Pesquisar
Pesquisar

Neoliberalismo vigente há 40 anos, não Trump, é responsável por ruína da democracia nos EUA

Dados são igualmente dramáticos e muito mais nocivos ao país que o assalto ultradireitista ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Estados Unidos, segundo sua própria cúpula política, está enfrentando um momento de “inflexão” no qual a própria “democracia” está à beira do precipício, e com isso poderia fundir-se o farol do mundo livre (que desastre?). 

Parte do deterioramento da democracia estadunidense foi documentada na última audiência pública do Comitê de investigação sobre o 6 de janeiro que deixou claro que um presidente impulsionou um plano premeditado para reverter os resultados de uma eleição federal, incluindo uma tentativa de um golpe de Estado.

Investigações contra Trump: um retrato do colapso moral de países com influência global

Vídeos revelados publicamente pela primeira vez na semana passada pelo comitê oferecem cenas que todos vimos antes – de uma cúpula política evacuada por serviços de segurança a um tipo de bunker em algum lugar secreto enquanto a turba destrói o palácio dos políticos – mas em países do chamado terceiro mundo, não na capital do autoproclamado líder do “mundo livre”.

A liderança legislativa de ambos os partidos foi evacuada ao que agora se sabe para o Fort McNair, nas periferias da capital, enquanto o próprio vice-presidente estava em um quarto seguro debaixo do Capitólio e os fanáticos do presidente, que observava tudo em sua televisão na Casa Branca, ameaçavam executá-los.  

A conclusão do comitê é que se o autor intelectual do delito, Trump, não for obrigado a prestar contas, estas cenas se repetirão e, com isso, poderia-se marcar o fim deste sistema.

Mas vale assinalar que a grande maioria de candidatos republicanos às eleições intermediárias de novembro expressaram apoio à “grande mentira” de Trump de que a eleição de 2020 não foi legítima, reportou o New York Times. O sistema oficial está bastante decomposto.

Dados são igualmente dramáticos e muito mais nocivos ao país que o assalto ultradireitista ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021

Diego Torres Silvestre – Flickr

Hoje, três homens têm a mesma riqueza que a metade mais pobre dos estadunidenses, 160 milhões de cidadãos




Assalto da agenda neoliberal

Mas tudo isto não é a “causa de fundo” do deterioro da democracia estadunidense.  A “democracia” aqui foi assaltada pela agenda neoliberal aplicada por ambos os partidos durante os últimos 40 anos. Os dados são igualmente dramáticos e muito mais nocivos à democracia que o assalto ultradireitista ao Capitólio.

Só para mencionar alguns: houve uma transferência de aproximadamente 50 trilhões de dólares da riqueza dos 90% “de baixo” ao 1% mais rico durante as últimas quatro décadas, calcula a RAND Corporation. A remuneração de executivos acresceu 1.460% desde 1978 e agora ganham 399 vezes mais que o trabalhador típico de hoje em dia (em 1978, essa equação era de 50 a 1), segundo o Economic Policy Institute.  

Trump é alvo da mesma lei contra espionagem que usou para perseguir Assange

Hoje em dia, três homens têm a mesma riqueza que a metade mais pobre dos estadunidenses (160 milhões de cidadãos); os 5% mais ricos dos estadunidenses concentram 2/3 da riqueza nacional. Desde que explodiu a crise da covid-19 há três anos, a riqueza dos multimilionários se incrementou mais de 50%, a quase $5 trilhões, enquanto que o incremento da dívida dos consumidores nos 90% “de baixo” registrou um incremento sem precedentes para chegar a $300 bilhões, reportou o Institute for Policy Studies.

“Agora temos maior desigualdade de ingresso e de riqueza que em qualquer momento nos últimos cem anos”, disse o senador Bernie Sanders, sublinhando que hoje é mais certo o que disse o reverendo Martin Luther King, Jr. nos 1960, que “temos que reconhecer que não podemos resolver nossos problemas hoje até que se leve a cabo uma redistribuição radical do poder econômico e político” nos Estados Unidos.

O país é, ou está para ser, uma oligarquia. É a causa de fundo do deterioro cada vez mais acelerado do que resta dessa democracia. Diante disso, são a continuação das lutas altermundistas do início deste século – como os Indignados, Occupy Wall Street e as greves gregas – a onda de rebeliões trabalhistas, que poderiam estar ressuscitando o movimento sindical estadunidense e são algumas das verdadeiras forças democratizadoras que ainda poderiam resgatar a esse país. 

David Brooks |Correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar