Pesquisar
Pesquisar

De volta às escolas, educação sexual é munição contra abusos (inclusive dentro de casa)

De 18 mil registros de abuso infantil em 2021, em mais de 8 mil a vítima e o agressor moravam na mesma casa
Jose Cassio
DCM
São Paulo (SP)

Tradução:

O Ministério da Saúde anunciou em 26 de julho que educação sexual e reprodutiva volta a fazer parte do programa Saúde na Escola (PSE) na rede pública de ensino. É um tema que gera muita discussão, especialmente na atual conjuntura envolvendo fanáticos de extrema-direita e progressistas.

Especialistas da área da saúde, consultados pelo portal Metrópoles, garantem que uma educação sexual de qualidade é primordial, porque não se trata de uma “aula sobre como fazer sexo”, como muitas pessoas pensam.

Assista na TV Diálogos do Sul

Sexualidade é estrutural, não se resume a apenas comportamento sexual. Ela entra no vivenciar do ser humano nesse mundo, autoconhecimento sobre corpo, nomear sensações, colocar limites… Tudo isso é educação sexual. É muito importante e deveria ser priorizado se a gente quer um desenvolvimento mais saudável das crianças”, explica o terapeuta sexual André Almeida.

De 18 mil registros de abuso infantil em 2021, em mais de 8 mil a vítima e o agressor moravam na mesma casa

Secretaria Municipal de Educação de São Paulo
Educação sexual volta para o currículo escolar

Conhecimento é munição contra abusos

A sexualidade ainda é um tabu na sociedade, mesmo entre adultos. Por isso, quando há a intenção de discutir o assunto na infância e na adolescência, existe uma ideia distorcida de que a educação sexual exporia as crianças a situações para as quais elas não estariam preparadas. 

André garante, ainda segundo o portal, que levar o assunto da forma correta para os jovens os mune de informação sobre comportamentos que podem ser classificados como abuso sexual.

Conheça 5 razões para ser a favor do ensino de educação sexual nas escolas brasileiras

“Educação sexual dá ferramentas importantes para a criança entender principalmente sobre o próprio corpo e limites de contato físico. O abuso, normalmente, não é algo que desperte uma dor física ou que vá machucar a criança. O abusador trata os atos como se fosse um carinho, uma brincadeira. Se o jovem não tiver uma boa educação sexual, só vai compreender muito mais para frente que foi abusado”, afirma.

Educação sexual nas escolas

Sobre a crença de que o tema só deve ser tratado em casa, no momento em que os pais acharem melhor, o psicólogo alerta para o fato de que a maioria dos casos de abuso acontecem dentro de casa, vindo de alguém de confiança, como os pais e tios.

Continua após o banner

Um levantamento do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos aponta que, dos mais de 18 mil registros de abuso infantil em 2021, em mais de 8 mil a vítima e o agressor moravam na mesma casa. Por isso, as crianças devem ter informações para se proteger.

Extrema-direita vai espernear?

Para o bolsonarismo, a discussão sobre educação sexual nas escolas é frequentemente vista com desconfiança e resistência.

Há uma ênfase na crença de que esse tipo de ensino pode incentivar comportamentos sexuais precoces e promíscuos entre os jovens, violando os valores tradicionais e religiosos.

É preciso mais que programas sociais contra retorno da extrema-direita: educação popular

Essa perspectiva reflete uma concepção conservadora da sociedade e enfatiza a família como instituição primordial responsável pela educação sexual dos jovens.

No campo progressista, a educação sexual nas escolas é vista como uma ferramenta essencial para promover a saúde sexual e reprodutiva dos estudantes, bem como para combater estigmas, preconceitos e desinformação.

Continua após o banner

Essa abordagem enfatiza a importância de uma educação sexual abrangente, que inclua não apenas informações biológicas, mas também aspectos emocionais, afetivos, de gênero e orientação sexual. Os defensores dessa visão argumentam que o conhecimento sobre sexualidade deve ser oferecido de maneira responsável e acessível, levando em conta as diferentes realidades dos jovens e ajudando-os a desenvolver relações saudáveis e seguras.

Jose Cassio | Diário do Centro do Mundo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Jose Cassio

LEIA tAMBÉM

gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei
Vacina_russa_Putin
Rússia deve finalizar vacina contra o câncer em breve, diz Putin
fd7ab64f-4326-43a2-b67c-5714899ff5e0
Governo de Cuba aumenta licença maternidade de 12 para 15 meses
31886e56-55a7-4932-8ced-5f2d5be5206c
Frei Betto | "Fakecracia": regulação das redes é crucial para inibir calúnias e poupar vidas