Pesquisar
Pesquisar

Guerra suja: Oposição argentina usa imprensa para manter tensão contra Fernández na pandemia

Desde o princípio da quarentena a extrema-direita mandou grupos às ruas para manter uma constante tensão, negando a existência do vírus
Stella Calloni
Diálogos do Sul Global
Buenos Aires

Tradução:

Aos anúncios dados, que incluem uma restrição para circular entre as oito da noite e às seis da manhã, pelo presidente argentino, Alberto Fernández, para reforçar algumas restrições diante da escalada de contágio da nova onda de Covid-19, que chegou ao recorde de 27 mil contagiados esta semana, e que ameaça com o colapso nos hospitais públicos e privados, foi tomada pela oposição política direitista de Cambiemos, integrada também pelos donos dos grandes meios de comunicação neste país, para fazer um panelaço nos bairros mais ricos da cidade, com uma falsa interpretação das medidas, e um cruzamento com o mandatário do Brasil, Jair Bolsonaro, que falou de um toque de recolher na Argentina e da saída de militares às ruas, o que não existe. 

As medidas restringem mais os horários noturnos e fechamento de estabelecimentos comerciais – que já estavam afetados nestes dias pela mesma onda de contágios a partir das 19 horas locais, tudo isto durante 15 dias, até 30 de abril. 

Mas também se dispôs a suspensão pelo mesmo período das aulas presenciais, que levam ao deslocamento de mais de um milhão de pessoas, depois de uma paralisação de várias organizações sindicais de professores em Buenos Aires, pedindo ao governo que os vacine, já que se produziram vários contágios, incluindo a morte de um estudante de 19 anos. 

Leia também
Visita de Chefe do Comando Sul dos EUA à Argentina levanta debate sobre defesa da soberania nacional no país

Se suspende também a circulação de pessoas entre as 20 horas e às seis da manhã, hora em que recomeçam as atividades essenciais, ordenando às forças de segurança que colaborem no cumprimento dessas restrições

Desde o princípio da quarentena a extrema-direita mandou grupos às ruas para manter uma constante tensão, negando a existência do vírus

Twitter | Reprodução
Fernández acrescentou que as forças armadas iam colaborar no aspecto sanitário

Oposição busca manter tensão

A oposição no princípio da quarentena de 2020 mandou grupos às ruas para manter uma constante tensão, primeiro negando a existência do vírus, falando de uma ditadura por causa de medidas de ordem sanitária e atacando com graves insultos os funcionários policiais e uma forte campanha de “guerra suja” na imprensa opositora. 

O governo de Fernández conseguiu incorporar novos hospitais, inclusive durante a emergência, e as condições necessárias para impedir qualquer colapso. Mas não houve uma só medida que a oposição não questionasse, com seus meios de comunicação.

Agora não apelam apenas à desobediência, com o qual prosperam as festas e reuniões noturnas e violações dos protocolos sanitários especialmente nesta capital.

As novas cepas têm triplicado os contágios rapidamente e todo o setor da saúde demandava que o governo tomasse uma medida urgente diante da iminência do colapso. 

Fernández explica o papel das Forças Armadas

Fernández acrescentou que as forças armadas iam colaborar no aspecto sanitário, como estiveram fazendo nesta capital, instalando comedores nos bairros mais afetados pela pobreza e neste caso com médicos e enfermeiros militares que colaborarão na vacinação e na instalação de barracas sanitárias. 

De imediato a oposição falou de “tanques e militares tomando as ruas” e também o fizeram os meios com as “falsas notícias”. Do Brasil, Bolsonaro que nega a pandemia e boicota e ameaça os governadores dos estados por terem tomado as medidas de restrição, diante da sua inação para tratar de frear o avanço do coronavírus, questionou a Fernández com ironia, fazendo eco das informações do diário digital Infobae, dizendo que o chamam de ditador, mas na Argentina iam impor o estado de sítio e o toque de recolher. 

De Fernández para Bolsonaro: “Há que explicar-lhe a Constituição argentina”

Não declarei estado de sítio nem penso fazê-lo. Nem as Forças Armadas estão para fazer segurança interna, mas para agir em catástrofes brindando apoio às pessoas”, precisou Fernández na Rádio 10 e aludindo a Bolsonaro sustentou: “Há que explicar-lhe a Constituição argentina”.

Stella Calloni, colaboradora da Diálogos do Sul desde Buenos Aires.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

xxxxxx


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei