Pesquisar
Pesquisar

Cuba reduz Covid e vacina mais que Alemanha, Reino Unido, Itália, Canadá, França, Japão e EUA

De acordo com Ministério da Saúde, são administradas diariamente entre 200 mil e 300 mil doses dos próprios imunizantes, que já chegam a 60,3% da população
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Havana

Tradução:

O avanço da vacinação em massa contra a Covid-19 em Cuba favorece hoje a diminuição dos casos positivos diários, internações e óbitos, tendência que, segundo especialistas, continuará nos próximos meses. 

De acordo com o Ministério da Saúde (Minsap), são administradas diariamente entre 200 mil e 300 mil doses dos próprios imunógenos, que já chegam a 61,3% da população ( 6.748.348 pessoas) com o esquema completo ao final de 19 de outubro.

Isso inclui convalescentes da doença que recebem uma única dose de Soberana Plus, desenvolvido pelo Instituto Finlay de Vacinas (IFV).

Assista na Tv Diálogos do Sul

O diretor nacional de Epidemiologia do Minsap, Francisco Durán, destacou que, a este ritmo, o país cumprirá a meta de imunizar 90% dos seus habitantes até ao final de novembro.

Durán destacou que a diminuição significativa das infecções diárias, dos pacientes hospitalizados e dos óbitos na última semana, cifras menores que nos meses anteriores, mostram o efeito desse processo.

Cuba confirmou na última segunda-feira (18) 2.192 novos pacientes, 21 mortes e 8.683 casos ativos.

De acordo com Ministério da Saúde, são administradas diariamente entre 200 mil e 300 mil doses dos próprios imunizantes, que já chegam a 60,3% da população

Prensa Latina
9.704.167 pessoas (86,8%) receberam pelo menos uma dose do Soberana 02

O site Our World in Data, classificou a maior ilha das Antilhas em primeiro lugar com mais de 80% do número total de pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina contra Covid-19, dividido pela população total do país, à frente de Canadá, Itália, França, Japão, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos.

As estatísticas correspondem ao período de 13 de dezembro de 2020 a 14 de outubro deste ano.

Por outro lado, estão em andamento os ensaios clínicos com o imunógeno Abdala e a vacina candidata Mambisa, do CIGB, como doses de reforço para pacientes convalescentes que não receberam nenhum medicamento antes ou depois da doença.

A fase II deste estudo terá início em breve no Hospital Clínico Cirúrgico Hermanos Ameijeiras, desta capital, para voluntários com idades compreendidas entre os 19 e os 80 anos, anunciou aquele centro científico.

Mambisa, aplicado por spray nasal, dispensador de gotas ou por meio de dispositivo de seringa cubana, é uma formulação única deste tipo baseada na plataforma de antígenos produzidos de forma recombinante, tecnologia de alta segurança, segundo informações oficiais.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei