Pesquisar
Pesquisar
Nicolás Maduro, durante coletiva de imprensa em 1º de junho (Foto: Nicolás Maduro / Facebook)

Venezuela registra menor inflação em 20 anos e economia pode crescer 8% em 2024

Maduro fez anúncio no último sábado (1º) e destacou que resultado venezuelano foi sustentado pelo trabalho e pela produção
Redação Resumen LatinoAmericano
Al Mayadeen Net
Caracas

Tradução:

Ana Corbisier

A economia venezuelana registrou em maio a menor inflação em 20 anos, o que, junto com o crescimento do Produto Interno Bruto, de 7%, obtido no primeiro trimestre de 2024, reflete a recuperação do aparato produtivo do país com base em capacidades próprias.

Assim foi anunciado pelo presidente da República, Nicolás Maduro, no último sábado (1), em Maracaibo, a capital do estado de Zulia, durante um ato com as estruturas de base do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) neste estado, onde disse também que no final do ano a Petróleos da Venezuela (PdVSA) deve ter capacidade para produzir 1,2 milhões de barris diários, assim como devem recuperar-se a produção de gás e a indústria petroquímica.

O primeiro mandatário reiterou sua confiança em que neste ano o país supere um crescimento de 8% da economia real, não sustentado na riqueza petroleira, e sim nos 18 motores de desenvolvimento, que são a base da nova estratégia econômica.  

Leia também | Alvo de sanções há anos, Venezuela se fortalece e confronta nova ofensiva dos EUA

Afirmou que “vamos avançando passo a passo, com um modelo próprio, sem hipotecar a soberania do país, sem baixar a cabeça para ninguém”.

Zulia como grande canteiro de votos

Maduro como presidente do PSUV visitou Zulia, onde foi recebido por uma multidão de adeptos, para ver e fazer uma promessa para a virgem de La Chiquinquirá e para reunir-se com as estruturas de base estatais e municipais do partido, a fim de afinar a máquina do partido e a estratégia político-eleitoral do 1×10 neste local.

O líder político reiterou a necessidade de derrotar a direita no país pois já o prejudicou muito com a reiterada solicitação de sanções e intervencionismo. Destacou a importância de fortalecer as bases e a estrutura do partido, assim como o 1×10 agora, perto das eleições presidenciais de 28 de julho, porque “em quem vota Zulia por aí vai a Venezuela”.

“Só uma Revolução como a nossa está preparada para valorizar a força regional de Zulia e enaltecer a identidade de seu povo, levando-o a sua máxima expressão”, afirmou.

Leia também | Venezuelanos vão às urnas para decidir onde e como aplicar orçamento público

A esse respeito, o primeiro vice-presidente do PSUV, Diosdado Cabello, lembrou que só os municípios de San Francisco e Maracaibo têm 1,3 milhões de votantes, o que é mais que a votação de 16 estados do país e mostra a importância de assegurar a vitória nesses dois municípios e em todo o estado de Zulia.

De casa em casa

Já Maduro instruiu: “temos que ir à profundidade do povo, casa por casa, para ter o maior movimento jamais visto neste lugar”. “Em primeiro lugar é preciso ter uma visão clara do trabalho (…) nós estamos construindo baseados na experiência do poder da força, organizando-nos melhor, estamos construindo a nova e poderosa máquina do 1×10 para ganhar as eleições de maneira ampla e segura”, afirmou.

Cabello, por sua vez, destacou a importância de ir diretamente às bases para conhecer em primeira mão as necessidades da população, corrigir os erros, razão pela qual as chapas do 1×10 devem ser muito bem auditadas; além de manter um permanente contato com cada um dos votantes destas chapas para assegurar a vitória em 28 de julho.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail: https://bit.ly/3yLEZ6g

O novo 1X10 deve incluir um novo votante, especialmente do setor da juventude, e um vizinho ou vizinha que, em processos eleitorais anteriores, não tenha votado em nenhuma opção da Revolução Bolivariana.

Fonte: Ciudad Caracas.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Resumen LatinoAmericano

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA