Pesquisar
Pesquisar

Pro Paraguai, vitória de Biden só será positiva se impedir reeleição de Bolsonaro

É o Brasil e não os EUA que mais exerce influência na política paraguaia; Argentina perdeu protagonismo há pelo menos meio século
Ricardo Canese
Diálogos do Sul Global
Assunção

Tradução:

É importante começar afirmando que, em geral, a mudança de um presidente republicano por outro democrata não significa mudança alguma nas políticas imperiais dos EUA em todo o mundo e, na América Latina em particular, salvo algumas exceções, ou em alguns temas específicos. Biden, além disso, nem é da ala mais progressista do Partido Democrata, razão pela qual não há motivo para ilusões.

Confira outros textos da série

Mais especificamente digamos que, no âmbito mundial, Biden significará, provavelmente, um reforço das políticas neoliberais e de globalização, o que poderia implicar numa linha mais intervencionista e limitante da soberania das nações de todo o mundo, embora também seja possível prever que exista uma maior preocupação com a questão ambiental e climática.

Quanto à América Latina, Biden poderá optar por vias mais políticas que militares, em casos críticos como Cuba, Venezuela e Nicarágua, embora seja preciso dizer que presidentes democratas, até mais “progressistas” que Biden, no passado também intervieram militarmente na região. 

Se analisarmos o governo de Obama, os EUA propiciaram os golpes de Estado “brandos” em Honduras, Paraguai e Brasil, além de uma linha de desintegração da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) e da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL), além de exercer um papel protagonista em uma OEA dependente de Washington, a que depois, sem dúvida, Trump deu sequência.

É o Brasil e não os EUA que mais exerce influência na política paraguaia; Argentina perdeu protagonismo há pelo menos meio século

Diálogos do Sul
Uma questão positiva que se pode esperar na América Latina é que Biden retire o apoio a governos e movimentos neofascistas, de ultradireita.

Brasil

Uma questão positiva que se pode esperar na América Latina — e no mundo — é que Biden retire o apoio a governos e movimentos neofascistas, de ultradireita radical, como o de Bolsonaro

Se este passo se concretizar, ainda que Bolsonaro não caia, pode propiciar certo ar democrático na região, embora não precisamente progressista, mas com mais tolerância, principalmente aos governos progressistas moderados da região.

Em relação ao Paraguai, é preciso começar dizendo que não são os EUA, diretamente, os que mais influem na política do país, embora não se deva menosprezar sua influência. Quem mais influi é o Brasil, há mais de meio século; a maior influência anterior, da Argentina, hoje definitivamente já não existe.

É preciso esclarecer que não é que os EUA não influam na política interna do Paraguai, mas sim que o fazem preferentemente por meio do Brasil. Como disse uma vez Henry Kissinger, “para onde se incline o Brasil inclinar-se-á a América Latina”; este princípio indiscutível se aplica com muito mais rigor no caso do Paraguai.

Em tal contexto, uma previsível redução do apoio do governo dos EUA a Jair Bolsonaro poderia ter um efeito benéfico para o Paraguai, ainda que a médio prazo. Com Biden como presidente, é menos provável que Bolsonaro possa ser reeleito no final de 2022, ou que possa ser eleita uma pessoa de características similares, e, se isso se concretizar, significará um alívio, embora só em dois anos, para as forças democráticas do Paraguai.

* Ricardo Canese é parlamentar do Mercosul pela Frente Guasu, Paraguai

Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ricardo Canese

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
76a8901f-0233-449f-86af-70fbd36aa70f
Como tráfico de armas a partir dos EUA alimenta altas taxas de homicídio no Caribe
c600a324-a232-4428-a936-6c4b7a2fe9e8
Além de usurpar recursos, EUA aparelham Peru para minar relações com China e Rússia
bfc59549-46d5-45f8-84c7-b0d3e6d92ea3
Sanções, migração e petróleo: como relações com Venezuela impactam eleições nos EUA