Pesquisar
Pesquisar

Grandes transformações no Brasil foram e são fruto da postura revolucionária de mulheres

Elas lutam pela libertação dos subalternizados, pela consciência de classes dos setores oprimidos e contra a exploração de minorias
Claúdio di Mauro
Diálogos do Sul Global
Uberlândia (MG)

Tradução:

Nesta semana, no dia 08 de março comemoramos e homenageamos as mulheres no seu dia Internacional.

Em verdade, para parabenizar as mulheres e agradecer a elas pelas lutas que travam no dia a dia, temos obrigação de respeitá-las e homenageá-las todos os dias. Temos que conhecer a história de libertação protagonizada e liderada por muitas mulheres.

Verdadeira a mensagem que diz: metade dos habitantes do Brasil são mulheres, os restantes são seus filhos. Trata-se da afirmação que mostra a importância desses seres que povoam os nossos dias, ainda que sacrificadas como seres humanos, como mães, esposas e filhas.

É triste reconhecer que o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres por assassinatos, no mundo. A cada 6 horas e meia, uma mulher é morta neste país tido como “pacífico”. O trágico crime cometido contra as mulheres, recentemente teve seu destaque na tragédia contra Marielle Franco. Até agora indagamos, QUEM É O MANDANTE? Quem mandou matar Marielle e também matou Anderson? 

O revoltante é que nesta sociedade patriarcal, machista, a violência contra mulheres ultrapassa os limites da morte, muitas vezes se transforma em estupros. O estupro contra mulheres e crianças tem aumentado cotidianamente. Inclusive, como dito, contra pessoal vulneráveis.

“Paz, pão e terra”: mulheres operárias foram decisivas na Revolução de Fevereiro, na Rússia

Triste realidade de um País que possui presidente da república e deputados eleitos com votos sustentados nesse discurso homofóbico, machista que leva ao feminicídio. Há registros de que o Brasil é o segundo país no Planeta Terra que mais abusa de crianças.

Engana-se quem pensa que as lutas das mulheres se iniciaram em um incêndio de fábrica têxtil de Nova Iorque. Há muito sangue feminino, antes dessa história que tem suas verdades.

No caso Brasileiro temos a Bahia como um celeiro das lutas pela libertação feminina. Começando com a Indígena Paraguaçu, considerada a mãe das mães brasileiras. Ou com Chica da Silva, escravizada que em Minas Gerais exerceu importante liderança no então chamado arraial de Tijuco, que posteriormente recebeu o nome da Diamantina. Com Maria Quitéria que lutou destemidamente na guerra. Maria Quitéria foi a primeira mulher a se engajar no Exército Brasileiro para lutar pela independência contra Portugal em 1822.

Assista na TV Diálogos do Sul

No sul do Brasil, nas batalhas da Revolução Farroupilha e Curitibanas tivemos a presença marcante da “Heroína de dois Mundos”, Anita Garibaldi que também lutou na Itália.

São mulheres protagonistas na história da gradativa libertação do Brasil e das mulheres.

Mas, as lutas das mulheres não se reduziram ao passado distante. Mais recentemente, as mulheres são protagonistas da resistência às ditaduras.

Mulheres lideraram movimentos nas ruas e nas manifestações artísticas pela anistia dos presos políticos e pelo final da ditadura iniciada em 1964.

Revolucionando costumes, enfrentamento canhões e baionetas dos militares, mulheres defenderam as liberdades individuais e coletivas.

Sempre se confirma que as grandes transformações no Brasil passaram obrigatoriamente pela postura revolucionária de mulheres.

Elas lutam pela libertação dos subalternizados, pela consciência de classes dos setores oprimidos e contra a exploração de minorias

Mídia NINJA – Flickr

Até hoje indagamos, quem mandou matar Marielle e por quê?

Todas essas lutas das mulheres não se reduzem às posturas identitárias. Mais do que isso, fazem parte da luta pela libertação dos subalternizados e das subalternizadas. É a luta pela consciência de classes dos setores oprimidos pelo sistema fundamentado na exploração de minorias, que geralmente são constituídas de maiorias.

Acabar com o machismo patriarcal deve ser uma das importantes metas a serem alcançadas na luta do dia a dia de todos os seres humanos.

É indispensável se reconhecer que as mulheres são imensamente sacrificadas com muitas horas a mais de trabalho diário do que os homens e com salários geralmente mais rebaixados.

Fazemos vozes com Rosa de Luxemburgo ao argumentar em favor de um Mundo no qual as pessoas “…sejam socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres…”.

Por todos esses motivos deve-se ter nesta semana e no dia 08 de março de todos os anos, a compreensão de que a homenagem para as mulheres deve estar calcada na compreensão de que suas lutas são políticas.

Assim é que a data de 08 de março deve se constituir em mais um dia de manifestações e lutas políticas em favor da transformação social, compreendida como parte da luta de classes.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Claúdio di Mauro

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)