Pesquisar
Pesquisar
Foto: Facebook Nicolás Maduro

Ditadura venezuelana? Maduro tem 12 oponentes, incluindo comediante e pastor

Há uma diversidade de nomes para além da candidatura impugnada de María Corina Machado, incapaz de exercer cargos públicos por 15 anos
Álvaro Verzi Rangel
Question Digital
Caracas

Tradução:

Carolina Ferreira

O processo pré-eleitoral na Venezuela culminou com importantes notícias, intrigas e “traições” entre as fileiras das diversas oposições. Manuel Rosales, líder do partido Un Nuevo Tiempo (UNT) e atual governador do estado de Zulia, encerrou o dia de inscrição dos candidatos da oposição, acumulando uma longa lista de 12 figuras de vários espectros do antichavismo.

Estranha ditadura, a venezuelana, onde 12 candidatos da oposição política apresentaram as suas candidaturas para as eleições presidenciais de 28 de julho, incluindo um comediante popular, um pastor evangélico e vários “bates quebrados” que repetem as suas nomeações, para além da aliança liderada por María Corina Machado – incapaz de exercer cargos públicos por 15 anos -, que os acusa de serem colaboradores do chavismo.

Leia também | Venezuela: inabilitação de Corina Machado honra Constituição e respeita acordos diplomáticos

Quem vai disputar a presidência são Luis Eduardo Martínez, Daniel Ceballos, Antonio Ecarri, Juan Carlos Alvarado, José Dionisio Brito Rodríguez, Benjamín Rausseo, Javier Bertucci, Claudio Fermín, Luis Ratti, Enrique Márquez, Nicolás Maduro Moros, Manuel Rosales e Edmundo González Urrutia

Machado, favorita nas pesquisas segundo sua coalizão, indicou a filósofa e professora universitária Corina Yoris, de 80 anos e sem experiência governamental, como representante da Plataforma de Unidade Democrática nas eleições.

Roseiras florescem

Depois de Corina Yoris não ter conseguido registrar a sua candidatura para substituir Machado, Un Nuevo Tiempo (UNT), um dos partidos políticos que apoiaram Machado, decidiu, no último minuto, registrar o seu líder, o governador do estado de Zulia, Manuel Rosales. Machado, preocupado com o rompimento da referida unidade oposicionista, não descartou um acordo posterior com Rosales. “Estamos caminhando dia após dia”, disse ele, ao confirmar que sua candidata seria Corina Yoris.

Rosales disse em conferência de imprensa que se comprometeu a não “deixar o campo aberto” a Nicolás Maduro. Rosales, de 71 anos, é um líder da oposição venezuelana que já foi candidato à presidência, enfrentou Hugo Chávez e foi preso. Foi deputado nacional de Zulia, prefeito de Maracaibo e governador de Zulia em duas ocasiões.

Em 2002, foi um dos signatários do chamado “Decreto Carmona”, que pretendia estabelecer um governo de transição após o golpe de estado de 11 de abril, em que o presidente Hugo Chávez foi expulso do poder por 47 horas, quando Pedro Carmona (conhecido como “O Breve”) foi nomeado “presidente”. Quatro anos depois, disse que foi um “erro” de “boa fé” ter assinado o decreto golpista.

Leia também | Petro: Crise na Venezuela é resultado das sanções dos EUA com a ajuda de Iván Duque

Nesse mesmo ano, foi candidato da oposição nas eleições contra Chávez, onde foi derrotado com 36,9% dos votos contra 62,82% do líder bolivariano. Em 2008, Manuel Rosales foi acusado de enriquecimento ilícito após relatório apresentado pela Controladoria Geral da República e formalmente acusado pelo Ministério Público em 2009. Rosales afirmou ser inocente e vítima de perseguição política.

Em abril de 2009, foi feito um pedido de captura, o que não pôde ser realizado devido à sua saída do país para o Peru. Em outubro de 2015, Rosales anunciou seu retorno à Venezuela, apesar de ainda haver um mandado de prisão contra ele. Ao chegar, foi capturado, detido e preso, para ser libertado em dezembro de 2016; nunca foi a julgamento. Em 2017, o Supremo Tribunal de Justiça suspendeu a inabilitação que lhe foi imposta em 2014.

Desde 2021, Rosales é governador de Zulia, um estado petrolífero localizado no oeste da Venezuela, que faz fronteira com a Colômbia. Já ocupou esse cargo entre 2000 e 2008, como representante do partido Ação Democrática, de tendência social-democrata.

Eu quero ser presidente

Benjamín Rausseo, comediante de 63 anos conhecido como “El Conde del Guácharo”, e o pastor evangélico Javier Bertucci, atualmente deputado ao Parlamento, formalizaram suas candidaturas à Confederação Nacional Democrática e ao El Cambio, respectivamente. Na sua opinião, de “todos os candidatos da oposição que hoje concorrem a este cargo”, são aqueles que “obtiveram mais votos em qualquer outra eleição” (10,8% em 2018).

O ex-prefeito de Caracas Claudio Fermín, ex-líder da Ação Democrática, e o ultradireitista Luis Ratti, também registraram suas candidaturas. Fermín disse que a nação está “sequestrada por conflitos extremos” e confrontos políticos.

Seis outros candidatos, definidos como antichavistas, inscreveram-se nas eleições, embora a oposição tradicional os acuse de tentar quebrar a unidade e dividir o eleitorado para garantir a vitória de Maduro. Antes da formalização perante a CNE, os candidatos devem passar por um sistema automatizado, cujo acesso foi bloqueado à Plataforma Democrática Unitária (PUD), que apoia Machado, segundo a sua direção denunciou recentemente.

Leia também | Mídia brasileira só fala de Venezuela: o que está por trás da obsessão e ninguém te conta?

Machado alertou para a implementação de uma “manobra” que procurava “impedir o registro” da candidatura de Corina Yoris.

Maduro garantiu que apresentará ao Parlamento um projeto de “lei contra o fascismo” que visa sancionar os opositores que, afirma, promoveram “atos de violência” contra o país. A vice-presidente executiva, Delcy Rodríguez, disse que a “Alta Comissão Estadual contra o Fascismo e o Neofascismo” foi criada por ordem do presidente devido “aos atos de violência que o país viveu nos anos 2014, 2015 e 2017”.

Milei quer desestabilizar a Venezuela

Às vésperas do encerramento das listas para as eleições presidenciais na Venezuela, e com o vínculo bilateral entre o governo de Nicolás Maduro e o de Javier Milei tenso ao máximo, seis líderes de oposição ao regime, ligados ao candidato frustrado – a conspiradora golpista María Corina Machado – e acusados de tentativas de assassinato, solicitaram asilo diplomático na sede da embaixada argentina em Caracas.

A assessoria de imprensa do presidente de extrema-direita, Javier Milei, confirmou a presença dos líderes da oposição. “Com o apoio da inviolabilidade consagrada no artigo 22 da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, da qual Argentina e Venezuela são signatários, líderes políticos da oposição foram recebidos na residência oficial da embaixada argentina em Caracas”, diz o comunicado.

Leia também | Na Argentina, general dos EUA se reúne com militar que tramou invasão à Venezuela

Magalí Meda, Claudia Macero, Humberto Villalobos, Pedro Urruchurtu e Omar González (todos em privação de liberdade) desfrutam da espaçosa residência em Lomas de las Mercedes, destinada ao embaixador argentino, atualmente vaga, e longe da sede administrativa.

A Venezuela também rejeitou a interferência da Colômbia na transparência do processo eleitoral que ocorre no país antes das eleições presidenciais marcadas para 28 de julho. O Itamaraty garantiu que “sente preocupação” com o processo de registro das candidaturas presidenciais perante o Conselho Nacional Eleitoral e questiona o processo realizado por cada candidato inscrito.

O chanceler, Yván Gil, rejeitou as declarações do Governo da Colômbia e exigiu respeito pelo processo eleitoral, após afirmar que “impulsionado pela necessidade de agradar aos desígnios do Departamento de Estado dos EUA, o Itamaraty das Relações Exteriores da Colômbia dá um passo em falso e comete um ato de interferência grosseira em assuntos que só dizem respeito aos venezuelanos”.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Álvaro Verzi Rangel Sociólogo e analista internacional, é codiretor do Observatório em Comunicação e Democracia e analista sênior do Centro Latino-americano de Análise Estratégica (CLAE, www.estrategia.la).

LEIA tAMBÉM

noboa-equador2
Equador: desmonte de Noboa atinge necrotérios e pilha de corpos "derrete" em Guaiaquil
javier-milei
Resistência: 8x em que povo argentino derrotou a motosserra de Milei
PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru