Pesquisar
Pesquisar

Rússia libera importações paralelas e facilita compra de marcas que deixaram o país

“O propósito desta lei é proteger a economia russa e nossos cidadãos diante das sanções econômicas", declarou Viacheslav Volodin, líder da Câmara russa
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Diante do êxodo de centenas de companhias estrangeiras, em protesto contra a campanha militar russa na Ucrânia, a Duma (Câmara baixa do Parlamento russo) legalizou nesta terça-feira (21) as importações paralelas. Com a aprovação da terceira e definitiva instância, a lei exime as empresas locais de qualquer tipo de responsabilidade por trazer à Rússia o que deixou de importar-se diretamente das marcas.

“O propósito desta lei é proteger a economia russa e nossos cidadãos diante das sanções econômicas contra nosso país. Tê-la aprovado vai facilitar o comércio dos artigos e produtos da lista de importações paralelas e permitirá estabilizar os preços destes”, resumiu o presidente da Câmara de Deputados, Viacheslav Volodin.

Assista na TV Diálogos do Sul

No início de maio, o ministério de Indústria e Comércio tornou pública a relação das importações paralelas autorizadas, que são produtos legalmente fabricados em outros países e importados sem a necessidade de licença do titular dos direitos de propriedade intelectual da marca, como define o conceito da Organização Mundial de Comércio

Em suas 23 laudas e 96 categorias discriminadas por códigos aduaneiros, figuram peças de reposição e componentes cuja impossibilidade de importar de modo direito é considerada “crítica”, por exemplo para aviões de passageiros ou até para os últimos modelos de tanques do exército. 

Também inclui armas e munições, reatores nucleares, produtos farmacêuticos, barcos, automóveis e outros meios de transporte, papel e papelão, assim como artigos elaborados com algodão, seda, fibras sintéticas, cobre, alumínio, chumbo, zinco e estanho. 

“O propósito desta lei é proteger a economia russa e nossos cidadãos diante das sanções econômicas", declarou Viacheslav Volodin, líder da Câmara russa

Prensa Latina
O presidente da câmara de deputados, Viacheslav Volodin

Acostumados com marcas estrangeiras, os consumidores locais tornarão a ver nas lojas eletrodomésticos, computadores, celulares, relógios inteligentes, câmeras fotográficas, móveis, roupas, sapatos ou brinquedos que, diante do risco de desaparecer do mercado, começaram a ser escassos e chegaram a alcançar preços proibitivos. 

Ao menos, a ideia exposta na exposição de motivos do projeto de lei “é reduzir os preços dos artigos importados no contexto das sanções econômicas contra a Rússia”.

Corredores econômicos: China e Rússia decretam ‘reset’ nas regras do jogo mundial

O governo russo, já a fins de março, levantou parcialmente a proibição que, desde 2002, fechava a porta às importações paralelas. 

O titular de carteira de Indústria e Comércio, Denis Manturov, deu a conhecer há alguns dias que pouco mais de um mês – a partir da publicação, em 6 de maio anterior, da lista que autoriza essa modalidade de comércio – de acordo com os dados da aduana, entraram na Rússia, graças ao mecanismo das importações paralelas, produtos por um valor próximo aos 2 bilhões de dólares. 

Um rápido repasse da imprensa russa mostra que, desde 24 de fevereiro, foram embora para sempre da Rússia, ou suspenderam temporariamente sua presença no mercado local, numerosas companhias estrangeiras. 

Na área de automóveis, por exemplo, Audi, General Motors, Honda, Skoda, Volvo, BMW, Ford, Mercedes Benz, Renault, Volkswagen, entre outras; Airbus e Boeing deixaram de dar manutenção a seus aviões na Rússia; fecharam suas lojas Adidas, Decathlon, Ikea, H&M, Inditex e suas seis marcas, Obi, Puma e muitos outros. 

Rússia e Turquia anunciam estratégia para desbloquear exportações na Ucrânia

Já não negociam com este país Amazon, eBay, Nike, Colgate-Palmolive; deixaram de funcionar os cartões Visa, Mastercard, American Express, o sistema de transferências internacionais SWIFT e o de pagamento de Apple, Google e Samsung. 

Suspenderam atividades PayPal, Western Union, muitos bancos, consultorias, auditorias; limitaram suas vendas as farmacêuticas; cessaram fornecimento Apple, Dell, Intel, Cisco, Adobe, AMD, Nokia, Siemens, Sharp, Sony e outras companhias do setor tecnológico, outras só suspenderam atividades como Microsoft, IBM ou Panasonic.

British Petroleum, Eni, Exxonmobil e Shell, entre outras petroleiras, cancelaram seus projetos na Rússia; deixaram de operar empresas de mensagens como DHL, FedEx, UPS; vão embora do país McDonald’s, Coca-Cola, Starbucks, Lavazza e um longo etecetera. 

Juan Pablo Duch, correspondente de La Jornada em Moscou.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição