Pesquisar
Pesquisar

Vladimir Putin admite reforma constitucional para permitir disputa de novo mandato

Ainda faltam quatro anos e há tempo para resolver de que maneira será modificada a Constituição Russa para que o titular do Kremlin se mantenha no poder
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

O titular do Kremlin, Vladimir Putin, considera que é possível aprovar emendas à Constituição Russa, salvo ao intocável artigo 1 – que se refere aos fundamentos do regime do Estado -, e como exemplo apontou a possibilidade de suprimir a palavra “consecutivos” do enunciado que estabelece que não se pode ser Presidente por mais de “dois períodos” consecutivos.


Caso não se modifique a norma constitucional que estabelece tal restrição, Putin sequer poderia repetir o estratagema que lhe permitiu, em 2008, firmar novamente um acordo com seu fiel subordinado e atual primeiro-ministro, Dimitri Medvedev, para manter em suas mãos as rédeas do poder, sem violar a Constituição, retornar triunfante ao Kremlin.

Ao mesmo tempo, isso não quer dizer que Putin já tenha decidido retirar-se da política em 2024, no fim de seu segundo mandato “consecutivo”, na realidade quarto, depois de trocar cargos com Medvedev.

Leia também

Oposição amplia representação nas urnas em Moscou, mas Putin mantém hegemonia

É provável – segundo os observadores que acompanham de perto o debate que se desenvolve no interior do Kremlin sobre a única coisa que preocupa a elite governante: a melhor forma de assegurar que Putin continue à frente do país e assim não perder seus privilégios –, que o próprio líder, ao reconhecer que seria razoável suprimir o limite de mandatos consecutivos e que só se pode ser presidente duas vezes, prefira incluir na Carta Magna outras opções para continuar mandando.

Ainda faltam quatro anos e há tempo para resolver de que maneira será modificada a Constituição Russa para que o titular do Kremlin se mantenha no poder

Agência Brasil
O titular do Kremlin, Vladimir Putin

Alternativas

Ainda faltam quatro anos e há tempo para resolver de que maneira será modificada a Constituição. A discussão está centrada nas três opções que parecem mais óbvias: a primeira, dar por morto o atual presidencialismo e dotar a Rússia de um sistema parlamentar, onde a maioria dos deputados nomeie quantas vezes queira o chefe do Executivo, chame-se primeiro-ministro ou como se preferir.

A segunda seria criar um novo cargo na medida de Putin como, para chamá-lo de alguma maneira, presidente do Conselho de Estado com poderes ampliados e, uma terceira possibilidade, presidente do Estado unificado de Rússia e Bielorrússia, ainda faltando negociar os detalhes com Aleksandr Lukashenko, o mandatário bielorrusso, que resiste a assumir um papel secundário.

Cogitam-se mais variáveis e nem se descarta um novo “enroque” com Medvedev, se for o que decidir a maioria qualificada de dois terços dos deputados da Duma e a totalidade dos senadores designados pelo Kremlin ao repudiar a eventualidade de fazer emendas constitucionais.

Leia também

A Rússia entre a Europa e a Ásia: Ilusões ou Realidade?

Que haja Putin para muito tempo depois de 2024 é a mensagem que quis mandar o presidente da Rússia nesta quinta-feira (19), na conferência de imprensa anual com a qual, de maneira simbólica, costuma baixar a cortina antes de iniciar o recesso de fim de ano.

Defesa de Trump

Mas antes não quis perder a ocasião de defender seu colega estadunidense ao eliminar credibilidade ao procedimento de destituição política lançado pelos democratas contra Donald Trump.

Sobre o tema

Ex-assessora de Trump acusa republicanos de promoverem propaganda russa ao defendê-lo

“(Os democratas) perderam as últimas eleições e agora querem ganhar por outra via. Depois de acusar Trump de conspirar com a Rússia, acontece que não houve colusión e, portanto, não resolvia para começar um julgamento político. Então, inventaram a questão da Ucrânia”, disse Putin.

*Juan Pablo Duch é correspondente de La Jornada em Moscou

**La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

***Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso