Pesquisar
Pesquisar

Pepe Escobar | Janela de oportunidade para negociar acordo nuclear entre EUA e Irã não vai durar muito

Nenhum dos atores pode admitir que o renascimento do JCPOA empalidece em comparação com a questão real: o poder dos mísseis iranianos
Pepe Escobar
A Terra é Redonda
São Paulo (SP)

Tradução:

Poucas pessoas, além de especialistas, podem ter ouvido falar da Comissão Conjunta JCPOA. Esse é o grupo encarregado de uma tarefa de Sísifo: a tentativa de reviver o acordo nuclear com o Irã de 2015 por meio de uma série de negociações em Viena.

A equipe de negociação iraniana estava de volta a Viena, liderada pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Seyed Abbas Araghchi.

Shadowplay começa com o fato de os iranianos negociarem com os outros membros do P+1 – Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha – mas não diretamente com os EUA.

Afinal, foi o governo Trump que explodiu o JCPOA. Há uma delegação estadunidense em Viena, mas só fala com os europeus.

Shadowplay fica turbo quando cada mesa de centro vienense sabe sobre as linhas vermelhas de Teerã: ou está de volta ao JCPOA original, conforme foi acordado em Viena em 2015 e depois ratificado pelo Conselho de Segurança da ONU, ou nada.

Araghchi, bem-educado, teve que deixar o registro mais uma vez para enfatizar que Teerã irá embora se as conversas virarem “bullying”, perda de tempo ou mesmo uma dança de salão passo a passo , que é uma perda de tempo sob terminologia diferente.

Retomada de negociações com os EUA

Nem totalmente otimista nem pessimista, ele continua, digamos, cautelosamente otimista, pelo menos em público: “Não estamos decepcionados e faremos nosso trabalho. Nossas posições são muito claras e firmes. As sanções devem ser levantadas, verificadas e então o Irã deve retornar aos seus compromissos”.

Sobre o tema
Inflação e desaceleração serão alguns dos impactos da ofensiva dos EUA contra Irã

Então, pelo menos na tese, o debate continua. Araghchi: “Existem dois tipos de sanções dos EUA contra o Irã. Em primeiro lugar, “as sanções categorizadas ou chamadas de divisão, como petróleo, bancos e seguros, transporte, petroquímica, construção e automóveis” e, em segundo lugar, “sanções contra pessoas físicas e jurídicas.

“Em segundo lugar” é a questão chave. Não há absolutamente nenhuma garantia de que o Congresso dos Estados Unidos suspenderá a maioria ou pelo menos uma parte significativa dessas sanções.

Todo mundo em Washington sabe disso – e a delegação estadunidense sabe disso.

Quando o Ministério das Relações Exteriores em Teerã, por exemplo, diz que 60% ou 70% foi acordado, esse é um código para o levantamento das sanções divisionais. Quando se trata de “segundo”, Araghchi tem que ser evasivo: “Existem questões complexas nesta área que estamos examinando”.

Nenhum dos atores pode admitir que o renascimento do JCPOA empalidece em comparação com a questão real: o poder dos mísseis iranianos

Sputnik News
Equipe de negociação iraniana em Viena.

Política nuclear no Oriente Médio

Agora compare com a avaliação de insiders iranianos informados em Washington, como o especialista em política nuclear Seyed Hossein Mousavian: eles são mais como realistas pessimistas.

Isso leva em consideração as linhas vermelhas não negociáveis estabelecidas pelo próprio Líder Supremo Aiatolá Khamenei. Além da pressão contínua de Israel, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que são adversos ao JCPOA.

Sobre o tema
Entenda o contexto do aumento das tensões nas relações Irã-Arábia Saudita

Mas então há um jogo de sombras extra. A inteligência israelense já notificou o gabinete de segurança de que um acordo certamente será fechado em Viena.

Afinal, a narrativa de um negócio bem-sucedido já está sendo construída como uma vitória da política externa do governo Biden-Harris – ou, como preferem os cínicos, Obama-Biden 3.0.

Saiba+
‘Delirante’: Irã critica plano de paz de Trump para Israel e Palestina e sugere referendo

Enquanto isso, a diplomacia iraniana continua em alta. O chanceler Javad Zarif está em visita ao Catar e ao Iraque e já se encontrou com o emir do Catar, xeque Tamim al Thani.

O presidente iraniano Hassan Rohani, praticamente no final de seu mandato antes das eleições presidenciais de junho, sempre volta ao mesmo ponto: chega de sanções dos EUAIrãIrã retornará às suas “obrigações nucleares”.

Informe do Itamaraty

O Itamaraty chegou a divulgar um informativo bastante detalhado, ressaltando mais uma vez a necessidade de remover “todas as sanções impostas, reimpostas e renomeadas desde 20 de janeiro de 2017”.

A janela de oportunidade para um negócio não durará muito. A linha dura em Teerã não dá a mínima. Pelo menos 80% dos membros do Parlamento de Teerã são agora linha-dura. O próximo presidente certamente será um linha dura.

Os esforços da equipe Rohani foram considerados um fracasso desde o início da campanha de “pressão máxima” de Trump. Os hardliners já estão no modo pós-JCPOA.

Aquela fatídica Fatah

O que nenhum dos atores do jogo de sombras pode admitir é que o renascimento do JCPOA empalidece em comparação com a questão real: o poder dos mísseis iranianos.

Nas negociações originais de 2015 em Viena – siga-as em meu e-book Persian Miniatures – Obama-Biden 2.0 fez tudo ao seu alcance para incluir mísseis no negócio.

Cada grão de areia no deserto de Negev sabe que Israel não terá obstáculos para manter a primazia de suas armas nucleares no Oriente Médio.

Sobre o tema
EUA usaram dinheiro público para manipular debate no Twitter contra Irã, diz pesquisador

Por meio de um kabuki espetacular, o fato de Israel ser uma potência nuclear permanece “invisível” para a maior parte da opinião pública mundial.

Saiba+
Israel viola tratado de não proliferação nuclear e ameaça estabilidade no Oriente Médio

Embora Khamenei tenha emitido uma fatwa (fátua, em português) declarando claramente que a produção, armazenamento e uso de armas de destruição em massa – nucleares incluídas – é haram (proibido pelo Islã), a liderança de Israel se sente livre para ordenar acrobacias como a sabotagem via Mossad das armas nucleares (civis) iranianas complexo em Natanz.

Cúmplices

O chefe do Comitê de Energia do Parlamento do Irã, Fereydoun Abbasi Davani, chegou a acusar Washington e Londres de serem cúmplices da sabotagem de Natanz, já que eles provavelmente forneceram informações a Tel Aviv.

No entanto, agora um míssil solitário está literalmente explodindo uma grande parte do jogo de sombras.

Em 22 de abril, na calada da noite antes do amanhecer, um míssil sírio explodiu a apenas 30 km do ultrassensível reator nuclear israelense de Dimona.

A versão oficial – e insistente – israelense: isso era um “errante”. Bem, na verdade não.

O silêncio de Tel Aviv

Aqui – o terceiro vídeo a partir do topo – está a filmagem da explosão bastante significativa. Também significativamente, Tel Aviv permaneceu absolutamente mudo quando se trata de oferecer uma prova de identificação de mísseis.

Era um velho SA-5 soviético 1967? Ou, mais provavelmente, um 2012 Fateh-110 iraniano de curto alcance superfície a superfície, fabricado na Síria como o M-600 e também possuído pelo Hezbollah?

A árvore genealógica Fateh pode ser vista no gráfico anexo. O inestimável Elijah Magnier fez algumas perguntas muito boas sobre o quase-golpe de Dimona.

Eu complementei com uma discussão bastante esclarecedora com físicos, com a contribuição de um especialista da inteligência militar.

O Fateh-110 opera como um míssil balístico clássico, até o momento em que a ogiva começa a manobrar para escapar das defesas do ABM.

A precisão é de até 10 metros, nominalmente 6 metros. Então, atingiu exatamente onde deveria. Israel confirmou oficialmente que o míssil não foi interceptado – após uma trajetória de aproximadamente 266 km.

Recado de Damasco

Isso abre uma nova lata de minhocas. Isso implica que o desempenho do muito elogiado e atualizado Iron Dome está longe de ser estelar – e fala sobre um eufemismo. O Fatah voou tão baixo que Iron Dome não conseguiu identificá-lo.

A conclusão inevitável é que esta foi uma combinação de mensagem/aviso. De Damasco. Com um carimbo pessoal de Bashar al-Assad, que teve que liberar um lançamento de míssil tão sensível.

Uma mensagem/alerta entregue por meio da tecnologia de mísseis iranianos totalmente disponível para o Eixo da Resistência – provando que os atores regionais têm grande capacidade furtiva.

É crucial lembrar que, quando Teerã despachou uma salva de versões deliberadamente mais antigas do Fateh-313 na base americana Ayn al-Assad no Iraque, em resposta ao assassinato do Gen Soleimani em janeiro de 2020, os radares americanos ficaram em branco.

Tecnologia de mísseis iraniana como principal dissuasão estratégica. Bem, esse é o jogo de sombras que transforma Viena em um espetáculo secundário.

Pepe Escobar é jornalista.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Pepe Escobar Pepe Escobar é um jornalista investigativo independente brasileiro, especialista em análises geopolíticas e Oriente Médio.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes