Pesquisar
Pesquisar

Logística no armazenamento das vacinas pode ser obstáculo ainda maior que negacionismo

O imunizante desenvolvido pelo laboratório Pfizer, por exemplo, requer um cadeia de frio inexistente na maioria dos países do mundo
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Assumido o fato de que estamos todos sob a ameaça do contágio, surgem outras decisões.

Entre promessas e dúvidas, dados comprovados e especulações, opiniões científicas e ofertas políticas, a vacina aparece e abre de repente a porta para um hipotético regresso ao que considerávamos “a normalidade”: ou seja, um certo estado de liberdade em um ambiente desprovido da ameaça viral à qual estamos expostos. Os debates sobre a efetividade, os riscos e a postura ética dos laboratórios conhecidos por sua orientação mercadológica, extravasaram a capacidades de absorção de tanta informação contraditória, e o pública permanece à espera de obter respostas claras e garantias mínimas.

O mundo científico está dividido diante deste recurso de emergência e sua incerteza começa a se infiltrar para uma população leiga, ansiosa de acreditar no remédio mágico de uma vacina cujos efeitos de médio e longo prazo ainda não foram provados. Mas as dificuldades não param por aí. Um dos maiores obstáculos apresentados aos países comprometidos a iniciar a vacinação de seus habitantes é a complicada logística no armazenamento, distribuição e aplicação da vacina em forma massiva. 

A desenvolvida pelo laboratório Pfizer, por exemplo, requer um cadeia de frio inexistente na maioria dos países do mundo. Ou seja, para manter o produto em perfeitas condições necessita uma infraestrutura que garanta sua conservação a -70 graus Celsius, um nível de frio semelhante à temperatura do ártico. No entanto, asseguram os especialistas que esta exigência tampouco é insuperável, já que na República Democrática do Congo se pode imunizar contra o ebola a mais de 300 mil pessoas com um vacina que exigia requisitos de temperaturas semelhantes às da Pfizer contra a Covid19. 

O imunizante desenvolvido pelo laboratório Pfizer, por exemplo, requer um cadeia de frio inexistente na maioria dos países do mundo

PxHere
Uma porta para a normalidade, essa á a promessa da vacina.

Antes de cantar vitória com um recurso de emergência como as vacinas desenvolvidas em tão curto tempo, é preciso compreender que os obstáculos apresentados pelas comunidades afastadas dos centros urbanos – os quais tampouco possuem os recursos necessários, sobretudo em países em desenvolvimento – onde predominam a pobreza, a falta de água e de infraestrutura sanitária, colocam seus habitantes em uma situação de risco extremo. E é importante assinalar que este segmento de população vulnerável é a imensa maioria da população mundial. Por esse motivo, além do tempo requerido para criar um sistema suficientemente eficaz para imunizar uma porcentagem majoritária, as esperanças de um freio efetivo à pandemia se reduzem a certos núcleos urbanos favorecidos por seu acesso aos benefícios de um maior nível de desenvolvimento. 

Mesmo quando a discussão sobre a efetividade e a segurança das vacinas desenvolvidas pelos mais importante laboratórios está colocado – tanto em círculos científicos como políticos – a realidade é que a população está ansiosa a aceitar como boa uma solução que lhe permita retomar suas atividades normais e lhe promete brindar uma efetivo parapeito contra o vírus. As pessoas estão cansadas de viver uma realidade incômoda, limitante e precária. Está, além disso, razoavelmente temerosa pela perda de seus direitos civis, diante de decisões arbitrárias de certos governos que se aproveitam da crise para adoptar medidas ditatoriais. 

É importante considerar, de passagem, que os países mais ricos já se precaveram da provisão prioritária de vacinas, pelo que os mais pobres deverão esperar vários meses antes de obter a quantidade suficiente para assegurar a imunização de uma porcentagem majoritária da sua população. 

Uma porta para a normalidade, essa á a promessa da vacina.

*Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Laura Richardson - Peru
Rio Amazonas em risco: o que se sabe sobre laboratórios biológicos dos EUA no Peru
gravidez precoce argentina
Programa que cortou pela metade gravidez precoce na Argentina pode desaparecer sob Milei
Vacina_russa_Putin
Rússia deve finalizar vacina contra o câncer em breve, diz Putin