Pesquisar
Pesquisar

Em meio a novo massacre e à erosão dos EUA, Biden diz: “Nunca fui mais otimista”

Presidente emitiu sua mensagem do 4 de julho da Casa Branca declarando que os EUA “são uma grande nação, porque somos gente boa”
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Para marcar o 246º aniversário da Declaração de Independência dos Estados Unidos, o presidente e todo político eleito – desde legisladores federais a prefeitos de cidadezinhas – emitiram declarações patrióticas e participaram em atos decorados pelas cores nacionais. Houve competições de quem podia comer mais hot dogs e fogos artificiais. E também fogo real de armas em mais outro tiroteio massivo. 

Em Highland Park, um subúrbio de Chicago, no início do desfile do 4 de julho na manhã de segunda-feira, foram escutados tiros e se instalou o pânico com participantes e famílias fugindo enquanto um homem jovem branco disparava um rifle – uma das aproximadamente 400 milhões de armas de fogo em mãos privadas deste país – a partir de um terraço, matando seis e ferindo mais de 30. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Várias comunidades ao redor de Chicago cancelaram suas festividades enquanto as autoridades lançaram uma busca em massa do suspeito e de noite anunciaram a prisão de um homem branco de 22 anos de idade.  

O governador de Illinois, J.B. Pritzker, declarou que “é devastador que uma celebração dos Estados Unidos fosse destroçada por nossa praga singularmente estadunidense”. 

Onda fascista nos EUA: Seria este o último 4 de julho do país como república democrática?

O tiroteio mássico é só um a mais dos 309 (segundo cifras oficiais de Gun Violence Archive) que já ocorreram este ano nos Estados Unidos, incluindo os recentes, um na escola primária em Uvalde, Texas, e outro em um supermercado em Buffalo, Nova York, que sacudiram o país e intensificaram o debate sobre o controle de armas de fogo.  

As armas continuam sendo um símbolo com o que nasceu o país, e o patriotismo oficial sempre inclui um elogio das forças armadas e a ideia de armas como defesa da “liberdade” imiscuída no mito oficial, da guerra da independência até hoje, contra inimigos como a Rússia.  

De fato, a mensagem de festejo do 4 de julho da Associação Nacional do Rifle (NRA) nesta segunda-feira foi “somos um país pelas almas valentes com armas e que valorizaram a luta por nossa liberdade”. E os produtores do filme Top Gun, sobre aventuras bélicas estadunidenses, não duvidaram em usar o 4 de julho para promover sua obra.

Presidente emitiu sua mensagem do 4 de julho da Casa Branca declarando que os EUA “são uma grande nação, porque somos gente boa”

Office of Public Affairs – Flickr

O otimismo patriótico do presidente e de outros políticos não é compartilhado por três quartos do país




Mensagem de Biden

O presidente Joe Biden emitiu sua mensagem do 4 de julho da Casa Branca declarando que os Estados Unidos “são uma grande nação, porque somos gente boa” e sublinhou que “nunca fui mais otimista” sobre o país. No entanto, também foi obrigado a expressar seu horror diante “da insensata violência por armas de fogo” e reiterou seu compromisso de batalhar contra “a epidemia da violência de armas de fogo”. 

Mas como é tradição, elogiou os integrantes das forças armadas, “as quais comprometem suas vidas em defender nossa nação e a democracia ao redor do mundo”. 

4 de julho: com democracia contestada, independência dos Estados Unidos ainda está em disputa

Outros integrantes da cúpula política ofereceram variações sobre estas fórmulas retóricas aparentemente obrigatórias embora ainda não fique claro quem as está escutando. 

O otimismo patriótico do presidente e de outros políticos não é compartilhado por três quartos do país. Neste aniversário do nascimento de sua república, uma esmagadora maioria de estadunidenses – quase 74% segundo a média das principais pesquisas da semana passada – opina que o país prossegue em uma direção equivocada. 87% dizem estar “insatisfeitos” a “como vão as coisas”, segundo a sondagem mais recente do Gallup. 

E diante da retórica oficial, houve toda uma gama de mensagens dissidentes neste 4 de julho. Shannon Watts, a fundadora de Moms Demand, parte do movimento pelo controle de armas, teve uma resposta muito simples e patriótica à mensagem de amor às armas da NRA: “Foda-se”.  

O autor indígena Nick Estes recordou que hoje faz quase 250 anos que “escravocratas brancos chamaram as nações originárias desse continente de ‘índios selvagens desapiedados’ em sua Declaração de Independência. A contrarrevolução de propriedade sobre nossas terras se iniciou enquanto eles declaravam que ‘todos os homens são criados iguais’”. 

Comitê que investiga assalto ao Capitólio, nos EUA, afirma: plano de Trump não acabou

Muitos observadores destacados continuaram soando o alarme sobre a acelerada erosão da república estadunidense ao marcar este Dia da Independência. Assinalaram que os ataques conservadores contra direitos fundamentais incluindo o direito ao voto, o direito das mulheres para decidir sobre seus próprios corpos, reveses em tentativas para controlar ainda que minimamente as armas de fogo, como também limitar a autoridade do governo para combater a mudança climática entre outros, só piorarão no futuro imediato. 

De fato, assinalam que nas próximas eleições intermediárias, em novembro, nas quais estão em jogo toda a câmara de representantes e um terço do Senado, os republicanos têm uma alta probabilidade, por ora, de retomar uma ou ambas as câmaras. O site de análises e prognósticos políticos FiveThirtyEight dá aos republicanos 87% de probabilidade de ganhar a câmara baixa e 55% de reconquistar o Senado.  

“É mais que plausível – é provável – que estamos caminhando para uma era de maior autoritarismo, maior repressão e mais sofrimento. O progresso logrado pelos Estados Unidos ao longo do último meio século em oferecer proteções legais e participação democrática a pessoas que não são brancas, nem cristãs, heterossexuais, ricos e homens está se desvanecendo”, comenta o jornalista e professor Peter Beinart.

Perguntado qual seria sua mensagem neste 4 de julho para aqueles estadunidenses que estão perdendo a esperança em seu país diante de todo este panorama, o filósofo político Cornel West respondeu em entrevista para MSNBC: “primeiro temos que ter um compromisso incondicional com o empoderamento de gente comum aqui e ao redor do mundo. A esperança só se pode encontrar em nossas ações… a esperança é um verbo… não um otimismo abstrato.

Não sou otimista sobre os Estados Unidos. [Porém] sou um prisioneiro da esperança porque creio que dentro do império estadunidense, dentro de seu experimento democrático, sempre há seres humanos valentes e visionários de todas as cores que estão dispostos a dar tudo pelo amor e a justiça”.

David Brooks é correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes