Pesquisar
Pesquisar
Foto: State of Palestine / X

É dever exigir armas e recursos à resistência palestina, até que o genocídio pare!

O que quase toda a esquerda eurocêntrica apoiou com a Ucrânia, enviando ajuda militar, é o que precisam fazer com os palestinos e os seus aliados regionais
Daniel Lobato Bellido
El Salto
Madri

Tradução:

Carolina Ferreira

O que se propõe aqui não é um pedido de desculpas gratuito pela guerra, nem um desprezo pelas vidas palestinas impulsionadas por um belicismo febril. Não é uma fetichização da resistência ou do sangue derramado. A chave não é, uma vez que os palestinos não podem derrotar Israel militarmente, tratar exclusivamente de exigir um cessar-fogo. Esta não é a questão.

Os vietnamitas também não derrotaram militarmente os EUA e também foi exigido o fim do massacre norte-americano, mas enquanto a agressão continuasse, havia uma obrigação ética e política de apoiar as forças de libertação vietnamitas. O mesmo caso foi aplicável à resistência da Argélia, Angola ou Quênia contra os opressores coloniais França, Portugal ou Reino Unido.

Leia também | “É hora de o mundo perceber a magnitude do terrorismo e do ódio sionista de Israel”

Portanto, o nosso dever é exigir o fim do genocídio, da opressão sistêmica, da limpeza étnica e do próprio regime colonial israelense, mas até que isso ocorra, é também nossa obrigação exigir apoio material e econômico às forças de resistência, aos palestinos e aos seus aliados.

Falhas em fornecer ajuda à resistência Palestina

Hoje, no máximo, o direito do povo palestino à resistência, por todos os meios, incluindo a resistência armada, exprime-se de forma mais ou menos gaguejante. Isto não é muito transgressor ou extremista, pois, na verdade, é algo que a própria legalidade internacional reconhece (Resolução 307 da ONU e outras disposições).

É triste parecer muito ousado brandir uma declaração contundente da ONU, mas, em qualquer caso, a ousadia para aí e outras coisas mais importantes são omitidas. Ele esquece o que diz no parágrafo seguinte, no qual exorta os povos do mundo a fornecerem material e todo o tipo de apoio às forças de resistência palestinas para ajudá-las no seu direito inalienável à libertação nacional.

Leia também | Urbicídio: como vigilância, muros e leis sionistas devastam a vida palestina

O que quase toda a esquerda eurocêntrica apoiou com a Ucrânia, enviando ajuda militar, é o que deveriam estar a fazer com os palestinos e os seus aliados regionais, mas não lhes parece passar pela cabeça levantar essa questão. Num evento da esquerda espanhola, uma mulher palestina defende o direito à resistência armada Palestina e os líderes de seu partido ali presentes hesitam nos aplausos, talvez tenham medo quando os ouvem.

Em outros partidos de esquerda, o que encontramos é um radicalismo passivo, oportunista, enjoativo ou hipócrita. Os partidos do governo espanhol estão aí instalados. Eles combinam gritos de “Palestina Livre!” com o apoio à doutrina colonial dos “dois estados”. Mantêm simultaneamente relações plenas e comércio de armas com Israel, validando apenas as vozes palestinas que clamam exclusivamente pelos direitos humanos ou aquelas que representam o Regime de Vichy, chamada Autoridade Palestina. Confrontados com a legalidade internacional e o seu apelo ao apoio à resistência, encontramos diretrizes da UE que criminalizam e perseguem aqueles que apoiam materialmente as forças palestinas.

Leia também | EUA: suficientemente sem vergonha pra chamar reação palestina de “não provocada”

Em geral, a esquerda ocidental silenciou os atuais sujeitos políticos da resistência. Por que o gueto de Gaza foi levantado em 7 de outubro? Porque “são terroristas”, até os partidos comunistas europeus nos explicaram. Apenas alguns grupos pró-palestinos permitiram que os protagonistas se expressassem. Há pouco mais de 40 anos, os grandes sindicatos e partidos de esquerda espanhóis realizaram campanhas de arrecadação de fundos para as guerrilhas sandinistas. Há mais de 50 anos, grandes partidos de esquerda europeus recolheram e enviaram fundos para as guerrilhas vietnamitas. Voltando ainda mais no tempo, durante os anos de resistência em Espanha à agressão do fascismo e do nazismo, a Palestina enviou combatentes para defender a República Espanhola contra as tropas de Franco.

Hoje, pelo contrário, durante a agressão do fascismo israelita à Palestina, o governo espanhol que se afirma herdeiro dessa República Espanhola envia armas e mantém apoio de todo o tipo a Israel. Quanto mais silenciou o seu apoio material à resistência palestina, mais a esquerda facilitou e reforçou a criminalização pelas instituições ocidentais contra este direito natural dos palestinos. Confrontados com a legalidade internacional e o seu apelo ao apoio à resistência, consideramos que as diretrizes da UE são contrárias a essa legalidade, criminalizando e perseguindo aqueles que apoiam materialmente as forças palestinas. Claro que nos EUA é ainda pior.

O Sul global também reproduz um discurso colonial

O grave problema é que esta omissão de ajuda não vem apenas da esquerda ocidental.

No dia 3 de março, em Havana, foi realizado um dia de solidariedade à Palestina e contra o genocídio, com grande participação, com o presidente cubano Miguel Díaz-Canel e grande representação política. Do pódio foi feita uma descrição precisa e vibrante do genocídio, mas finalmente a exigência foi “cessar-fogo, retirada de Israel dos territórios ocupados ilegalmente e acesso à ajuda humanitária”. Não foi acompanhado por nada mais, nem nada menos.

O primeiro e o terceiro pedidos enquadram-se no campo estritamente humanitário, e o segundo pedido expressa a subordinação cubana ao reconhecimento do Estado israelita e à fraude dos “dois Estados”. A partir de Havana, exigia-se a Israel que retirasse as suas tropas, colonos, cidades e infraestruturas dos guetos de Gaza e da Cisjordânia. Nenhuma abordagem de descolonização para todo o território palestino, nenhum questionamento da existência do artefato israelense e nenhuma proclamação ao mundo convidando o envio de ajuda militar ou econômica à resistência palestina.

Leia também | Com visita a Israel, Tarcísio e Caiado acenam a apoiadores do genocídio em Gaza

É incompreensível que o presidente da Argélia, Abdelmadjid Tebboune, tenha dito na reunião de cúpula da Liga Árabe em Argel em 2022: “queremos um Estado palestino baseado nas fronteiras de 1967”. A Argélia, que estava prestes a ser dividida pela França em dois Estados quando se aproximava o fim da sua colonização, um francês e outro para os argelinos nativos, hoje com a Palestina defende o mesmo. Embora a Argélia esteja sujeita a um grande risco de interferência destrutiva do Ocidente, parece excessivo que o seu presidente defenda tão explicitamente um discurso colonial.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Daniel Lobato Bellido

LEIA tAMBÉM

Hospital-Al-Shifa
160 postos médicos destruídos: Israel devasta sistema de saúde palestino para acelerar extermínio
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
ONU
Palestina como membro pleno da ONU: entenda os reflexos da resolução aprovada