Cúpula militar reafirma apoio a Maduro e acusa Guaidó de tentativa de golpe

"Alerto o povo da Venezuela que está acontecendo uma tentativa de golpe de Estado contra a institucionalidade", diz Vladimir Padrino

Redação Portal Vermelho

Caracas (Venezuela)

Portal Vermelho Portal VermelhoTodos os posts do autor

O ministro da Defesa da Venezuela, o general Vladimir Padrino, voltou a afirmar nesta quinta-feira, 24, que a autoproclamação do líder parlamentar oposicionista Juan Guaidó como presidente interino é uma tentativa de "golpe de Estado" em marcha.

"Aqueles que favorecem essa figura de um governo paralelo de fato são muito perigosos. Nós, homens e mulheres uniformizados, seríamos indignos de usar nosso uniforme, caso não nos dispuséssemos a defender nossa Constituição e nossa soberania ", disse ele em um comunicado exibido pela televisão e no qual estava acompanhado pelo alto comando das Forças Armadas da Venezuela.

"Alerto o povo da Venezuela que está acontecendo uma tentativa de golpe de Estado contra a institucionalidade, contra a democracia, contra a nossa Constituição, contra o presidente Nicolás Maduro, presidente legítimo", assegurou o ministro.

Portal Vermelho
O Ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino

Padrino denunciou que a oposição e os Estados Unidos haviam empreendido um plano para destituir o sucessor de Hugo Chávez. "Há muito tempo vem se preparando um golpe vulgar (...), e ontem veio em níveis altamente perigosos."

Padrino advertiu que a autoproclamação de Guaidó é "altamente perigosa" e apelou ao diálogo para resolver o conflito político. "É extremamente perigoso o que aconteceu em 23 de janeiro (...) Ontem nós vimos um evento repreensível: um homem se auto-proclamando presidente, esse é um assunto muito sério", disse ele. Segundo o ministro da Defesa, a oposição violou a Constituição do país. "Estamos aqui para evitar uma guerra entre venezuelanos ... A sustentabilidade jurídica usada para jurar em um governo de fato não tem destino feliz", acrescentou.

Ontem, Padrino deu apoio a Maduro por meio do Twitter. "O desespero e a intolerância atentam contra a paz da nação. Os soldados da pátria não aceitam um presidente imposto pela sombra de interesses escusos e autoproclamado à margem da lei", disse.

Após a autoproclamação de Guaidó, Maduro rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos. O presidente também pediu que a Justiça tome medidas contra Guaidó. "Cabe aos órgãos responsáveis atuar como diz a lei, já que esse é um tema de Justiça para preservar o Estado e a ordem democrática", disse Maduro diante de simpatizantes no Palácio de Miraflores. 

Não deixe de assistir o programa especial da Tv Diálogos do Sul sobre a tentativa de golpe na Venezuela:

Recomendadas para você

Comentários