Pesquisar
Pesquisar

Ministro das Relações Exteriores cubano denuncia medidas coercitivas dos EUA

Bruno Rodríguez também lembrou que Cuba é o único país do mundo contra o qual Washington impôs e ainda aplica tais medidas
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Havana

Tradução:

O ministro das Relações Exteriores cubano Bruno Rodríguez reiterou hoje que, apesar da falta de evidências de supostos ataques contra diplomatas em Havana, os Estados Unidos mantêm medidas coercitivas contra a população da ilha.

Por meio de sua conta no Twitter, o ministro das Relações Exteriores também lembrou que Cuba é o único país do mundo contra o qual Washington impôs e ainda aplica esse cerco.

“O governo dos EUA não encontra nenhuma evidência de qualquer ataque a diplomatas em Havana. No entanto, #Cuba é o único país do mundo contra o qual os EUA impuseram e ainda aplicam medidas coercitivas que prejudicam sua população”, escreveu ele especificamente na rede social.

Bruno Rodríguez também lembrou que Cuba é o único país do mundo contra o qual Washington impôs e ainda aplica tais medidas

prensa latina
O ministro das Relações Exteriores cubano Bruno Rodríguez

Um painel de especialistas criado pelo governo Joe Biden concluiu recentemente que há “lacunas de informação” na determinação da causa dos incidentes de saúde relatados por diplomatas americanos em todo o mundo.

Os especialistas consideraram que “algum tipo de energia eletromagnética” poderia estar por trás dos sintomas estranhos, registrados pela primeira vez no final de 2016 em funcionários da embaixada do norte em Havana.

Memorando Mallory: Bloqueio econômico dos EUA a Cuba completa 60 anos

Mais de 200 diplomatas americanos e funcionários do serviço estrangeiro sofreram com os supostos sintomas que Washington inicialmente chamou de “ataque acústico” quando tentou culpar Cuba.

Embora inúmeras investigações científicas e governamentais não mostrem evidências de tais eventos, o falso argumento serviu ao então presidente republicano, Donald Trump, para desmantelar a embaixada de Washington na capital cubana e adotar 243 medidas adicionais ao bloqueio imposto pelos Estados Unidos na ilha.

Redação Prensa Latina

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
76a8901f-0233-449f-86af-70fbd36aa70f
Como tráfico de armas a partir dos EUA alimenta altas taxas de homicídio no Caribe
c600a324-a232-4428-a936-6c4b7a2fe9e8
Além de usurpar recursos, EUA aparelham Peru para minar relações com China e Rússia
bfc59549-46d5-45f8-84c7-b0d3e6d92ea3
Sanções, migração e petróleo: como relações com Venezuela impactam eleições nos EUA