Pesquisar
Pesquisar

Zé Dirceu | Norte e Centro-Oeste podem garantir vitória de Lula já no 1º turno

Comunicação da campanha tem que estar atenta ao material de propaganda, ao programa eleitoral e à orientação por meio das redes sociais
José Dirceu
Diálogos do Sul Global
Brasília (DF)

Tradução:

Uma campanha eleitoral é um conjunto de ações e momentos políticos. Às vezes depende do acaso e do imprevisível, mas, em geral, parte de um momento histórico ou um ciclo, como o aberto pelo bolsonarismo –consequência direta do golpe parlamentar-jurídico de 2016 e da guerra jurídica e política da Lava Jato. Estes, fatores determinantes para a vitória de Jair Bolsonaro (PL).

A atual campanha está conformada pelo desastre econômico dos 6 anos de governos de direita, que começou com a “Ponte para o Futuro”, que criou as bases para as contrarreformas de Paulo Guedes.

Assista na TV Diálogos do Sul

Em disputa, temos a força do PT, sob a liderança de Lula (PT), que tem sua luz própria e apoio popular, e as forças de direita, inclusive a liberal-democrática que se aliou à extrema-direita bolsonarista no golpe de 2016 e na vitória de 2018.

Lula e o PT não são forças políticas e sociais transitórias ou momentâneas como também não o é o bolsonarismo. São expressão de contradições e conflitos de classe e interesses que têm marcado nosso Brasil nas últimas décadas. 

Cannabrava | Bolsonaristas abrem vantagem; Lula tem que rebolar para não perder de virada

Exemplo disso é que o PT, que parecia ter sido definitivamente derrotado durante a Lava Jato, disputou as eleições de 2018 com Lula preso e Fernando Haddad obteve 32 milhões de votos. Os 3 candidatos progressistas daquelas eleições presidenciais responderam por 42,5% dos votos no 1º turno, repetindo 1989 quando Lula, Brizola e Covas obtiveram 45%.

Depois de quase 4 anos de governo, houve um realinhamento de parte das forças políticas de direita que apoiaram Bolsonaro, expressando a mudança na base social de seus partidos. Há, de fato, uma oposição de direita a Bolsonaro, mas não à sua política econômica. Contudo, esses partidos pagam o preço moral por terem apoiado o impeachment, suportado a candidatura de Bolsonaro e mesmo o apoiado durante parte de seu governo.

O resultado é que as candidaturas de centro-direita da chamada 3ª via não decolaram. Simone Tebet, apoiada pelo MDB-PSDB-Cidadania, patina de 3% a 4% a um mês das eleições. Muito longe do que pretendiam o grande empresariado e as forças políticas e sociais que deram o golpe e hoje se opõem a Bolsonaro.

Portanto, não há uma alternativa de direita a Lula e tudo que representa: um programa de melhoria das condições de vida do povo, de distribuição de renda, de retomada das conquistas sociais da Constituição de 1988, de defesa firme dos princípios democráticos e da soberania do Brasil. E, certamente, a capacidade de derrotar Bolsonaro e seu autoritarismo, seu desgoverno, sua incompetência para governar.

Esquerdas no Brasil: o abandono da sociedade sem classes e da crítica ao capitalismo

Em 2018, quando Lula ainda aparecia nas pesquisas como candidato, antes de ser impedido pela Suprema Corte por pressão aberta das Forças Armadas, das elites empresariais e da mídia corporativa, ele tinha de 43% a 45% das intenções de voto e Bolsonaro, de 36% a 37%, muito próximos do que indicam as pesquisas da atual campanha eleitoral para a Presidência.

Logo, nada de conclusões apressadas sobre o atual embate eleitoral e político. Nada de avaliações que pretendem ser definitivas com base em só uma ou outra pesquisa, em debate eleitoral ou em uma iniciativa do governo.

Comunicação da campanha tem que estar atenta ao material de propaganda, ao programa eleitoral e à orientação por meio das redes sociais

Poder 360
Não vamos nos esquecer do ataque digital via redes e da mobilização das igrejas neopentecostais na última semana da eleição de 2018




O que importa

O que conta na eleição atual em 1º lugar são os fatos. Lula e o PT são realmente opção de governo, mais ainda com Geraldo Alckmin (PSB) de vice e o apoio de 9 partidos: PT, PSB, PV, Rede, Psol, PC do B, Solidariedade, Avante e Pros. Sem falar no apoio de grande parte do MDB, parte do PSDB e PSD, com uma força eleitoral que se expressa nas pesquisas.

Vencer ou não uma eleição, mais ainda no 1º turno, não é uma tarefa simples e não depende só do momento e da conjuntura. Depende sobretudo da campanha como um todo. Portanto, o foco deve ser na disputa política e eleitoral que ela representa, com a complexidade que ganhou com as redes e o bolsonarismo de raiz, conservador e religioso, sempre ameaçando a democracia, as urnas, o calendário eleitoral, a posse, apelando para as Forças Armadas e para a violência política.

Assista na TV Diálogos do Sul

Se é verdade que o Nordeste e o Sudeste, por serem maioria no eleitorado, podem decidir a eleição, também é verdade que Estados como o Maranhão, Pará, Amazonas podem dar vitória a Lula mesmo no 1º turno. Um empate no Centro-Oeste e Norte pode decidir a eleição.

Isso significa que é preciso cuidar da campanha nesses Estados e dos palanques, já que há uma tendência das forças políticas de centro-direita de não se comprometer abertamente com a candidatura de Bolsonaro. Fenômeno igual ocorre no Sul do país, onde não há mais a ampla vantagem de Bolsonaro.

Carta da CNBB ao povo brasileiro é crítica contundente ao golpismo do atual governo

Nada mais importante numa campanha, como a coligação que apoia Lula, que a militância e os ativistas, os eleitores que fazem campanha, defendam seu candidato. Assim como o estado de ânimo, o nível de informação e as condições para eles fazerem campanha também são de fundamental importância. A comunicação da campanha tem que estar atenta ao material de propaganda, ao programa eleitoral e à orientação por meio das redes sociais.

Não vamos nos esquecer do ataque digital via redes e da mobilização das igrejas neopentecostais na última semana da eleição de 2018, fora o derrame de dinheiro.

A importância das redes é fato desde 2008, quando Obama quase perdeu as eleições se não reagisse às fake news e ao domínio das redes pelo adversário. Depois disso, os mecanismos de uso das redes para fins eleitorais se sofisticaram, com campanhas direcionadas a perfis de eleitores e disseminação de notícias falsas patrocinadas. Tivemos o Brexit e a eleição de Trump em 2016.

Por aqui, continuamos, a maioria de nós, a fazer campanha eleitoral com os velhos parâmetros da comunicação eletrônica de massa, dormindo em berço esplêndido, até que os Carluxos da vida nos despertaram em 2018. O fator Janones na campanha atual de Lula diz tudo sobre a importância das redes.

Lula ultrapassa Bolsonaro no YouTube e TikTok

As pesquisas são uma fotografia do momento, de tendências, assim como os debates são importantes. Estes, no entanto, em minha opinião, não serão decisivos nessa campanha e nessa conjuntura. Há fatores estruturais e do momento político que indicam uma vitória de Lula seja no 1º ou no 2º turno.

O que realmente conta é a campanha e a mensagem do legado de nossos governos e de nossas propostas para o futuro, nossa capacidade de mobilização e as alianças políticas sejam partidárias ou sociais, a defesa intransigente da democracia e da superação do ódio e da violência, das ameaças à legalidade, o fim do negacionismo, do obscurantismo e da exploração da fé de nosso povo.

Temos que defender a agenda do povo, seus direitos sociais revogados ou ameaçados, o crescimento com distribuição de renda, a valorização do salário mínimo, a reforma tributária progressiva, a prioridade para a educação e a ciência e tecnologia, a reindustrialização do país, o fim da fome e do desmonte da rede de proteção social, o SUS (Sistema Único de Saúde), os interesses nacionais e a volta do Brasil à cena mundial liderando a luta em defesa do meio ambiente e retomando a integração sul americana.

José Dirceu | Ex-ministro e ex-deputado federal.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul




Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

José Dirceu

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964