Pesquisar
Pesquisar

Venezuela: EUA usam Colômbia e Otan para iniciar guerra semelhante à russo-ucraniana

Ação busca alimentar tensão no país com importância geopolítica e estratégica devido acesso a reservas de petróleo, gás, água e minerais
Carlos Fazio
La Jornada
Cidade do México

Tradução:

Mudam as administrações republicanas e democratas na Casa Branca, mas as estratégias de tensão sistemática e desestabilização do estado profundo (a estrutura secreta que fica acima das aparências democráticas e nas costas da opinião pública norte-americana) contra países considerados inimigos de Washington permanecem. Uma constante nas últimas duas décadas tem sido as políticas de mudança de regime contra a Venezuela. O objetivo: o petróleo. E para eliminar um modelo político alternativo ao domínio dos EUA na América Latina e no Caribe.

Neste momento, seguindo o padrão do conflito ucraniano na Europa, a administração democrata de Joe Biden continua a política de seu antecessor, o republicano Donald Trump, utilizando a Colômbia como plataforma de agressão contra a Venezuela. Desde o final de 2021, Washington vem utilizando o governo de Iván Duque para ativar linhas de tensão na fronteira do Rio Arauca entre a Colômbia e a Venezuela, uma importante região geopolítica e geoestratégica devido a seu acesso a reservas de petróleo e gás, água doce, minerais, biodiversidade e outros recursos naturais.

A sucessão de eventos violentos provocados por grupos armados colombianos não estatais infiltrados no estado venezuelano de Apure, que faz fronteira com o departamento de Arauca, Colômbia, procura atrair o governo de Nicolás Maduro para uma guerra semelhante à que a Otan vem provocando na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia. Neste sentido, não se pode esconder a profunda relação entre o governo do uribista Iván Duque e os grupos narcoparamilitares Los Rastrojos, Los Urabeños, as Autodefesas Gaitanistas de Colômbia e Áquilas Negras, sob a supervisão da DEA e do embaixador dos EUA Philip Goldberg, que desestabilizou a antiga Iugoslávia em 1999 e foi expulso da Bolívia em 2008 por conspirar contra o governo de Evo Morales – semelhante ao presidente ucraniano Volodymir Zelensky com grupos paramilitares neonazistas.

Ação busca alimentar tensão no país com importância geopolítica e estratégica devido acesso a reservas de petróleo, gás, água e minerais

tprzem / Wikipedia
Ação busca atrair Nicolás Maduro para uma guerra semelhante a que Otan vem provocando na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia

Em 2013, o então presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, assinou um acordo com a Otan como parceiro global (ou “extra-NATO”), estabelecendo o país sul-americano como um cavalo de Tróia regional desta força militar multinacional comandada pelos Estados Unidos, que reivindica o direito de intervir em qualquer parte do mundo.

Sob governo Macri, exército argentino planejou invadir Venezuela em 2019, revela investigação

Em janeiro passado, o Ministro da Defesa venezuelano, General Vladimir Padrino López, denunciou a projeção latino-americana da Otan, com a Colômbia e sua rede de bases militares como um peão, e a presença cada vez mais determinada dos meios militares e navais da aliança atlântica na área de influência da Venezuela. Padrino estava se referindo não apenas ao acordo entre a Colômbia e a Otan, mas também ao segundo treinamento conjunto entre as forças armadas brasileiras e americanas no âmbito da iniciativa Operações Combinadas e Exercícios Rotativos (CORE), assinado em outubro de 2020 para aumentar a interoperabilidade entre suas forças armadas.

Assista na TV Diálogos do Sul

As recentes revelações sobre as manobras militares do Exército Argentino em 2019, para uma invasão da Venezuela sob o comando do Comando Sul do Pentágono, demonstram que Trump e seu trio de psicopatas: John Bolton, Mike Pompeo e Elliott Abrams, estavam à beira de gerar um conflito militar no coração da América do Sul.

Naquele momento, após a fabricação do fantoche Juan Guaidó como presidente encarregado da Venezuela (reconhecido pelo então presidente argentino, Mauricio Macri) e no âmbito de uma campanha propagandística de intoxicação da mídia, típica da guerra híbrida e/ou de quarta geração – que empregou recursos diplomáticos, militares, de inteligência e econômico-financeiros, militares, inteligência e recursos econômico-financeiros – Washington, com o apoio da Otan e do Grupo Lima, tentou derrubar o governo legítimo de Maduro através de um golpe de Estado fracassado que seria seguido por uma intervenção humanitária de alguns exércitos na área.

Uma manobra imperial para terceirizar a guerra, onde a tarefa do Exército Argentino era garantir a segurança de um corredor humanitário na fronteira da Colômbia e Venezuela, enquanto seu homólogo brasileiro cobriria o corredor desde as cidades de Boa Vista e Pacaraima, no estado de Roraima, fronteira com a Venezuela.

Como parte da atual estratégia de tensão, não é estranho a Washington o fórum anticomunista organizado no último fim de semana em Bogotá pelo partido ultradireitista espanhol Vox, com a participação de setores conservadores de vários países da região e dissidentes cubanos e venezuelanos. As reuniões também não são patrocinadas pela rede de lobby ultra capitalista Atlas Network, que apoia os presidentes Duque da Colômbia e Guillermo Lasso do Equador, bem como a Fundação Internacional da Liberdade do escritor Mario Vargas Llosa e a Fundação Friedrich Naumann da Alemanha.

Essas reuniões são utilizadas pelos círculos de inteligência dos EUA para fabricar e promover os agentes da mídia que servem suas campanhas de desestabilização contra a Venezuela, Cuba, Bolívia, México e Nicarágua. A título de exemplo, temos o caso de Agustín Antonetti, um argentino de 21 anos, promovido pela Rede Atlas em vários meios de comunicação regionais (Infobae, CNN Radio Argentina, o jornal pró-Fujimori Expreso, no Peru) e nomeado a personalidade do ano pela Fundación Libertad, ligada à Macri, que desempenhou um papel importante nas campanhas do Twitter contra o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, com a hashtag #AMLOVeteYa; contra o governo cubano com #SOSCuba e #15NCuba; antes e durante o golpe de Estado contra o ex-presidente boliviano Evo Morales com #EvoDictador) e o atual presidente Luis Arce #SOSBolivia.

Neste contexto, os EUA procuram reposicionar a narrativa da Venezuela como um Estado falido, e usando o tráfico de drogas colombiano como ponta de lança, para gerar um conflito multifacetado no eixo fronteiriço colombiano-venezuelano, justificando a presença da Otan com a vaga doutrina da Responsabilidade de Proteger (R2P).

La Jornada – Direitos Reservados
Tradução: Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Fazio

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei