Pesquisar
Pesquisar

Patrocinada por multinacionais e em país hostil a ativistas, qual a credibilidade da COP27?

A marcha em direção ao abismo continua, e este mecanismo infernal continuará enquanto a convergência das revoltas não fizer tremer os poderosos
Daniel Tanuro
Viento Sur
Madri

Tradução:

A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP27) teve início em Sharm-el-Sheikh, Egipto, no último dia 6. É massivamente patrocinada por multinacionais (que estão a pilhar o planeta) e organizada pela ditadura do General al-Sisi (que encarcera ativistas). A credibilidade deste COP é nula.

É uma ilusão total acreditar que esta cúpula poderia tomar as decisões radicais necessárias para limitar seriamente a catástrofe, quanto mais travá-la com justiça social. Na realidade, de COP em COP, a marcha em direção ao abismo continua, e este mecanismo infernal continuará enquanto a convergência das revoltas não fizer tremer os poderosos.

Assista na TV Diálogos do Sul

Tal como as COP anteriores, a COP27 gira em torno de quatro desafios: reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (“mitigação”), adaptar-se à parte já inevitável do aquecimento global, e financiar as políticas necessárias, tudo isto respeitando o princípio de responsabilidades comuns mas diferenciadas e capacidades diferenciadas.

Em outras palavras, quando se trata de mitigação, adaptação e financiamento, os países ricos e prósperos, que são historicamente responsáveis pela acumulação de CO2 na atmosfera, devem assumir as suas responsabilidades face aos países pobres.

A marcha em direção ao abismo continua, e este mecanismo infernal continuará enquanto a convergência das revoltas não fizer tremer os poderosos

Jacobin Brasil
Ainda mais que as COPs anteriores, a COP de Sharm-el-Sheikh desenrola-se sob o triplo signo do cinismo, do engano e da repressão




Maus tempos para o clima

Globalmente, à medida que as COP anuais foram passando, e apesar dos avisos cada vez mais urgentes dos cientistas, estes quatro desafios só foram enfrentados com palavras. Paris (COP21) e Glasgow (COP26) clarificaram o objetivo no papel (ficando abaixo de 1,5°C, ou minimizando a sua ultrapassagem, ficando “bem abaixo de 2°C”), mas não tomaram as medidas necessárias para o tornar realidade. Seria necessário um milagre para que a situação fosse diferente em Sharm-el-Sheikh.

A cúpula tem lugar num clima de crescente competição inter-capitalista e de confronto geoestratégico. As contradições são acentuadas a todos os níveis: entre potências, entre blocos de poder, entre Norte e Sul, entre grupos. Desde o fim da pandemia, marcada pela dessincronização econômica, e, mais ainda, desde a agressão imperialista russa contra a Ucrânia, as tensões sobre o fornecimento de energia têm tido efeitos contraditórios: aumento do investimento em energias renováveis a longo prazo, ao mesmo tempo que se reavivam os combustíveis fósseis – e portanto, as emissões – e a energia nuclear a curto prazo[1].

Como resultado, os lucros disparam nos setores do petróleo, carvão, gás e armas. Longe de se retirarem destes setores, as finanças estão a lançar novos investimentos que reforçam as dependências, o bloqueio tecnológico[2], a fuga de combustível e a tendência para o conflito armado. Não surpreendentemente, as emissões de CO2 provenientes da combustão de combustíveis fósseis e as emissões de metano atingiram níveis recordes em 2021[3].

Ao mesmo tempo, crescem as provas de que a catástrofe já não pode ser evitada: no Paquistão, Níger, Sibéria, Europa, no Corno de África, América Central… em todo o lado, a crescente violência dos fenômenos meteorológicos extremos, e o número crescente de vítimas[4], ecoam o recente aviso estridente do IPCC; em todo o lado, as classes trabalhadoras são duramente atingidas.

COP27 no Egito: encontro precisa debater ações reais e radicais contra crise climática

Temos de agir sem demora, com base na justiça social. Mas é pouco provável que esta mensagem seja ouvida. No final dos debates mais difíceis de sempre, o melhor resultado que se pode esperar desta COP é que os protagonistas – que têm um interesse comum em fingir estar no controle da situação – se encontrem finalmente para a fotografia de família, jurando que deram mais um passo em frente. Ninguém se deixará enganar.


Mitigação: ambições a meia haste

Na COP21 (Paris), os governos não podiam deixar de notar a grande diferença entre os seus planos climáticos (ou “contribuições determinadas a nível nacional”) e o objetivo de “permanecerem bem abaixo dos 2°C e continuarem a lutar por não mais de 1,5°C”, respeitando ao mesmo tempo “responsabilidades e capacidades diferenciadas”.

Decidiu-se, portanto, rever os planos climáticos de cinco em cinco anos, a fim de “aumentar a ambição” a todos os níveis (mitigação, adaptação, financiamento). A COP26 (Glasgow) falhou nesta tarefa. Como a próxima revisão seria demasiado tardia para o prazo crucial de 2030 (redução de 45% das emissões globais para se manter no caminho para o máximo de 1,5°C), os participantes concordaram que a parte crucial de mitigação dos planos climáticos seria revista todos os anos até ao final da década.

Cada governo deve, portanto, submeter à ONU uma versão atualizada dos seus objetivos de atenuação antes da COP27. O Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), na sua revisão anual, resumiu a lacuna entre o que está a ser feito e o que deve ser feito para reduzir as emissões. O resultado é um insulto para as populações afetadas pelas alterações climáticas.

De fato, estes novos compromissos representam menos de 1% do esforço de 45% que é necessário fazer até 2030! Isto é 0,7 Gt de reduções anunciadas, graças principalmente à recuperação dos “maus alunos” que não tinham “levantado as suas ambições” antes de Glasgow (Austrália e Brasil). Além disso, este ano também há “maus alunos”: a Turquia não apresentou novas promessas, a Grã-Bretanha apresentou uma promessa semelhante à sua promessa anterior, a Índia e a Rússia apresentaram objetivos que implicam… mais emissões do que as suas promessas anteriores![5]

A quantidade não é o único problema. Um grupo de cientistas examinou a qualidade das promessas de redução e verificou que uma parte desproporcionada provém da plantação de árvores e de projetos de restauração do solo. No total, os planos governamentais nesta área mobilizariam 1,2 mil milhões de hectares (quase um décimo de terra submersa, após subtrairmos as áreas cobertas por gelo ou rochas!) Isto iria inevitavelmente entrar em conflito com as exigências da produção alimentar.

A maior parte desta área (623 milhões de hectares) seria dedicada a monoculturas de árvores (altamente prejudicial para a biodiversidade). O impacto real destas plantações na emissão e absorção de carbono é difícil de certificar e materializa-se bastante lentamente (em alguns ecossistemas – savanas, por exemplo – o IPCC observa que esta técnica pode mesmo ter um efeito negativo na absorção de CO2).

Ideia de que proteção da Amazônia depende de altos valores é armadilha do capitalismo verde

Mas plantar árvores é mais fácil – e mais barato para os setores envolvidos! – do que reduzir a utilização de combustíveis fósseis, descarbonizar os sistemas alimentares ou acabar com a desflorestação. Especialmente porque, em muitos casos, estes mecanismos de “compensação florestal” não estão sujeitos a regulamentação séria e escrutínio científico rigoroso[6].

O veredito do PNUA é claro: a “janela” de 1,5°C está a fechar-se devido à inação dos governos, como disse o Secretário-Geral da ONU. A razão é declarada no relatório: “A maioria dos atores financeiros, apesar das suas intenções declaradas, têm demonstrado uma ação limitada na redução das emissões devido aos seus interesses a curto prazo, objetivos contraditórios e falta de reconhecimento adequado do risco climático”[7].

É evidente que o que está em jogo é o próprio fundamento do capitalismo: a corrida ao lucro entre os grupos privados que possuem os meios de produção. Como resultado desta lógica absurda, não só o máximo de 1,5°C é comprometido, mas também o objetivo de ficar abaixo dos 2°C de aquecimento corre o risco de ser pulverizado. De acordo com o PNUA, as atuais políticas e promessas adicionais (se cumpridas!) levariam a um aquecimento de 2,4 a 2,6°C durante este século[8].


Até que ponto nos podemos adaptar?

Como o aquecimento global é em parte inevitável, a questão da adaptação está a tornar-se cada vez mais aguda. Os governos capitalistas estão mais ansiosos por abordar esta questão porque veem a possibilidade de novos mercados nos setores da construção, obras públicas, uso do solo, etc. Muitos esquecem o aviso muito claro do IPCC: mitigação e adaptação são duas faces da mesma moeda; quanto mais o aquecimento aumenta, mais as hipóteses de adaptação diminuem.

Pode já não ser possível adaptar-se aos acontecimentos mais extremos, tais como as terríveis inundações deste Verão no Paquistão. Estes eventos são o resultado de um aquecimento de apenas 1,1 a 1,2°C em comparação com os tempos pré-industriais. Portanto, sejamos claros: qualquer deslize para além de 1,5°C aumenta os perigos de ruína, doença e morte para os 50% mais pobres da população mundial, cuja responsabilidade pelas alterações climáticas é negligenciável, que carecem do básico e que, segundo a justiça climática, têm direito a triplicar as suas emissões para satisfazer as suas necessidades[9]. Quanto à perspetiva de um aquecimento de 2,4 a 2,6°C, deve ser afirmado inequivocamente: banalizá-la seria permitir o massacre de massas, um crime contra a humanidade, numa escala pior do que qualquer dos horrores genocidas do século XX.

Assista na TV Diálogos do Sul

É por isso muito preocupante ouvir rumores de que alguns governos se sentem tentados a pôr em causa o objetivo de +1,5°C acordado em Glasgow. Os países do G7 não se atrevem a tocar nesta meta. Na sua cúpula de 26-28 de Junho, sob a presidência alemã, reafirmaram o seu desejo de alcançar o zero líquido até 2050, passando para -45% das emissões de CO2 até 2030. Mas alguns países do G20 (incluindo o G7) são menos claros.

A reunião dos seus ministros das finanças em Bali, a 15-16 de Julho de 2022, não conseguiu assumir uma posição clara. Acima de tudo, na reunião dos ministros da energia e do ambiente do G20 em Agosto, os representantes da China e da Índia alegadamente insistiram para que se concentrassem nos 2°C. O representante chinês foi mesmo citado como dizendo que este alvo é “cientificamente mais realista”[10].

É demasiado cedo para tirar conclusões a partir desta informação tão dispersa, mas uma coisa é certa: em todos os países, é provável que alguns decisores políticos digam em surdina que 1,5°C é inalcançável… e esperem hipocritamente pela ineficiência da sua política para o provar. Numa entrevista recente, Greta Thunberg contou uma história significativa: «uma das pessoas mais poderosas do mundo, com quem tive uma longa discussão privada, disse-me: “Se soubéssemos o que os acordos de Paris implicavam realmente, nunca os teríamos assinado!”.


Quem vai pagar?

A manutenção do objetivo “máximo de 1,5°C” só é possível no âmbito de uma política que respeite rigorosamente o princípio de “responsabilidades e capacidades diferenciadas” dos países. No entanto, este compromisso, assumido em 1992, não é mais concreto do que as promessas de redução de emissões. Os países capitalistas desenvolvidos estão a conter-se. A COP de Cancun (2010) decidiu criar um Fundo para o Clima Verde. O seu papel era ajudar os países do Sul a enfrentar os desafios climáticos, em termos de mitigação e adaptação.

Os países ricos comprometeram-se a contribuir com 100 mil milhões de dólares por ano a partir de 2020. Esta promessa não foi cumprida. Em Glasgow, soubemos que havia apenas 80 mil milhões de dólares no banco. A COP26 decidiu por isso realizar um debate que deverá conduzir a um novo objetivo a partir de 2025, em 2024. Entretanto, parece que os 100 mil milhões por ano poderiam ser atingidos em 2023, mas principalmente sob a forma de empréstimos e não de subsídios. No entanto, o princípio das “responsabilidades diferenciadas” deve incluir subsídios!

Plenário de abertura da COP27 este domingo. Foto de Kiara Worth/UNFCCC/Flickr

Um aspeto ainda mais importante da questão do financiamento é o das “perdas e danos”. Os países mais afetados pelas alterações climáticas, e que não são responsáveis pelas mesmas, exigem que os países ricos lhes paguem uma indemnização em caso de catástrofe. Em Glasgow, os países em desenvolvimento (“G77”) apelaram à criação de um fundo especial para este fim. Os Estados Unidos e a União Europeia opõem-se veementemente a isto, usando a falta de tempo como pretexto para afastar a questão. Após as catástrofes no Paquistão e no Níger, entre outras, a questão voltará à ordem do dia na COP27.

O Paquistão, que preside ao G77, estima a fatura da reconstrução em 35 mil milhões de dólares. Até à data, recebeu menos de 8 mil milhões de dólares em ajuda, mais uma vez sob a forma de empréstimos. Isto é inaceitável para um país cuja dívida externa já se eleva a 130 mil milhões de dólares. Combinada com o aumento dos preços da energia e dos alimentos, a recusa dos países ricos em pagar por “perdas e danos” corre o risco de acelerar o deslizamento dos países do Sul para uma nova espiral de dívidas. Laurence Taubira, arquiteto dos acordos de Paris e diretor da Fundação Europeia do Clima, tem razão: “a legitimidade de todo o processo climático da ONU será posta em causa” se não houver progressos neste ponto em Sharm-el-Sheikh[12].

Finalmente, a COP26 atribuiu grande importância à mobilização do setor financeiro. Mark Carney, ex-governador do Banco de Inglaterra, anunciou triunfantemente a criação da Glasgow Finance Alliance for Net Zero (GFANZ). Segundo ele, banqueiros e fundos de pensões de todo o mundo estavam ansiosos por colocar o seu capital ao serviço do clima. Cento e trinta mil milhões de dólares já foram angariados. Um ano mais tarde, o balão está a esvaziar-se. BlackRock e Vanguard declararam abertamente que não irão abandonar os investimentos em combustíveis fósseis. Vários parceiros estão relutantes em submeter a ecologização dos seus investimentos aos critérios da ONU. Alegam que tais critérios os colocariam em conflito com a lei antimonopólio…[13].


Cinismo, engano e repressão

Ainda mais que as COPs anteriores, a COP de Sharm-el-Sheikh desenrola-se sob o triplo signo do cinismo, do engano e da repressão.

O cinismo dos patrocinadores deste ano é encarnado pela Coca-Cola. A poluição plástica e a utilização de água doce têm sucessivamente ultrapassado o limiar da sustentabilidade ecológica global[14]. Neste contexto, o facto de um gigante açambarcador de água e consumidor de plástico estar a patrocinar a COP é revelador e nem merece comentários. A multinacional afirma descaradamente que o seu apoio à COP “está de acordo com o seu objetivo de base científica de reduzir as suas emissões em 25% até 2030 para atingir o carbono zero até 2050”. Para esclarecer esta afirmação, podemos simplesmente mencionar que entre 2019 e 2021, a Coca-Cola aumentou o seu consumo de plásticos em 8,1%, para 3,2 milhões de toneladas?

Quando se trata de batota, há muito por onde escolher. Poderíamos fazer um inventário de todos os chamados acordos – na realidade meras declarações de intenção – celebrados com grande alarido por grupos de países na COP26: acordos sobre metano, sobre desflorestação, sobre a paragem do investimento em combustíveis fósseis, sobre defesa verde, e assim por diante. De tudo isto, não resta nada, ou não resta muito. A desvantagem de tirar tais coelhos da cartola é que o truque perde rapidamente a sua credibilidade. Mas há milhares de atores climáticos privados repletos de ideias semelhantes. Um exemplo são os Objetivos Independentes Baseados na Ciência.

Criado em 2015 por grandes associações ambientalistas capitalistas pró-verdes (como o World Resources Institute), a Science Based Targets initiative (SBTI) pretende que a ciência certifique os planos “net zero” das empresas (para as quais as autoridades públicas não estabeleceram quaisquer normas ou regulamentos). Na realidade, as espertezas da SBTI simplesmente tomam como bons os dados de emissões que lhes são fornecidos pelas empresas que lhes pagam e colocam um bonito selo “baseado na ciência” nos seus planos “net zero”. Como os dados em questão são utilizados como referência para planos net zero, é possível a maior fraude. O Financial Times, que não é um jornal ecosocialista, cita o caso de uma empresa de pasta de papel que estabeleceu a sua linha de base ao reportar as emissões dos incêndios florestais em 139 ha. Um especialista em observação por satélite de incêndios florestais mostrou que, nesse ano, mais de 3.000 ha de plantações da empresa se transformaram em fumo… e emissões[14].

Finalmente, quanto à repressão, só podemos recordar que 60.000 presos de consciência estão a definhar nas prisões do General al-Sisi. O ditador decidiu que a “sua” COP terá lugar em ordem. Há algumas semanas, sua polícia prendeu quase 70 pessoas que tinham “planos para se manifestarem”, de acordo com a Comissão Egípcia para os Direitos e Liberdades (ECRF). As pessoas foram presas por “espalharem notícias falsas” após partilharem conteúdos no Facebook apelando a protestos à volta da cúpula[15]. Segundo a Al Jazeera, o ativista ambiental indiano Ajit Rajagopal também foi preso durante uma marcha pacífica do Cairo para Sharm el-Sheikh, etc.

Esta COP será mais uma cúpula de lavagem verde, capitalismo verde e o estado policial. É uma ilusão total acreditar que poderia tomar as decisões radicais necessárias para limitar seriamente a catástrofe, quanto mais pará-la com justiça social. Na realidade, de COP em COP, a marcha em direção ao abismo continua, e este mecanismo infernal continuará enquanto a convergência das revoltas não fizer tremer os poderosos. Cabe-nos a nós trabalhar nesse sentido.

Daniel Tanuro | Engenheiro agrônomo e nasceu na Bélgica. Fundou a associação “Clima e Justiça Social”. Tem artigos escritos sobre questões ambientais em várias revistas e jornais. É também autor de vários livros, nomeadamente “O impossível capitalismo verde” que se encontra traduzido em português pelas edições Combate.

* Artigo publicado a 3 de novembro de 2022 na página Viento Sur(link is external). Traduzido por Luís Branco para o Esquerda.net.

Notas:
[01] Ver relatório da Reuters (18/10/2022) sobre el ressurgimiento dos combustíveis fósseis, especialmente o carvão, na Europa e no mundo.
[02] Na UE, 50 mil milhões de euros em novos investimentos fósseis desde o início da guerra russa contra a Ucrânia. As quotas da energia solar e eólica na produção de eletricidade aumentaram (+32% e +26% respetivamente), mas também as do carvão, lignite e gás (+20%, +17% e +23% respetivamente) de Janeiro a Agosto de 2022 (em comparação com o ano anterior). Em particular, os investimentos relacionados com as importações de GNL dos EUA suscitam receios de uma derrapagem duradoura do acordo verde (Financial Times, 20/10/2022).
[03] Em 2021, foram emitidos 36,6 Gt de CO2 a partir da combustão de combustíveis fósseis. Este é um recorde absoluto. O aumento anual das emissões de metano é sem precedentes desde o início das medições (FT 27/10/2022).
[04] De acordo com The Lancet, as mortes por calor em todo o mundo aumentaram 2/3 nos últimos 20 anos (FT, 27/10/2022).
[05] PNUMA, Informe sobre la brecha de emisiones 2022.
[06] Financial Times, 1/11/2022.
[07] PNUMA, op cit.
[08, [09] A UNFCCC dá uma gama ligeiramente mais alargada: 2,1 a 2,9°C.
[10] De acordo com o Climate Home News, 2/9/2022.
[11] Le Monde, 14/10/2022.
[12] FT, 10/10/2022.
[13] FT, 8/10/2022 y 18/10/2022.
[14] FT, 2/11/2022.
[15] https://www.reuters.com/business/cop/egyptian-security-arrests-dozens-ah.

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Daniel Tanuro

LEIA tAMBÉM

Catástrofe_RS_clima
Cannabrava | Catástrofe climática, tragédia humana
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024