Pesquisar
Pesquisar

Capitalismo verde é fantasia; para evitar a catástrofe global, é preciso mudar o sistema

É urgente compreender que o capitalismo não pode resolver a crise climática, uma vez que ele é a principal causa da crise
Vijay Prashad
Brasil de Fato

Tradução:

Queridos amigos e amigas,

Saudações do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social.

Em novembro de 2022, a maioria dos Estados membros da Organização das Nações Unidas (ONU) se reunirá na cidade turística egípcia de Sharm El Sheikh para a Conferência anual sobre Mudanças Climáticas da ONU. Esta é a 27ª conferência das partes para avaliar a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, comumente referida como COP.

Assista na TV Diálogos do Sul

O tratado ambiental internacional foi estabelecido no Rio de Janeiro em 1992, e a primeira conferência realizada em Berlim em 1995; os acordos foram estendidos no Protocolo de Kyoto de 2005 e complementados pelo Acordo de Paris de 2015. Muito já foi dito sobre a catástrofe climática, que traz a ameaça da extinção em massa de espécies. O abandono do combustível à base de carbono foi paralisado por três principais entraves:

  1. Forças de direita que negam a existência de mudanças climáticas.

  2. Setores da indústria energética que têm interesse na perpetuação do combustível à base de carbono.

  3. A recusa dos países ocidentais em admitir que continuam sendo os principais responsáveis pelo problema e a se comprometerem a pagar sua dívida climática financiando a transição energética nos países em desenvolvimento, cuja riqueza eles continuam a desviar.

Em debates públicos sobre a catástrofe climática, quase não há referência à Cúpula da Terra do Rio de 1992 e ao tratado que pontuou que “a natureza global das mudanças climáticas exige a cooperação mais ampla possível de todos os países e sua participação em uma resposta internacional eficaz e apropriada, de acordo com suas responsabilidades comuns, mas diferenciadas, suas respectivas capacidades e suas condições sociais e econômicas”.

ONU produz eventos sobre o clima, mas deixa que acordo entre países caia no esquecimento

A frase “responsabilidades comuns, mas diferenciadas” é um reconhecimento do fato de que, embora o problema da mudança climática seja comum a todos os países e nenhum esteja imune ao seu impacto deletério, a responsabilidade dos países não é idêntica. Alguns países – que se beneficiaram do colonialismo e do combustível de carbono por séculos – têm uma responsabilidade maior pela transição para um sistema de energia descarbonizado.

Os estudos sobre o assunto são claros: os países ocidentais se beneficiaram excessivamente do colonialismo e do combustível de carbono para atingir seu nível de desenvolvimento. Os dados do Global Carbon Project, liderado pelo agora extinto Centro de Análise de Informações de Dióxido de Carbono do Departamento de Energia dos EUA, mostram que os EUA têm sido de longe o maior produtor de emissões de dióxido de carbono desde 1750. Sozinhos emitiram mais CO2 que toda a União Europeia, duas vezes mais que a China e oito vezes mais que a Índia.

Os principais emissores de carbono são potências coloniais, nomeadamente os EUA, a Europa, o Canadá e a Austrália, que, apesar de consistirem em cerca de um décimo da população global, respondem juntos por mais da metade das emissões globais cumulativas. A partir do século 18, esses países não apenas dispensaram a maior parte do carbono na atmosfera, mas continuam a exceder sua parcela no orçamento global de carbono.

É urgente compreender que o capitalismo não pode resolver a crise climática, uma vez que ele é a principal causa da crise

Tricontinental
Conceito de “economia verde” não era tornar a economia mais ecológica, mas usar a ideia de ambientalismo para revitalizar o capitalismo

O capitalismo movido a carbono, enriquecido pela riqueza roubada pelo colonialismo, permitiu que os países da Europa e da América do Norte aumentassem o bem-estar de suas populações e atingissem seu nível relativamente avançado de desenvolvimento. As desigualdades extremas entre o padrão médio de vida na Europa (748 milhões de pessoas) e na Índia (1,4 bilhão de pessoas) é sete vezes maior do que era há um século.

Apesar da dependência do carbono, particularmente do carvão, por parte da China, Índia e outros países em desenvolvimento ter aumentado a um nível alto, suas emissões per capita continuam muito abaixo das dos Estados Unidos, cujas emissões per capita são quase o dobro das da China e oito vezes mais do que as da Índia. A falta de reconhecimento do imperialismo climático leva ao fracasso em fornecer recursos adequados ao Fundo Verde para o Clima, criado em 2010 na COP 16 com o objetivo de ajudar os países em desenvolvimento a superar o desenvolvimento social baseado em carbono.

Cop 26: Jovens e indígenas expressam “mal-estar” com gestão mundial do clima

No nível global, os debates sobre como lidar com a crise climática frequentemente giram em torno de várias formas de um Green New Deal (GND), como o Acordo Verde Europeu, o GND da América do Norte e o GND Global, que são promovidos por Estados-nação, organizações internacionais e diferentes setores de movimentos ambientais.

Para entender e fortalecer melhor essa discussão, o escritório do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social em Buenos Aires, Argentina, reuniu os principais estudiosos ecossocialistas para refletir sobre os diferentes GNDs e as possibilidades de realizar uma transformação genuína para evitar a catástrofe climática. Essa discussão — com José Seoane (Argentina), Thea Riofrancos (Estados Unidos) e Sabrina Fernandes (Brasil) — já está disponível no caderno n. 3 (agosto de 2022), A crise socioambiental em tempos de pandemia: Discutindo um Green New Deal.

Esses três estudiosos argumentam que o capitalismo não pode resolver a crise climática, uma vez que ele é a principal causa da crise. Cem das maiores corporações do mundo são responsáveis por 71% dos gases de efeito estufa industriais globais (principalmente dióxido de carbono e metano); essas corporações, lideradas pela indústria de energia de carbono, não estão preparadas para acelerar o transição energética, apesar de sua capacidade tecnológica de gerar dezoito vezes a demanda global de eletricidade apenas pela energia eólica. 

A sustentabilidade, uma palavra que foi esvaziada de seu conteúdo em muitos discursos públicos, não é lucrativa para essas corporações. Um projeto social de energia renovável, por exemplo, não produziria grandes lucros para as empresas de combustíveis fósseis. O interesse de certas empresas capitalistas no GND é substancialmente motivado por seu desejo de garantir fundos públicos para engendrar novos monopólios privados para a mesma classe capitalista que possui as grandes corporações que poluem o mundo.

Lei Europeia do clima: União Europeia firma acordo sobre neutralidade climática em 2050

Mas, como explica Riofrancos no caderno: “o ‘capitalismo verde’ visa mitigar os sintomas do capitalismo – aquecimento global, extinção em massa de espécies, destruição de ecossistemas – sem transformar o modelo de acumulação e consumo que causou a crise climática. É uma ‘tecno-solução’, a fantasia de mudar tudo sem mudar nada”.

Gonzalo Ribero (Bolívia), Ancestral, 2016. 

A discussão dominante do GND emerge, como Seoane aponta, de iniciativas como o relatório Pearce de 1989, Blueprint for a Green Economy, que foi preparado para o governo do Reino Unido e propôs o uso de fundos públicos para produzir novas tecnologias para empresas privadas, enquanto uma solução para as crises em cascata nas economias ocidentais.

O conceito de “economia verde” não era tornar a economia mais ecológica, mas usar a ideia de ambientalismo para revitalizar o capitalismo. Em 2009, durante a crise financeira mundial, Edward Barbier, co-autor do Relatório Pearce, escreveu um novo relatório para o Programa Ambiental da ONU intitulado, Global Green New Deal, que reformulou as ideias de “economia verde” como o “novo acordo verde”. Esse novo relatório mais uma vez defendeu uso de fundos públicos para estabilizar a turbulência no sistema capitalista.

Nosso caderno emerge de uma genealogia diferente, que está enraizada na Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra (2010) e na Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e Defesa da Vida (2015), ambos realizados em Tiquipaya, Bolívia, e depois desenvolvidos em encontros como o Fórum Mundial Alternativo da Água (2018), a Cúpula dos Povos (2017) e o Fórum da Natureza do Povo (2020).

No centro dessa abordagem, que surgiu das lutas populares na América Latina, estão os conceitos de buen vivir e teko porã (‘viver bem’). Em vez de simplesmente salvar o capitalismo, que é a preocupação do argumento do GND, o objetivo do nosso caderno é pensar em mudar a maneira como organizamos a sociedade; em outras palavras, avançar nosso pensamento sobre a construção de um novo sistema.

Construir essas ideias, escreve Fernandes, deve envolver os sindicatos (muitos dos quais estão preocupados com a perda de empregos na transição do carbono para as renováveis) e os sindicatos rurais (afetados pela concentração de terra que destrói a natureza e cria desigualdade social).

Klay Kassem (Egito), O casamento da sereia, 2021. 

Devemos mudar o sistema, como defende Fernandes, “mas as condições políticas hoje não são propícias a isso. A direita é forte em muitos países, assim como o negacionismo climático”. Portanto, rapidamente, os movimentos populares devem colocar uma agenda de descarbonização em cima da mesa. Quatro objetivos estão diante de nós:

  1. Decrescimento para os países ocidentais. Com menos de 5% da população mundial, os Estados Unidos consomem um terço do papel mundial, um quarto do petróleo e do alumínio e quase um quarto do carvão. O Sierra Club diz que o consumo per capita dos EUA “de energia, metais, minerais, produtos florestais, peixes, grãos, carne e até água doce supera o das pessoas que vivem no mundo em desenvolvimento”. Os países ocidentais precisam reduzir seu consumo geral, reduzindo, como observa Jason Hickel, o “desnecessário e destrutivo” (como as indústrias de combustíveis fósseis e armas, a produção de casas pré-montadas e jatos particulares, a produção industrial de carne bovina e toda a filosofia empresarial da obsolescência programada).

  2. Socializar o setor chave da geração de energia. Acabar com os subsídios à indústria de combustíveis fósseis e construir um setor público de energia enraizado em um sistema descarbonizado.

  3. Financiar a Agenda Global de Ação do Clima. Garantir que os países ocidentais cumpram suas responsabilidades históricas no apoio ao Fundo Verde para o Clima, que será usado para financiar a transição justa no Sul Global em particular.

  4. Melhorar o setor público Construir mais infraestrutura para consumo social, como mais ônibus ferroviários e elétricos de alta velocidade, para diminuir o uso de carros particulares. Os países do Sul Global terão que construir suas próprias economias, inclusive explorando seus recursos. A questão aqui não é se explora esses recursos, mas se eles podem ser extraídos para o desenvolvimento social e nacional e não apenas para a acumulação de capital. Buen vivir – viver bem – significa transcender a fome e a pobreza, o analfabetismo e os problemas de saúde, que serão desenvolvidos pelo setor público.

Nenhuma política climática pode ser universal. Aqueles que devoram os recursos do mundo devem reduzir seu consumo. Dois bilhões de pessoas não têm acesso à água potável, enquanto metade da população mundial não tem acesso a cuidados de saúde adequados. O desenvolvimento social deve ser garantido, mas esse desenvolvimento deve ser construído sobre uma base socialista sustentável.

Cordialmente,
Vijay.

Vijay Prashad é historiador e jornalista indiano, diretor-geral do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social.
Edição: Vivian Virissimo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Vijay Prashad

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Panamá-refugiados-climaticos
Governo do Panamá desloca refugiados climáticos, mas novas moradias ignoram tradições indígenas
Incendio_forestal_en_Puente_Sampayo
2024 pode superar 2023 em número de incêndios florestais no México
nordeste-seca-Fernando-Frazao
"Grande Seca": a tragédia climática que matou 500 mil pessoas no Nordeste entre 1877 e 1879