Pesquisar
Pesquisar

Rússia vai reforçar ajuda humanitária à população ucraniana, declara chanceler à ONU

Ações para fortalecer a cooperação nesta área foram analisadas nesta terça-feira, informou o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Moscou

Tradução:

O chanceler russo, Sergei Lavrov, reiterou hoje em Moscou a disposição de seu país em cooperar com a Organização das Nações Unidas (ONU) na assistência aos civis na Ucrânia.

Em entrevista coletiva conjunta com o secretário-geral da ONU, António Guterres, o chefe da diplomacia russa assegurou o interesse de Moscou em apoiar ainda mais a organização internacional e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha em esforços adicionais para aliviar o sofrimento e a situação da população civil na Ucrânia.

Explicou que após os contatos entre Guterres e o Ministério da Defesa russo, foi formado um grupo de trabalho com sede em Moscou, no qual os representantes da ONU concordam em questões específicas que permitem organizar a entrega de ajuda humanitária à Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia ressaltou que possíveis ações para fortalecer a cooperação nesta área foram analisadas durante as conversas de terça-feira.

Leia também:
Ao punir Rússia sem provas, ONU reafirma atuação como braço do imperialismo dos EUA

Salientou ainda que o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU já conseguiu enviar cinco comboios de ajuda às regiões ucranianas, além dos fornecidos diariamente pelos Ministérios da Defesa e Situações de Emergência da Rússia, bem como por várias organizações não governamentais deste país.

Ações para fortalecer a cooperação nesta área foram analisadas nesta terça-feira, informou o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov

Kremlin
Ataques não são direcionados à população ou cidades ucranianas, mas contra a infraestrutura militar do país, reitera Moscou

Rússia iniciou uma operação militar na Ucrânia em 24 de fevereiro, depois que as autoridades das autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk solicitaram ajuda para repelir o aumento da agressão e os intensos bombardeios de Kiev.

Anteriormente, Moscou reconheceu a independência e soberania de ambos os territórios e assinou tratados de amizade, cooperação e assistência mútua com seus líderes, que incluíam o estabelecimento de relações diplomáticas e ajuda militar.

Em seu discurso para informar sobre o início da operação, o presidente russo Vladimir Putin afirmou que o objetivo é proteger a população de Donbass dos abusos e genocídio de Kiev durante os últimos oito anos, além de “desmilitarizar” e “desnazificar” a Ucrânia.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, os ataques não são direcionados à população ou cidades ucranianas, mas contra a infraestrutura militar do país.

Leia também:
Viagem de regresso: EUA se agarram ao mito de Rússia vilã contra o “mundo livre”

Em 29 de março, o ministério militar considerou cumpridas as prioridades da primeira fase da operação, reduzindo as capacidades de guerra da Ucrânia, e garantiu que a segunda fase se concentrará na “libertação total do Donbass” das forças de Kiev.

Redação Prensa Latina



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 




As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Serguei-Lavrov
O Brics e a maioria global estão dispostos a dialogar com o Ocidente, afirma Lavrov
Armenia_Otan_UE_Rússia
UE e Otan seduzem Armênia exclusivamente de olho em recursos, alerta Rússia
01c91d77-420a-4c95-a57a-54b9ef4c5f24
Armênia-Azerbaijão: fim de Nagorno-Karabakh não é solução para tensões no Sul do Cáucaso
51576a7e-8747-4410-9309-85428dfe90f6
Em 4 pontos, entenda por que nova declaração da OTAN é uma ameaça direta à humanidade