Pesquisar
Pesquisar

Empresas e bancos dos EUA deram combustível para nazismo no início do século 20

Sem esse apoio, pode-se dizer que o fascismo nunca teria sido possível como “solução” para os problemas econômicos posteriores à Primeira Guerra
Matthew Ehret
Fundação Cultura Estratégica.
Moscou

Tradução:

Há 77 anos a Alemanha se rendeu às forças aliadas pondo fim aos estragos da Segunda Guerra Mundial.

Hoje, enquanto o mundo celebra o 77º aniversário desta vitória, por que não pensar muito seriamente em finalmente ganhar essa guerra de uma vez por todas?

Assista na TV Diálogos do Sul

Se está perplexo com esta afirmação, talvez deseje sentar-se e respirar profundamente antes de continuar lendo. Nos próximos 12 minutos, é provável que você descubra um fato inquietante que pode assustá-lo um pouco: os aliados na realidade nunca ganharam a Segunda Guerra Mundial…

Agora, por favor, não me interpretem mal. Sou eternamente grato pelas almas imortais dos que deram sua vida para acabar com a máquina fascista durante esses anos sombrios… mas o caso é que algo não ficou resolvido em 9 de maio de 1945 e que tem muito a ver com o lento ressurgimento de uma nova forma de fascismo durante a segunda metade do século XX e o renovado perigo de uma ditadura global que o mundo enfrenta novamente hoje.

Minha opinião é que só quando tivermos a coragem de realmente olhar este problema com sobriedade poderemos honrar verdadeiramente nossos valentes antepassados que dedicaram suas vidas a obter a paz para seus filhos, netos e para a humanidade em geral.

Sem esse apoio, pode-se dizer que o fascismo nunca teria sido possível como “solução” para os problemas econômicos posteriores à Primeira Guerra

Arquivo DN
Milhares de soldados estrangeiros que libertaram a França desfilam nos Campos Elíseos no dia 29 de agosto de 1944




A feia verdade da Segunda Guerra Mundial

Deixarei agora de ficar dando voltas e direi apenas: Adolfo Hitler ou Benito Mussolini nunca foram realmente “homens próprios que se pertenciam”.

As máquinas que dirigiam nunca estiveram completamente sob seu controle soberano e o financiamento que usaram como combustível em seu esforço por dominar o mundo não proveio dos Bancos da Itália ou da Alemanha.

As tecnologias que usaram na petroquímica, na borracha e na computação não vieram da Alemanha ou da Itália, e a ideologia científica governante da eugenia que estimulou tantos horrores das práticas de purificação racial da Alemanha não se originou nas mentes dos pensadores alemães ou das instituições alemãs. 

Crise na Ucrânia é produto da Segunda Guerra Mundial inacabada

Se não fosse uma poderosa rede de financistas e industriais das décadas de 1920 e 1940, como Rockefeller, Warburg, Montague Norman, Osborn, Morgan, Harriman ou Dulles, pode-se dizer com segurança que o fascismo nunca teria sido possível como uma “solução” para os problemas econômicos posteriores à Primeira Guerra Mundial. Para provar este ponto, tomemos o estranho caso de Prescott Bush como um ponto de partida útil.

O patriarca da mesma dinastia Bush que deu ao mundo dois desastrosos presidentes estadunidenses fez nome financiando o nazismo junto com seus sócios comerciais Averell Harriman e o irmão mais moço de Averell, E. Roland Harriman (o último iria recrutar Prescott para Skull and Bones quando ambos estudavam em Yale).

Prescott, atuando como diretor de Brown Brothers Harriman, não apenas proporcionou valiosos empréstimos para manter o partido nazi, em falência durante a perda de apoio de Hitler em 1932, quando a população alemã votou para ocupar o cargo de chanceler do general antifascista Kurt von Schleicher, como foi declarado culpado de “comercializar com o inimigo” como diretor do Union Banking Corporation em 1942!

Assim foi! Onze meses depois dos Estados Unidos entrarem na Segunda Guerra Mundial, o governo federal naturalmente levou a cabo uma investigação de todas as operações bancárias nazistas nos EUA e se perguntou por que Prescott continuava dirigindo um banco que estava tão profundamente envolvido com o Bank voor Handel en Scheepvaart de Fritz Thyssen dos Países Baixos.

Thyssen, para os que não sabem, é o magnata industrial alemão famoso por escrever o livro  “Eu paguei a Hitler”. O próprio banco estava vinculado a uma combinação alemã chamada Steel Works of the German Steel Trust que controlava 50,8% do ferro fundido da Alemanha nazi, 41,4% de sua chapa universal, 38,5% de seu aço galvanizado, 45,5% de seus tubos e 35% de seus explosivos.

Em virtude da Ordem de aquisição de direitos 248, o governo federal dos Estados Unidos confiscou todas as propriedades de Prescott em 22 de outubro de 1942.

Brasil na Segunda Guerra Mundial: uma página de Relações Internacionais

A combinação siderúrgica estadunidense-alemã foi apenas uma pequena parte de uma operação mais ampla, já que Standard Oil de Rockefeller criara um novo cartel internacional junto com IG Farben (a quarta maior empresa do mundo) em 1929 sob o Plano Young. Owen Young era um ativo de JP Morgan que encabeçou a General Electric e instituiu um plano de pagamento da dívida alemã em 1928 que deu lugar ao Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) e consolidou um cartel internacional de industriais e financistas em nome da Cidade de Londres e Wall Street.

O maior destes cartéis viu como as operações alemãs de Henry Ford se fundiam com IG Farben, Dupont Industries, Shell da Grã-Bretanha e Standard Oil de Rockefeller. O acordo do cartel de 1928 também tornou possível à Standard Oil passar todas as patentes e tecnologias para a criação de gasolina sintética a partir do carvão à IG Farben, o que permitiu que a Alemanha passasse a produzir de apenas 300.000 toneladas de petróleo natural em 1934 à incrível cifra de 6,5 milhões de toneladas (85% do total) durante a Segunda Guerra Mundial! Se não tivesse havido esta transferência de patente/tecnologia…

Dois anos antes de começar o Plano Young, JP Morgan já dera um empréstimo de $ 100 milhões ao regime fascista recém estabelecido de Mussolini na Itália, com o líder do Partido Democrata Thomas Lamont interpretando o papel de Prescott Bush na operação italiana de Wall Street.

Não apenas a JP Morgan amava a marca de fascismo corporativo de Mussolini; também Henry Luce, da revista Time, que, sem desculpas, falou efusivamente sobre Il Duce e pôs Mussolini na capa da revista Time oito vezes entre 1923 e 1943 enquanto promovia implacavelmente o fascismo como a “solução econômica milagrosa para os Estados Unidos” (o que também fez em suas outras duas revistas Fortune e Life).

Guerra na Ucrânia: qual o papel dos EUA? Uma análise das doutrinas e ideologias do império

Muitos estadunidenses desesperados, ainda traumatizados pela longa e dolorosa depressão que começou em 1929, tinham abraçado cada vez mais a venenosa ideia de que um fascismo estadunidense poria comida na mesa e finalmente os ajudaria a encontrar trabalho.

Deve-se dizer algumas palavras sobre Brown Brothers Harriman.

O próprio banco nazi de Bush foi resultado de uma fusão anterior de 1931, entre o banco da família de Montagu Norman (Brown Brothers) e Harriman, Bush and Co. Montague Norman foi governador do Banco da Inglaterra de 1920 a 1944, líder do Anglo-German Fellowship Trust e controlador de Hjalmar Schacht da Alemanha (presidente do Reichsbank de 1923 a 1930 e Ministro de Economia de 1934 a 1937). Norman também foi o controlador principal do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) desde sua criação em 1930 e durante toda a Segunda Guerra Mundial.


O Banco Central de Bancos Centrais

Embora o BIS tenha se estabelecido sob o Plano Young e nominalmente dirigido por Schacht como um mecanismo para o pagamento da dívida da Primeira Guerra Mundial, o “Banco Central de Bancos Centrais” com sede na Suíça foi o mecanismo chave para que os financistas internacionais financiassem o aparato nazista.

O fato do BPI estar sob o controle total de Montagu Norman foi revelado pelo banqueiro central holandês Johan Beyen, que disse que “o prestígio de Norman era esmagador. Como apóstolo da cooperação do banco central, transformou o banqueiro central em uma espécie de arcipreste da religião monetária. O BIS foi, de fato, criação sua”.

Os membros fundadores da Junta incluíram os bancos centrais privados da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália e Bélgica, assim como uma camarilha de 3 bancos estadunidenses privados (JP Morgan, First National of Chicago e First National of New York). Os três bancos estadunidenses se fundiram depois da guerra e hoje são conhecidos como Citigroup e JPMorgan Chase.

Em sua constituição fundacional, o BIS, seus diretores e seu pessoal receberam imunidade de todas as leis nacionais soberanas e nem sequer as autoridades da Suíça podiam ingressar em suas instalações.

Esta história foi contada poderosamente no livro de 2013 Tower of Basel: The Shadowy History of the Secret Bank that Runs the World.


Uma palavra sobre a eugenia

O apoio nazi na preparação e durante a Segunda Guerra Mundial não terminou com as finanças e o poder industrial, mas se estendeu à ideologia científica governante do terceiro Reich: a eugenia (também conhecida como a ciência do darwinismo social desenvolvida pelo sócio do Clube X de Thomas Huxley, Herbert Spencer e o primo de Darwin, Sir Francis Galton, décadas antes).

Em 1932, Nova York foi sede da Terceira Conferência de Eugenia, co-participada por William Draper Jr (banqueiro de JP Morgan, chefe da General Motors e figura destacada de Dillon Read & companhia) e pela família Harriman. Esta conferência reuniu destacados eugenistas de todo o mundo que vieram estudar a aplicação exitosa das leis eugenistas nos Estados Unidos, iniciada em 1907 com o patrocínio entusiasta de Theodore Roosevelt.

Assista na TV Diálogos do Sul

Falando na conferência, o destacado fascista britânico Fairfield Osborn disse que a eugenia:

“ajuda e fomenta a sobrevivência e a multiplicação dos mais aptos; indiretamente, frearia e desestimularia a multiplicação dos inadaptados. Quanto a isto, só nos Estados Unidos, reconhece-se amplamente que há milhões de pessoas que atuam como redes de arrasto ou âncoras no progresso do barco do estado… Enquanto algumas pessoas altamente competentes estão desempregadas, a massa de desemprego situa-se entre os menos competentes, os que primeiro são selecionados para a suspensão, enquanto que as poucas pessoas altamente competentes são retidas porque ainda são indispensáveis. Na natureza, estes indivíduos menos aptos desapareceriam gradualmente, mas na civilização, os mantemos na comunidade com a esperança de que em dias melhores, todos possam encontrar emprego.”

Os dias obscuros da grande depressão foram anos bons para a intolerância e a ignorância, já que as leis de eugenia foram aplicadas em duas províncias canadenses e se estenderam amplamente pela Europa e pela América, havendo 30 estados dos EUA aplicando leis de eugenia para esterilizar os não aptos. A Fundação Rockefeller passou a financiar a eugenia alemã e, mais especificamente, a estrela em ascensão da melhora humana, Joseph Mengele.


O monstro nazista Frankenstein é abortado

Ao descrever sua reunião de 29 de janeiro de 1935 com Hitler, o controlador da Mesa Redonda, Lord Lothian, citou a visão do Führer para a codireção ariana da Nova Ordem Mundial dizendo:

“Alemanha, Inglaterra, França, Itália, Estados Unidos e Escandinávia… deveriam chegar a algum acordo para impedir que seus cidadãos ajudem na industrialização de países como China e Índia. É suicida promover a implantação nos países agrícolas da Ásia de indústrias manufatureiras”.

EUA dobram aposta e aumentam apoio militar à Ucrânia; guerra nuclear volta ao horizonte

Embora seja óbvio que se pode dizer muito mais sobre o tema, o aparato fascista não se comportou totalmente da maneira como desejavam os Dr. Frankenstein em Londres, já que Hitler começou a dar-se conta de que seu poderoso aparato militar deu à Alemanha poder para liderar a Nova Ordem Mundial em vez de desempenhar um papel secundário como mera executora em nome de seus amos anglo-saxões na Grã-Bretanha. Embora muitos oligarcas de Londres e Wall Street estivessem dispostos a adaptar-se a esta nova realidade, tomou-se a decisão de abortar o plano e tentar lutar outro dia.

Para conseguir isso, inventou-se um escândalo para justificar a abdicação do rei pró-nazi Eduardo VIII em 1936 e um primeiro-ministro apaziguador, Neville Chamberlain, foi substituído por Winston Churchill em 1940. Admirador, era antes de tudo um devoto imperialista britânico e, como tal, lutaria com unhas e dentes para salvar o prestígio do Império caso este se visse ameaçado. O que ele fez.


Os fascistas contra Franklin Roosevelt

Dentro dos próprios Estados Unidos, o establishment pró fascista de Wall Street estivera perdendo uma guerra, que começou no dia em que o presidente antifascista Franklin Roosevelt foi eleito em 1932. Não só fracassara a tentativa de assassiná-lo em fevereiro de 1933, como seus planos de golpe de estado de 1934 também tinham fracassado, frustrados por um general patriótico chamado Smedley Butler.

Para piorar as coisas, seus esforços por manter os Estados Unidos fora da guerra com a esperança de co-dirigir a Nova Ordem Mundial junto com Alemanha, França e Itália também estavam desmoronando. Como descrevi em meu artigo recente, Como esmagar a ditadura dos banqueiros, entre 1933 e 1939 FDR impôs amplas reformas ao setor bancário, frustrou uma importante tentativa de criar uma ditadura global de banqueiros sob o Banco de Pagamentos Internacionais e mobilizou uma ampla recuperação com o New Deal.

Em 1941, o ataque do Japão a Pearl Harbour polarizou a psique estadunidense tão profundamente que resistir à entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial como o faziam até então a Liga da Liberdade Estadunidense de Wall Street, tornou-se um suicídio político. FDR chamou as organizações corporativistas de Wall Street durante um poderoso discurso de 1938 quando o presidente lembrou ao Congresso a verdadeira natureza do fascismo:

“A primeira verdade é que a liberdade de uma democracia não está a salvo se as pessoas toleram o crescimento do poder privado até o ponto em que se torna mais forte que seu próprio estado democrático. Isso, em sua essência, é fascismo: a propriedade do governo por parte de um indivíduo, de um grupo ou de qualquer outro poder privado que o controle… Entre nós hoje, está crescendo uma concentração de poder privado sem igual na história. Esta concentração está prejudicando gravemente a eficácia econômica da empresa privada como forma de proporcionar emprego para a mão de obra e o capital e como forma de assegurar uma distribuição mais equitativa da renda e dos lucros para a população da nação em seu conjunto”.

Guerra na Ucrânia pode arrastar para toda Europa nazi-jihadismo armado pela Otan

Embora a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial tenha sido um fator decisivo na destruição da máquina fascista, o sonho compartilhado por Franklin Roosevelt, Henry Wallace e muitos dos aliados mais próximos de FDR nos Estados Unidos, Canadá, Europa, China e Rússia de um mundo governado por governos, em grande escala o desenvolvimento e a cooperação do ganhar-ganhar não chegaram a ocorrer.

Ainda que o aliado de FDR, Harry Dexter White, tenha liderado a luta para fechar o Banco de Pagamentos Internacionais durante a conferência de Bretton Woods, de julho de 1944, a aprovação das resoluções de White para dissolver o BIS e auditar seus livros nunca foi levada a cabo. Enquanto White, que se tornaria o primeiro diretor do FMI, defendia o programa de FDR para criar um novo sistema financeiro anti-imperial, o líder da Fabian Society e devoto eugenista John Maynard Keynes defendia o Banco e pressionava para redefinir o sistema de pós-guerra. Sistema em torno de uma moeda mundial chamada Bancor, controlada pelo Banco da Inglaterra e o BIS.


O ressurgimento fascista no mundo da pós-guerra

No final de 1945, a Doutrina Truman e a “relação especial” anglo-americana substituíram a visão anticolonial de FDR, enquanto uma caça às bruxas anticomunista transformava os Estados Unidos em um estado policial fascista sob a vigilância do FBI. Todos os amigos da Rússia foram objeto de destruição e os primeiros a sentir esse objetivo foram os aliados próximos de FDR, Henry Wallace e Harry Dexter White, cuja morte em 1948, enquanto fazia campanha para a candidatura presidencial de Wallace, pôs fim aos anticolonialistas que dirigiam o FMI.

Nas décadas posteriores à Segunda Guerra Mundial, esses mesmos financistas que viabilizaram o fascismo mundial voltaram diretamente a trabalhar, infiltrando-se nas instituições de Bretton Woods de FDR, como o FMI e o Banco Mundial, transformando-as de ferramentas de desenvolvimento em ferramentas de escravidão. Este processo foi completamente exposto no livro de 2004 Confessions of an Economic Hit man, de John Perkins.

As casas bancárias europeias, que representavam a antiga nobreza do império, continuaram com esta reconquista do Ocidente sem castigo. Em 1971, o homem que Perkins expôs como o principal sicário econômico, George Schultz, orquestrou a desvinculação do dólar estadunidense da reserva de ouro, o diretor do sistema de tipo de câmbio fixo da Seção de Gestão do Orçamento e no mesmo ano, o Rothschild Inter-Alpha Group de bancos foi criado para marcar o começo de uma nova era de globalização.

Esta flutuação do dólar de 1971 marcou o começo de um novo paradigma de consumismo, pós industrialismo e desregulamentação que transformou as outrora produtivas nações ocidentais em casos perdidos especulativos de “pós verdade”, convencidos que os princípios dos cassinos, as borbulhas e os moinhos de vento eram substitutos da agricultura e das práticas econômicas industriais.

De modo que aqui estamos em 2022 celebrando a vitória sobre o fascismo.

Os filhos e netos desses heróis de 1945 agora estão presos no maior colapso financeiro da história, com $1.5 trilhões de capital fictício pronto para explodir sob uma nova hiperinflação global similar à que destruiu Weimar em 1923, mas desta vez, global. O Banco de Pagamentos Internacionais, que deveria ter sido dissolvido em 1945, controla hoje a Junta de Estabilidade Financeira e, portanto, regulamenta o comércio mundial de derivados, que se tornou a arma de destruição em massa ativada para desencadear mais caos no mundo do que Hitler poderia ter sonhado. 

A graça salvadora hoje é que o espírito antifascista de Franklin Roosevelt está vivo na forma dos modernos anti-imperialistas Vladimir Putin, Xi Jinping e uma crescente variedade de nações unidas sob o guarda-chuva do New Deal do século XXI, que se chama “Iniciativa da Franja e Rota”.

E, portanto, ainda existe a oportunidade de adotar o tipo de ações de emergência necessárias neste momento de crise existencial e finalmente lograr o que FDR sempre pretendeu: ganhar a Segunda Guerra Mundial.”

Este artigo foi publicado originalmente na Fundação Cultura Estratégica.
Matthew Ehret
Tradução de Ana Corbisier



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Matthew Ehret

LEIA tAMBÉM

Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa
Karl Marx (2)
Homem do Milênio, Karl Marx vive na memória de milhões em todo mundo