades e cidadãos do mundo inteiro”

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Em suma, é muito mais que uma simples canalhice. Porque assim entende o mundo, e desde distintos confins do planeta têm surgido vozes exigindo ao senhor Joe Biden que retire a noma de Cuba dessa “lista” de supostos “promotores do terrorismo”. 

EUA, sem autoridade

Ademais, as pessoas se perguntam: que autoridade têm os Estados Unidos para “criar” essa lista infame? Acaso não foram os Estados Unidos que criaram a Al Qaeda como estrutura terrorista para promover ações dessa ordem contra o Afeganistão em fins do século passado? Acaso não amamenta a camarilha terrorista de Netanyahu e apoia a de Zelensky? Acaso não usou o terrorismo contra Allende, e contra países inteiros como Iraque, Síria ou Líbia? Acaso não alenta, desde Miami, o terrorismo contra Cuba, e criou personagens sinistros como Luis Posada Carriles

Crimes abjetos, como o Setembro Negro de 1978, o assassinato de Letellier, em Washington, a voadura da Cubana de Aviação sobre Barbados em outro de 1976, o desaparecimento de 30 mil pessoas na Argentina de Videla, a destruição de Gaza e o assassinato de 37 mil pessoas em território palestino: foram todos crimes cometidos à sombra do Império, por sua permissividade ou seu consentimento. 

Leia também | De Gaza e Cuba perguntam: “EUA, vocês nos veem como humanos?”

O governo norte-americano segue a batuta das grandes corporações que regem os destinos do capitalismo. Para os funcionários delas, o essencial é o dinheiro. Julgam às coisas e às pessoas em função de sua economia. Por isso, atacam a economia dos países quando querem derrotá-los. Isso explica que contra a Rússia apliquem sanções econômicas; contra a Venezuela, bloqueio; contra Nicarágua, bloqueio, contra Cuba, bloqueio. O bloqueio é uma sanção preferida. E a ele, lhe aumentam a tristemente célebre “listas” do “Países que promovem o terrorismo” (SST por sua sigla em inglês).

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Como exige o Comitê Internacional pela Paz, A Justiça e a Dignidade dos Povos, todos demandamos aos EUA: Tirem Cuba da Lista malévola, e levantem o Bloqueio Genocida!

Cuba não alenta o terrorismo. Promove a vida!


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP
argentina-repressao-milei2
Milei infiltra agentes e manda espancar, prender e acusar manifestantes de terrorismo