Pesquisar
Pesquisar

Fim da proteção ao aborto nos EUA, vigente há 49 anos, é sequela do governo Trump

Com decisão, estados do país passam a ter poder de limitar ou mesmo proibir a prática de interrupções voluntárias da gravidez dentro das suas fronteiras
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

Os juizes da Suprema Corte confirmaram a retirada da proteção constitucional ao aborto nos Estados Unidos, revertendo uma das decisões mais emblemáticas do organismo judicial – o caso Roe vs. Wade, em 1973. Com esta decisão, os estados norte-americanos passam a ter o poder de limitar ou mesmo proibir a prática de interrupções voluntárias da gravidez dentro das suas fronteiras. E os EUA passam a integrar o grupo de quatro países a restringir o direito ao aborto desde 1994, juntamente com El Salvador, Nicarágua e Polônia.

O argumento de “devolver o tema do aborto aos representantes do povo” prevaleceu entre a maioria conservadora na Suprema Corte, apesar de ir contra a opinião pública norte-americana sobre o assunto. Para o resultado final foram determinantes os juizes nomeados durante o mandato de Donald Trump, que nunca escondeu ser o seu objetivo acabar com o direito ao aborto no país.

Com esta decisão, 26 estados de maioria republicana têm legislação preparada para limitar a prática do aborto sob variadas formas, desde proibi-lo a partir das 15 semanas – ou mesmo das seis, como pretende o Texas e outros estados -, retirar as exceções aos casos de violação e incesto ou proibir a venda da pílula do dia seguinte. Nos estados de maioria democrata, o esforço legislativo vai no sentido de criar novas proteções ao direito ao aborto e ajudar as mulheres que passarão a ser obrigadas a sair dos seus estados para interromper a gravidez.

Com decisão, estados do país passam a ter poder de limitar ou mesmo proibir a prática de interrupções voluntárias da gravidez dentro das suas fronteiras

Flickr – Adam Fagen

"Uma decisão infame e um enorme recuo nos direitos das mulheres e que não pode deixar ninguém indiferente"

A decisão provocou reações imediatas de repúdio em todo o mundo. “Nos Estados Unidos foi revogado o direito ao aborto seguro. Uma decisão infame e um enorme recuo nos direitos das mulheres e que não pode deixar ninguém indiferente. O feminismo é a luta dos direitos humanos. É a luta dos nossos dias”, afirmou a coordenadora do Bloco de Esquerda nas redes sociais.

Redação Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei