Pesquisar
Pesquisar

A situação é de guerra: urge mobilizar toda a nação para enfrentar o inimigo comum

É urgente que haja um comando unificado e único, um Comando de Salvação Nacional, e o envolvimento de toda a nação para enfrentar o inimigo
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

O Brasil inteiro será Manaus amanhã, advertiu na semana passada o cientista Miguel Nicolelis. Bingo! Aconteceu. 

Para chegar a 200 mil mortos foram 10 meses; para aumentar de 200 a 250 mil, foram só 45 dias e de 250 para 256, apenas três dias. A média diária de óbitos é hoje a mais alta do mundo.

Parece que ninguém ouviu. A situação piorou. Em menos de uma semana passamos de 1000 mortes por dia para 1.860. Um recorde.

Leia também
Sem cordialidade no país do genocídio ou por que nosso povo se acostumou com a barbárie

Nessa velocidade, já na próxima semana chegaremos a dois mil mortos por dia e se nada for feito alcançaremos os Estados Unidos que, no auge da crise, teve três mil mortos diários.

Nicolelis volta a advertir, desta vez, mais preocupado do que nunca. Somos Stalingrado! A cidade russa que sofreu o mais mortal dos ataques das tropas nazistas. Cidade sitiada. Somos um país sitiado.

O nosso drama. O país sitiado por um inimigo invisível, de alto grau de letalidade, e ocupado militarmente pelas forças armadas. Um governo militar que tem que dizer qual o seu propósito, que será responsabilizado perante a história por crime de genocídio.

Situação de guerra exige estado-maior, planejamento e envolvimento de toda a população. É o que vimos reclamando desde meados do ano passado.

É urgente que haja um comando unificado e único, um Comando de Salvação Nacional, e o envolvimento de toda a nação para enfrentar o inimigo.

Todas as empresas, todas as instituições da sociedade civil, devem dirigir seus esforços e energia para enfrentar o inimigo comum.

A nação dessangra, o governo e os partidos estão discutindo e se organizando para a eleição de 2022.

Haverá país em 22?

Os partidos estão fora da realidade ao não mobilizar suas hostes para enfrentar o invasor invisível e as forças de ocupação, essas sim, visíveis até demais, legislando e usando o poder em causa própria.

Sem a vacinação em massa não sairemos desse buraco em que está a economia. Quem adverte é o economista liberal Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central. Será que ele consegue convencer a turma do Paulo Guedes que está no comando e diz que não há dinheiro, que é preciso reduzir e congelar os salários dos servidores públicos?

A mídia e o governo têm memória curta. Vale lembrar que em 1975, em plena ditadura militar, houve a campanha de vacinação contra a meningite. Foram vacinadas 80 milhões de pessoas em poucos meses. Em São Paulo, vacinaram 10 milhões em cinco dias. Todos os anos o Brasil é referência mundial em campanhas de vacinação. Então, não há justificativa que não a adoção de uma necropolítica.

É urgente que haja um comando unificado e único, um Comando de Salvação Nacional, e o envolvimento de toda a nação para enfrentar o inimigo

CUT
Fora Bolsonaro

Economia | Auxílio emergencial 

O governo determinou que seja de R $250 pagos apenas três parcelas do novo auxílio emergencial. Na quarta-feira (3), o Senado aprovou destinar R $44 bilhões para gastar este ano com a pandemia. Com isso, no lugar de três parcelas, serão quatro, entre R $150 e R $375, conforme a composição familiar, para 45 milhões de pessoas. A medida pode entrar em vigor na próxima semana.

Para conseguir aprovar o texto, teve que tirar do projeto de PEC a cláusula que desobrigava estados e municípios a investir de 12% a 15% em saúde e 25% em educação. Um pesadelo a menos. Principalmente os municípios já têm dificuldade para obedecer ao preceito constitucional, com a liberação seria o fim dos serviços de saúde e educação públicos.

O Bolsa Família, atualmente com valor médio de R $190, os novos valores não foram ainda definidos.

O programa alcançava 30 milhões. Em 2021 está programado para 13,9 milhões. Agora pagam R $41 para cada filho, podendo cada família cadastrar no máximo cinco crianças. Se houver adolescentes na família, pode receber R $89 de benefício limitado a dois filhos. E as famílias mais pobres recebem R $89. O máximo que uma família poderá receber é R $336.

Em 2020, o auxílio emergencial era de R $600 a R $1.200 por família, pagos a 68 milhões de pessoas e custou R $295 bilhões, mais os R $19 bilhões do Bolsa Família. Agora, querem liberar 70 bilhões, inclusive os 44 do auxílio emergencial. É nada.

Dinheiro tem

Temos quase R $5 trilhões na gaveta!

São R $1,289 trilhão na conta única do Tesouro Nacional, R $1,836 trilhão em reservas internacionais, R $1,393 trilhão de sobra de caixa dos bancos parados no Banco Central, rendendo juros somente aos bancos. E ainda temos 1,2 trilhão que no ano passado o governo cedeu aos bancos para garantir liquidez. Cadê esse dinheiro?

Além disso, tivemos superávit de mais de US$ 50 bi na balança comercial em 2020, com o dólar a R$ 5, são mais R$ 250 bilhõespotencial para arrecadar outros R$ 500 bilhões dos sonegadores e em tributos de ricos que não pagam e várias outras fontes de recursos, pois o Brasil é riquíssimo!

Além disso, emitir moeda não é pecado, todo o mundo faz.

Antigamente, a moeda tinha lastro em ouro. Os Estados Unidos acabaram com isso e passaram a impor sua moeda lastreada em 6 frotas navais. Mas em qualquer país, o que lastreia a moeda é o conjunto do que o país produz.

Veja, os EUA jogaram quase R $3 trilhões na economia e não houve inflação. Na crise dos bancos foi a mesma coisa: trilhões para não deixar os bancos quebrarem.

Lula propôs, com acerto, emitir R $500 bilhões para investir em infraestrutura. A situação, no entanto, é tão grave que exige pelo menos R $800 bilhões.

Nós sugerimos que deveríamos destinar um trilhão para dar um salário mínimo para R $100 milhões de pessoas por dez meses, ou seja, enquanto durar a pandemia e a crise econômica herdada.

Temos esse dinheiro? É o que o governo gasta por ano com juros e amortização da dívida: R$ 1,381 trilhão.

Por que não declarar moratória por um ano? É absolutamente legítimo em situação de guerra.

Esse dinheiro, seja 500, 800 bilhões ou um trilhão jogados na economia, geraria produto, riqueza, trabalho e renda de volta para a União na forma de tributos.

O que deve ser feito

Primeira coisa: constituição de um Estado-Maior conjunto, envolvendo setores da sociedade civil e da administração pública para planejar e executar o Plano de Emergência para enfrentar o inimigo.

Também precisamos de uma campanha envolvendo todos os meios de comunicação para esclarecer a população sobre a gravidade da pandemia e ter a adesão para as medidas de contingência a serem tomadas.

Como seria o fechamento exigido pela gravidade da situação no Brasil?

Fomos verificar o que está sendo feito na Itália, onde a situação começou bem grave, mas se acalmou.

Mobilidade — estão proibidas as viagens intra-regionais. Veja: no Brasil, uma variante do vírus foi detectada no Amazonas, outra na Inglaterra e já estão espalhadas por todo o Brasil. Proíbe-se, portanto, viagens como, por exemplo, ir do Rio Grande do Sul para São Paulo ou de Brasília para Belém.

Viagens – Os Aeroportos, lá, estão fechados para passageiros do Brasil, dos Estados Unidos e da Inglaterra. Aqui estão abertos para o mundo. Dos viajantes, são exigidos testes que tenham sido feitos 48 horas antes com resultado negativo, além de 14 dias de resguardo para quem chega.

Bares e Restaurantes – na Itália é permitido servir comida até às 18 horas, em mesas de quatro pessoas se forem da mesma família. Depois das 18, é proibida a venda de comida e bebida, livre só para entrega em casa até as 22 horas.

Centro Comercial – só abrem para quem vende gêneros alimentícios, produtos agrícolas ou comida.

Visitas – visita a familiares só em dupla das 5 às 22 horas. Veraneio – Ida para uma segunda casa só permitido para o núcleo familiar. Vedado para amigos e parentes.

Esportes – Academias, clubes, termas, piscinas e parques aquáticos estão todos fechados. Permitida a prática de atividade física ao ar livre, desde que com o devido distanciamento e proteção.

O que se conclui é que vacinar é uma medida econômica: o óbvio.

Só com toda a população vacinada pode se restabelecer plenamente todas as atividades econômicas.

Aqui temos o absurdo de que algumas escolas estão funcionando sem que todos os professores e funcionários tenham sido vacinados. Só depois de todos os professores vacinados, assim mesmo respeitando distanciamento e resguardo, é que se poderia retornar às aulas presenciais.

Ruim pros meninos e meninas? Pior sem eles. Com eles vivos a gente trata de recuperar o tempo perdido mais adiante.

Paulo Cannabrava Filho, jornalista e editor da Diálogos do Sul


Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização