Pesquisar
Pesquisar

Ganhamos o primeiro turno e agora temos que enfiar o dedo na ferida do voto envergonhado

É um problema achar que se pode vencer o fascismo com eleições. A tia do Zap não é ingênua; o tio do zap não é comentarista anônimo de portais de notícias
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul Global
Jundiaí (SP)

Tradução:

Nós não perdemos. Não fomos derrotados. Nós não somos minorias. Começo este texto, que não tem como pretexto analisar o cenário deste domingo (2), e sim o objetivo de abraçar as 57.258.115 pessoas que votaram em Lula e no PT e que agora estão tristes.

Dizer que na primeira hora desta segunda-feira (3) as pessoas deveriam “sacudir a poeira e dar a volta por cima” é insensível. Ninguém solta a mão de ninguém é uma utopia que segue válida.

É preciso ter tempo de lamber as feridas. Não espaço para autocrítica. O bonde segue e a gente tem que ir consertando o rumo, recalculando a rota. Tudo junto e ao mesmo tempo.

Assista na TV Diálogos do Sul

Muita gente trabalhou duramente para que Lula vencesse o primeiro turno, para que candidaturas femininas, trans, negras e com consciência de classe fossem eleitas. 

É um problema prometer que se pode vencer o fascismo apenas com eleições, mas se é esse o cenário desenhado, a alternativa possível, vamos!

É um problema achar que se pode vencer o fascismo com eleições. A tia do Zap não é ingênua; o tio do zap não é comentarista anônimo de portais de notícias

Foto: Reprodução/Youtube
Eleitor envergonhado

Tias do Zap

Mas é bom saber que a tia do Zap não é uma pessoa ingênua, boba e que precisa ser perdoada por sua inaptidão digital. 

O tio do Zap não fala bobagem apenas nos comentários anônimos da internet. Ele está nas ruas xingando e gritando contra comunistas e dizendo coisas aparentemente sem sentido. 

Cannabrava | Violência e medo. Como sobreviver num país em surto psicótico?

Não há racionalidade possível. O ataque tem método e está se organizando há mais de uma década. O clima político no país realmente mudou para um cenário mais favorável à esquerda, mas o suposto centro ainda tende a ir pra Paris junto com seu candidato. 

O deputado reeleito André Janones já havia nos alertado para o ponto cego às vésperas das eleições, aquele momento em que as pesquisas já não veem e que a campanha já não pode responder.

Mas ninguém viu, talvez porque realmente fosse impossível. Quaisquer que sejam as análises agora ela precisa contemplar a dor. Mas também pulsar a ferida de quem votou de modo envergonhado. 

É preciso constranger, acirrar a polarização e evidenciar quem são os responsáveis pelas 700 mil mortes da pandemia. Quem está roubando o Estado com as rachadinhas. Se eles estavam com vergonha antes, que agora chorem. 

“Chora agora, ri depois”, diz uma letra do grupo Racionais MC’s. Esse tem que ser nosso lema hoje, mas só por hoje, para que depois chorem eles para que possamos, enfim, voltar a sorrir com um país que nos orgulhe, que seja um dos promotores do BRICS (Brasil, Rússia, China e África do Sul) e tenha a educação como base do seu desenvolvimento.

Vanessa Martina Silva, jornalista e editora da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964