Pesquisar
Pesquisar

EUA terão que aceitar que Rússia irá cooperar apenas com temas de nosso interesse, diz Putin

Em uma videoconferência, presidente russo rebate Biden e dá a entender que novo presidente estadunidense "está mal da cabeça"
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Estados Unidos terão que aceitar que a cooperação com a Rússia só vai se dar acerca de temas que sejam de interesse para a potência euroasiática e se ela estimar que vai ser proveitoso para ela, afirmou na quinta-feira (18) o presidente Vladimir Putin, um dia depois de que seu colega estadunidense, Joe Biden, disse em uma entrevista de televisão estar de acordo em chamá-lo de “assassino”.

Leia também
Governo Biden declara Rússia como ameaça para todos os aliados da OTAN, inclusive os EUA

Não obstante a rara ofensa ao titular do Kremlin, Moscou não quer romper relações com Washington mas advertiu que tampouco está disposto a acatar as regras do jogo que quer impor a Administração Biden.

“Os Estados Unidos querem manter certas relações conosco, mas só naquelas áreas que representam interesse para eles e sob suas condições. Sabemos defender nossos interesses. Vamos trabalhar com eles (EUA) só naqueles âmbitos que nos interessem e sob condições que consideramos proveitosas para nós”, retrucou Putin.

Sobre o tema
Senhor da Guerra: Em artigo, Joe Biden define política externa para próximos 4 anos

Asseverou que o governo de Biden “terá que aceitá-lo, apesar de suas tentativas de frear nosso desenvolvimento, suas sanções, seus insultos”.

Em uma videoconferência, presidente russo rebate Biden e dá a entender que novo presidente estadunidense "está mal da cabeça"

zab.ru
Moscou não quer romper relações com Washington mas advertiu que tampouco está disposto a acatar as regras do jogo

Putin: “Certamente o conheço”

Quanto a esta última questão, Putin afirmou: “Certamente o conheço (a Biden). E o que lhe diria? Lhe diria: Cuide de sua saúde! De verdade lhe desejo muita saúde, sem ironia nem vontade de fazer piada. Quando era criança, brincando com os amigos, não tínhamos dúvida: quem diz é, e não é uma brincadeira infantil, uma simples piada. É uma frase com profundo sentido psicológico: sempre vemos na outra pessoa as qualidades que temos, acreditamos que é igual a nós, e a partir daí, a avaliamos”.

Com estas palavras, ditas em uma videoconferência com motivo do aniversário da Incorporação da Criméia à Rússia, em 2014, o mandatário russo deu a entender que Biden está mal da cabeça e, sem desmentir a acusação que fez seu colega estadunidense, endossou o insultante qualificativo de “assassino” a quem o lançou primeiro. 

Leia também
Nas duas décadas de Putin, Biden teve um papel relevante nas iniciativas contra Rússia

Para isso, Putin recordou à classe governante estadunidense, o genocídio dos índios e a permanente perseguição dos negros, assim como Estados Unidos “é o único país do mundo que empregou a bomba atômica contra um Estado que carecia desse tipo de armamento, o Japão, no fim da Segunda Guerra Mundial, sem nenhuma necessidade militar, tratou-se de exterminar a população civil” de Hiroshima e Nagasaki.

Juan Pablo Duch, correspondente de La Jornada em Moscou

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Blinken-Wang-Xiaohong-China-EUA
China e EUA avançam em cooperação contra tráfico de drogas, afirma Pequim
Brasil-diplomacia-Lula
Ausência do Brasil em cúpula de Zelensky é mais um acerto da diplomacia brasileira
Russia-Coreia-do-Norte
Aliança Rússia-Coreia do Norte reconfigura geopolítica e devora hegemonia dos EUA na Ásia
milei-diaz-ayuso
Presidenta de Madri entrega a Milei medalha também dada a Zelensky e Guaidó