Pesquisar
Pesquisar

Ucrânia já perdeu 130 mil soldados e quer mais 200 mil, o que pode arrastar vizinhos à guerra

Na última sexta-feira (27), a Hungria criticou o recrutamento de húngaros, que vivem em território ucraniano, pelo exército de Kiev
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Berlim

Tradução:

Depois da decisão da Alemanha de enviar seus tanques Leopard-2 à Ucrânia, ocorre um efeito dominó na Europa que aumenta o sem sentido dos esforços para aguçar o conflito nesta ex-república soviética.

Berlim negou-se a fornecer os referidos blindados à Ucrânia durante uma recente reunião de ministros de Defesa de 50 países, realizada na base aérea alemã de Ramstein, mas ato contínuo, pressionado por outros no Ocidente, concordou em fazê-lo.

Assista na TV Diálogos do Sul

A Alemanha, cuja decisão coincidiu com o Dia de recordação das vítimas do Holocausto, não deve ter distante a imagem dos tanques nazis entrando na União Soviética, ou pior ainda, em meio à batalha de Kursk, a maior destes equipamentos bélicos.

Mas o atraso na decisão alemã também parece estar relacionado com uma questão muito trivial: a reputação dos Leopard-2 no mercado de armamentos, depois de sua pífia atuação nas mãos do exército turco nas ações na Síria, segundo especialistas.

Tanques Leopard 2 na Ucrânia: EUA “enviam Alemanha para o fogo como um vassalo”

O governo do chanceler federal Olaf Scholz deve ter calculado ainda que, para o treinamento dos quatro tanquistas ucranianos necessários para cada Leopard-2, é preciso tempo, em meio ao aumento da intensidade dos combates no conflito. 

Em 24 de fevereiro passado, o presidente Vladimir Putin anunciou o início de uma operação bélica na Ucrânia, para proteger a população da região de Donetsk, assim como para desmilitarizar e desnazificar aquele país.

Mas depois de quase um ano do início do confronto, o Ocidente, sobretudo as potências europeias, parecem propor um novo desafio: armar a Ucrânia por todas as vias possíveis

Na última sexta-feira (27), a Hungria criticou o recrutamento de húngaros, que vivem em território ucraniano, pelo exército de Kiev

Prensa Latina
Recentemente, a Ucrânia decretou uma mobilização na região de Transcarpatia, onde tem a intenção de recrutar cerca de 10 mil pessoas




Armadilha para a Europa

De acordo com a publicação digital Voenoe Obozrenie, as forças armadas da Ucrânia poderiam acrescentar outros 200 mil homens às armas, enquanto as perdas reconhecidas por oficiais do estado maior rondariam os 130 mil desde o início da luta.

Neste caso, surge novamente a possibilidade de que caiba aos militares europeus a tarefa de participar diretamente das ações de combate, no que parece ser uma armadilha para seus propósitos de destruir a Rússia, consideram analistas.

A própria ministra alemã de Relações Exteriores, Annalena Baerbock, afirmou em um recente encontro com parlamentares europeus que seu país estava em guerra com a Rússia na Ucrânia, uma frase que parecia esconder muito pouco seu objetivo de sentido figurado.


O efeito dominó

A decisão alemã de enviar em uma primeira etapa 14 de seus tanques à Ucrânia, depois que os Estados Unidos aceitaram fornecer 30 Abrams M1, provocou um efeito dominó em países europeus.

De acordo com Der Spiegel, a Espanha referiu sua intenção de contribuir com Leopard-2, sem precisar ainda o número, entre os 327 em seu poder, assim como a Polônia, com 15, Portugal, com quatro, Finlândia, com 30, e Suécia e Dinamarca com 44.

Kremlin: Tanques Abrams e Leopard não darão a vantagem desejada à Ucrânia

Além de cerca de uma centena de Leopard-2, em um futuro próximo a Ucrânia contaria com tanques britânicos Challenger-2, o que, segundo especialistas militares, poderia permitir-lhe formar novas brigadas motorizadas, com base em material de combate ocidental.

Tudo isso mostra um caminho que levaria a uma maior escalada do conflito, com um perigo cada vez maior de transcender a fronteira ucraniana, no que ameaça transformar-se em um verdadeiro desafio para a Europa, destacam especialistas.


Chanceler húngaro critica recrutamento forçado na Ucrânia

O Chanceler da Hungria, Peter Szijjarto, reiterou, nesta sexta-feira (27), que membros da minoria húngara na Ucrânia são recrutados de forma brutal pelo exército de Kiev, segundo publicou Rússia Today (RT), que cita fontes locais.

O ministro agregou que os membros desta etnia que vivem na região de Transcarpatia são incorporados pela força, razão pela qual apelou a que se ponha fim ao que qualificou de atrocidades contra essas pessoas.

Szijjarto defendeu negociações de paz no lugar de continuar com a retórica militar, destacando a importância de pôr fim ao conflito.

Recentemente, uma nova leva de mobilizações foi decretada na região de Transcarpatia, onde o exército ucraniano tem a intenção de recrutar cerca de 10 mil pessoas.


Grandes perdas

A RT agrega que a nova mobilização foi provocada pelas grandes perdas sofridas por uma brigada perto da cidade de Soledar, tomada pela Rússia em meados de janeiro.

A Ucrânia tem uma importante minoria étnica húngara que vive na região de Transcarpatia, a qual foi durante muito tempo foco de tensões entre Kiev e Budapeste.

Subornos, viagens, carros de luxo: time de Zelensky torrou verba destinada a salvar vidas

Por sua vez, a Hungria denunciou as leis de Kiev que discriminam os não ucranianos na educação e em outras esferas da vida pública.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda