Pesquisar
Pesquisar

Uma imprensa submissa à pressão de grupos de interesse faz cambalear a democracia

Uma imprensa submissa diante da pressão de grupos de interesse, faz cambalear a democracia e o acesso a informação
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

A recente celebração do dia do jornalista na Guatemala nos obriga a refletir sobre o papel dos meios de comunicação em um panorama tremendamente conflitivo e carregado de ameaças como o que se observa nesse país centro-americano, mas também em muitos outros ao redor do mundo. Aqueles que como nós nos desempenhamos neste ofício sabemos, por experiência, a envergadura das armadilhas na busca da verdade e até onde se pode obter informação de qualidade. Mas isso não afeta só os jornalistas; também para a sociedade a rota está repleta de obstáculos; pode-se ir unindo fragmentos de informação para armar o quebra-cabeças, mas sempre faltam peças indispensáveis, essas que poderiam dar uma pista sobre as causas e as consequências dos fenômenos que nos rodeiam.

Leitura obrigatória

Operação Verdade: 60 anos de luta contra as mentiras da mídia hegemônica

Os meios de comunicação – garantias de um dos pilares fundamentais de qualquer sistema democrático – foram se transformando em enormes monopólios cujos interesses corporativos marginalizaram, de uma vez e para sempre, sua responsabilidade social e sua missão de garantir não apenas a liberdade de imprensa, mas também o direito da cidadania à informação.

Saiba+

Mídia Venal, mas a humanidade resiste e esperneia

Essa rota, aparentemente inevitável pela necessidade de contar com a renda da publicidade comercial e condicionada por interesses particulares, tem causado um impacto negativo em seu trabalho informativo, mas também na integridade das estruturas democráticas e na maneira como as sociedades são induzidas a tomar posição diante dos fatos políticos, econômicos e sociais que lhes concernem. 

Ante esta realidade, os meios alternativos – cuja presença abunda no mundo digital – têm se transformado em uma solução parcial e indubitavelmente valiosa para aqueles que buscam conhecer aquilo que os grande meios costumam calar por pressão dos governo ou por defender posições e interesses de grupo. 

Sobre o tema

Roberto Savio “A imprensa tem perdido poder e dignidade”

Isto é especialmente notório na cobertura de acontecimentos de enorme transcendência como os protestos massivos contra governos ditatoriais e corruptos ao redor do mundo, assim como fenômenos de histórica data: o racismo, a visão sobre as migrações, a discriminação por gênero, a naturalização da pobreza, os feminicídios, e a criminalização das organizações e líderes populares.

Uma imprensa submissa diante da pressão de grupos de interesse, faz cambalear a democracia e o acesso a informação

PxHere
Armadilhas na busca da verdade

No entanto, estes meios alternativos são apenas um paliativo cuja presença alcança uma elite educada e com acesso à tecnologia.  Na marginação e na obscuridade ficam as grandes massas da população submetidas à constante invasão de mensagens interessadas através da televisão e do rádio, os instrumentos de conexão com o mundo mais eficientes, e os mais perigosos quando não estão comprometidos com sua missão pela busca e difusão da verdade. A influência destes meios coniventes com os centros de poder resulta, então, em uma autêntica machadada sobre o próprio centro da democracia e da vida institucional das nações, inclusive naquelas que presumem de desenvolvimento, como sucede com as grandes cadeias noticiosas do primeiro mundo.

Leia também

Nada de novo sob o sol: Estratégias geopolíticas imperialistas e mídias hegemônicas

A palavra, esse autêntico milagre capaz de traduzir as ideias para partilhá-las com outros, é um instrumento cujo poder não é valorizado em toda a sua dimensão. Por isso, usá-la de maneira responsável, assumir com isso o compromisso de respeitar a verdade e transmiti-la à sociedade apesar das pressões contra ela, é um ato de fé em sociedades profundamente feridas pela traição de seus líderes e pela inqualificável institucionalização da mentira. 

O milagre da palavra não tem sido valorizado em toda a sua dimensão.

*Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala 

**Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Frida-Kahlo
Anos de ouro: o êxito vivido pela Cidade do México e por Frida Kahlo pós-crise de 1929
Foto de Adrian Swancar na Unsplash
Frei Betto | Refém das redes digitais, juventude grita por socorro! Como evitar o pior?
Vicente Lombardo Toledano
O marxismo de Vicente Lombardo Toledano, fundador da Confederação de Trabalhadores da América Latina
vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente